Livraria das Histórias

Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

domingo, 29 de maio de 2016


Sinopse:
Vive-se o ano de 1933. Anna tem apenas nove anos e anda demasiado ocupada com a escola e com os amigos para reparar nos cartazes políticos espalhados pela cidade de Berlim com a suástica nazi e a fotografia de Adolf Hitler, o homem que muito em breve mudaria a face da Europa. Ser judeu, pensa ela, é apenas algo que somos porque os nossos pais e avós são judeus.
Mas um dia o pai dela desaparece inexplicavelmente. E, pouco tempo depois, ela e o irmão, Max, são levados pela mãe com todo o sigilo para fora da Alemanha, deixando para trás a sua casa, os amigos e os amados brinquedos. Reunida na Suíça, a família de Anna embarca numa aventura que vai durar anos.

No mesmo momento em que soube que Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa estava finalmente, novamente, disponível no mercado nacional tive a certeza que tinha de o ler. Aliada à grande curiosidade em torno desta história, veio uma quase necessidade de mergulhar num clássico infantil, o desejo imenso de voltar a ver o mundo através de um olhar inocente agora que, admitamos, percepciono a História de forma bastante mais abrangente e por vezes bastante assustadora. 

Com uma voz que o leitor adulto reconhecerá como biográfica, Judith Kerr conta-nos a viagem de Anna para a Suíça e, posteriormente, para França, conta-nos a sua fuga de um homem de bigode que se agigante na Berlim que tão saudosamente recordará. 
Esta é, efectivamente, a história de uma viagem imensa que se articula, em muito, com os percalços do crescimentos e a mente pueril de quem ainda não reflecte para lá do seu horizonte, uma viagem entre brincadeiras, novas vidas e a aquisição de conhecimento por via de aprendizagens impostas e dificuldades ultrapassadas de mão dada com o amor mais belo, o fraterno. 

Com uma caracterização muito sincera e genuína sob o olhar encantador da protagonista, creio que é impossível não sentir empatia e afectividade imediatas sobre esta família e alguns dos que com ela se cruzam. 
Anna é uma menina esperta e que ao longo do texto se multiplica nas línguas e convivências com que cruza o seu caminho. Conferindo leveza ao texto, é muito fácil perdemo-nos nos seus devaneios e jogos enquanto nos apercebemos do cenário desolador que se vai formando em torno dos seus. O seu irmão Max, ligeiramente mais velho e como tal mais atento, permite-nos intuir com mais certeza a forma como todos são afectados pela Grande Guerra que muda o mais pequeno dos universos e, consequentemente, todos os outros para sempre. Não são, nem um nem outro, personagens grandiosas, mas são generosas amostras que se vão apercebendo das dificuldades dos seus pais, das mudanças que parecem ganhar corpo no ar, num pedaço de História em que o esquecimento natural nada mais é que uma grande bênção. 

Considerada uma leitura infanto-juvenil, parte da beleza desta obra esta no vasto público de quase todas as idades que consegue alcançar com um retracto muito singular, raro até, da Segunda Guerra Mundial, bem como dos lugares onde se desenvolve e das suas gentes. A sua magia está toda nas crianças, como tantas vezes sucede. 
Além da temática principal, a que está sujeita a menina que deixou o seu brinquedo cor-de-rosa favorito para trás, gostei da sensibilidade possível com que foi tratado o preconceito e a diferença nos vários cenários por onde foi passando. Gostei de ver os seus sonhos desfeitos e reconstruídos, uma e outra vez, transmitindo uma aspereza impressa na sua vida dura mais mas, certamente, também generosa, com a sua família a merecer grande parte da atenção do leitor que acabará por se enternecer – é algo que é sentido, confesso, algo complicado de descrever. 

Em suma, é um livro muito belo de tão simples, um livro de crescimento e afectos básicos que merece um lugar entre os clássicos para os mais pequenos mas que tocará para sempre o coração dos graúdos. Uma aposta muito, muito feliz da Booksmile e que me deu um prazer muito doce folhear e que, definitivamente, recordarei e irei sugerir em cada oportunidade. 

Título: Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa
Autora: Judith Kerr
Género: Infojuvenil 
Editora: Booksmile


0 comentários :

Redes Sociais

*Passatempo*

*Passatempo*
Até 26 de Março!

Editorial Presença*

Editorial Presença*
Passatempo - Até dia 2 de Abril!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide