Pesquisar Histórias:

Subscrever...

Sobre mim:

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018
Sinopse:
A história começa quando aos doze anos Eddie e os amigos tiveram contacto com o misterioso Homem de Giz. Uma personagem central na trama e Eddie será assombrado por ela.
As estranhas figuras de giz conduzem Eddie e os amigos a um cadáver de uma rapariga pouco mais velha que eles e esta descoberta irá marcá-los para sempre.
Tudo aconteceu há trinta anos, e Eddie convenceu-se de que o passado tinha ficado para trás. Até ao dia em que recebeu uma carta que continha apenas duas coisas: um pedaço de giz e o desenho de uma figura em traços rígidos.
À medida que a história se vai repetindo, Eddie vai percebendo que o jogo nunca terminou.


É a isto que eu chamo entrar o ano da melhor maneira possível, no que a leituras diz respeito. 
Boa escrita, boas personagens, boas temáticas e um enredo que nos prende do início ao fim, fazem de O Homem de Giz um livro que não engana o leitor que o compra como “o livro de 2018”, pois neste momento acredito piamente que dificilmente encontrarei um policial que se lhe sobreponha em qualidade. 

É numa pequena cidade inglesa, no ano de 1986, que entre as brincadeiras da meninice descobrimos o corpo, os segredos e odor ácido da urina, do medo. Eddie e o seu grupo de amigos vão despindo a sua pele de inocência aos 12 anos e transformando-a em ousadia, na coragem e impulso que se pedem a todos os rapazes que, apesar de ansiarem por abraços fraternais, querem ser os primeiros a ser vistos como homens e heróis. 
2016, 30 anos depois, conhecemos os adultos a que a vida tratou de desfazer as ilusões. São pessoas comuns, quase demasiado vulgares, cujas memórias infantis estão abafadas pela realidade monótona das suas rotinas mas, há sempre um mas, este é o tipo de cidade que não larga os seus segredos e os jogos cândidos do passado prometem trazer de volta pesadelos esquecidos, um mistério antigo que traz consigo, sempre trará, o mesmo cheiro do medo. 

Com o seu género, thriller psicológico, evidente desde a primeira página, C. J. Tudor prende o leitor de forma subtil através de uma escrita cuidada, muito visual, que confere consistência a um cenário que tem a capacidade de se entranhar no leitor. 
É fácil imaginar esta cidade de moradias que revelam estratos sociais discrepantes, os playgrounds cujos risos ficam mais sombrios com o cair do Sol e o bosque, um bosque normal que pode esconder perigos em trilhos menos iluminados. Nada particularmente assustador mas que, através das suas palavras, vem repleto de maus augúrios. Além disto, contém ainda uma originalidade louvável e pormenores que efetivamente marcam pela diferença. 

Desenvolvendo-se em dois espaços temporais diferentes, são igualmente distintas as personagens que conhecemos, pois além das idiossincrasias da vida, também o tempo tem esse poder de metamorfose.
Eu confesso que gostei mais do passado, das crianças, porque para mim há algo na sua maldade sem filtros, por descoberta e impulso, que ultrapassa a ponderação e a consciência, que me arrepia verdadeiramente. Com eles é tudo mais vivido, mais fascinante e que ultrapassa e permanece na realidade da maturidade. Dito isto, A Rapariga do Carrossel, O Homem Branco e todas as alcunhas do grupo de amigos, que tão bem ficamos a conhecer, ficam na memória em vez dos seus nomes. 
No entanto, acreditem que não estou a desvalorizar Ed, o protagonista, ele é disfuncional o suficiente para vos prender à sua mente curiosa e aos seus dilemas, aqui a questão é que muitos conquistam relevância com o decorrer do enredo, são muitas pequenas histórias que quando interligadas dão ao livro o seu valor. 

Além de tudo o que citei, a autora conquistou-me verdadeiramente pelas temáticas, não fosse eu aquela que vive e se deixa sensibilizar pelo que lê. Há de tudo aqui, para lá das picardias ou das borboletas no estômago. Alzheimer, bulying e aborto são, a par com fanatismo religioso, as problemáticas mais marcantes e às quais tenho a certeza que vocês não ficarão indiferentes. 


E é isto! Sei que não vos disse muito mas espero ter dito o suficiente para vos deixar curiosos, porque acreditem, vão querer ler este livro! 
Para finalizar, tive o privilégio de conhecer a autora por estes dias e, creiam, ela é um doce; acreditam que tem medo de filmes de terror como eu? Vou contar-vos tudo numa publicação em breve. 
Só mais uma coisa, um obrigada imenso à Planeta pelo carinho que teve para com os bloggers no marketing deste título, em nada influenciou a minha opinião, prometo-vos, mas foi algo que me sensibilizou – uma ardósia, um saco, uma pen com o material para divulgar e, claro, uma cópia de avanço com um mês de antecedência – é bom sentirmos que o nosso trabalho ainda é querido. 

Uma leitura obrigatória para os fãs de thrillers e policiais, tenho a certeza absoluta que vão adorar! 

Título: O Homem de Giz
Autora: C. J. Tudor
Género: Thriller Psicológico
Editora: Planeta 


0 comentários :

Redes Sociais

*Planeta*

*Planeta*
Passatempo - Resultado!