Livraria das Histórias

Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Título: Índias
Autor: João Morgado
N.º Páginas: 416
PVP: 16.00 €
ISBN: 9789897242816

Sinopse:
O novo romance de João Morgado, autor já com vasta obra publicada e premiada, centra-se na vida escondida de Vasco da Gama e numa época tão gloriosa quanto distante. Trata-se de um livro que desde as primeiras páginas ambienta o leitor no período áureo da nossa História e através do qual (re)descobrimos o lado obscuro do grande navegador português. Eis uma história de ódios, de vinganças, de ambições e conquistas.

Sobre o autor:
João Morgado nasceu em 1965, em Aldeia do Carvalho, Covilhã.
Poeta e romancista, é formado em Comunicação pela Universidade da Beira Interior e tem um mestrado em Estudos Europeus na Universidade de Salamanca, Espanha, e uma pós-graduação em Marketing Político pela Universidade Independente / Universidade de Madrid. É membro do Centro de Investigação Professor Doutor Joaquim Veríssimo Serrão.
Trabalhou como jornalista e, para além da imprensa regional, escreveu no diário "Público" e semanário "Sol". Atualmente é consultor de comunicação nos meios empresariais e políticos.
Na literatura afirmou-se com dois romances: Diário dos Infiéis e Diário dos Imperfeitos. Estas duas obras foram adaptadas ao teatro pela ASTA – Associação de Teatro e outras Artes.
Na sua incursão pelo romance histórico, lançou na Clube do Autor a obra Vera Cruz, sobre a vida desconhecida de Pedro Álvares Cabral, e um polémico romance biográfico de Vasco da Gama, Índias



domingo, 29 de maio de 2016


Sinopse:
Vive-se o ano de 1933. Anna tem apenas nove anos e anda demasiado ocupada com a escola e com os amigos para reparar nos cartazes políticos espalhados pela cidade de Berlim com a suástica nazi e a fotografia de Adolf Hitler, o homem que muito em breve mudaria a face da Europa. Ser judeu, pensa ela, é apenas algo que somos porque os nossos pais e avós são judeus.
Mas um dia o pai dela desaparece inexplicavelmente. E, pouco tempo depois, ela e o irmão, Max, são levados pela mãe com todo o sigilo para fora da Alemanha, deixando para trás a sua casa, os amigos e os amados brinquedos. Reunida na Suíça, a família de Anna embarca numa aventura que vai durar anos.

No mesmo momento em que soube que Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa estava finalmente, novamente, disponível no mercado nacional tive a certeza que tinha de o ler. Aliada à grande curiosidade em torno desta história, veio uma quase necessidade de mergulhar num clássico infantil, o desejo imenso de voltar a ver o mundo através de um olhar inocente agora que, admitamos, percepciono a História de forma bastante mais abrangente e por vezes bastante assustadora. 

Com uma voz que o leitor adulto reconhecerá como biográfica, Judith Kerr conta-nos a viagem de Anna para a Suíça e, posteriormente, para França, conta-nos a sua fuga de um homem de bigode que se agigante na Berlim que tão saudosamente recordará. 
Esta é, efectivamente, a história de uma viagem imensa que se articula, em muito, com os percalços do crescimentos e a mente pueril de quem ainda não reflecte para lá do seu horizonte, uma viagem entre brincadeiras, novas vidas e a aquisição de conhecimento por via de aprendizagens impostas e dificuldades ultrapassadas de mão dada com o amor mais belo, o fraterno. 

Com uma caracterização muito sincera e genuína sob o olhar encantador da protagonista, creio que é impossível não sentir empatia e afectividade imediatas sobre esta família e alguns dos que com ela se cruzam. 
Anna é uma menina esperta e que ao longo do texto se multiplica nas línguas e convivências com que cruza o seu caminho. Conferindo leveza ao texto, é muito fácil perdemo-nos nos seus devaneios e jogos enquanto nos apercebemos do cenário desolador que se vai formando em torno dos seus. O seu irmão Max, ligeiramente mais velho e como tal mais atento, permite-nos intuir com mais certeza a forma como todos são afectados pela Grande Guerra que muda o mais pequeno dos universos e, consequentemente, todos os outros para sempre. Não são, nem um nem outro, personagens grandiosas, mas são generosas amostras que se vão apercebendo das dificuldades dos seus pais, das mudanças que parecem ganhar corpo no ar, num pedaço de História em que o esquecimento natural nada mais é que uma grande bênção. 

Considerada uma leitura infanto-juvenil, parte da beleza desta obra esta no vasto público de quase todas as idades que consegue alcançar com um retracto muito singular, raro até, da Segunda Guerra Mundial, bem como dos lugares onde se desenvolve e das suas gentes. A sua magia está toda nas crianças, como tantas vezes sucede. 
Além da temática principal, a que está sujeita a menina que deixou o seu brinquedo cor-de-rosa favorito para trás, gostei da sensibilidade possível com que foi tratado o preconceito e a diferença nos vários cenários por onde foi passando. Gostei de ver os seus sonhos desfeitos e reconstruídos, uma e outra vez, transmitindo uma aspereza impressa na sua vida dura mais mas, certamente, também generosa, com a sua família a merecer grande parte da atenção do leitor que acabará por se enternecer – é algo que é sentido, confesso, algo complicado de descrever. 

Em suma, é um livro muito belo de tão simples, um livro de crescimento e afectos básicos que merece um lugar entre os clássicos para os mais pequenos mas que tocará para sempre o coração dos graúdos. Uma aposta muito, muito feliz da Booksmile e que me deu um prazer muito doce folhear e que, definitivamente, recordarei e irei sugerir em cada oportunidade. 

Título: Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa
Autora: Judith Kerr
Género: Infojuvenil 
Editora: Booksmile


sexta-feira, 27 de maio de 2016


Depois da publicação de Os 100, em julho de 2015, e com a segunda edição a chegar às livrarias, a Topseller publica o segundo volume.

Título: Os 100: 21 Dias Depois
Autor: Kass Morgan
N.º Páginas: 288
PVP: 16.99 €
ISBN: 9789898831606

Sinopse:
Há 21 dias, eles pensavam ser os primeiros humanos a pisar o solo terrestre em séculos. Há 21 dias, eles pensavam estar sozinhos e seguros. Mas a realidade era completamente diferente. E ninguém estava preparado para ela?
Nesta excitante aventura de Os 100, há segredos revelados, crenças postas em causa e relações testadas ao limite. Os 100 vão ser postos à prova e terão de se unir para sobreviver.

Leia um excertoAqui

«Misterioso e excitante, uma combinação perfeita deOs Jogos da Fome comO Deus das Moscas.» - Booklist
«É fácil ficar preso a este enredo pleno de tensão, onde um grupo de jovens tenta criar uma nova sociedade na terra. Mas onde não deixa de haver espaço para a intriga e o romance.» - Publishers Weekly

Título Anterior

Sobre a autora:
Kass Morgan é licenciada pela Universidade de Brown, nos Estados Unidos, e tem um mestrado pela Universidade de Oxford. Trabalha como editora e vive em Nova Iorque. O seu bestseller Os 100 foi adaptado a série de televisão.
Pode segui-la no Twitter em @kassmorganbooks. Descubra mais sobre Os 100 em the100series.com

Saiba mais em: Topseller


quinta-feira, 26 de maio de 2016


Da mesma autora de A Minha Outra Metade, uma história encantadora e cativante.
Os Sinais do Amor desenha um retrato comovente sobre os laços complexos da família, da amizade e do amor.
Unidos pelo amor, separados por segredos e preconceitos, só na dor se irão encontrar.

Título: Os Sinais do Amor
Autor: Marianne Kavanagh
N.º Páginas: 288
PVP: 16.99 €
ISBN: 9789898831484

Sinopse:
As irmãs Kim e Eva tiveram de aprender a cuidar de si próprias muito cedo, desde que os pais se separaram e cada um foi para seu lado. Kim é desconfiada e não gosta de aceitar ajuda de ninguém, ao contrário da irmã que aceita e agradece todo o apoio que lhe é oferecido.
Quando Harry surge nas suas vidas, conquista Eva de imediato, com o seu charme irresistível, mas Kim não o aceita e não compreende o que é que um espírito livre como a irmã vê num banqueiro orgulhoso e convencido. Além disso, ele parece ter como passatempo favorito provocar Kim.
Então, Eva adoece, e tudo muda: Kim e Harry são forçados a passar mais tempo juntos. Os mal-entendidos que os separam e os segredos há muito escondidos começam a vir à superfície, alterando para sempre a vida de ambos.

Um história encantadora e cativante, Os Sinais do Amor desenha um retrato comovente sobre os laços complexos da família, da amizade e do amor.

Leia um excerto Aqui

«Comovente e profundo.» – The Daily Mail
«Um romance surpreendente e uma lufada de ar fresco. Marianne Kavanagh criou uma história sobre laços familiares e equívocos românticos que consegue ser simultaneamente emocionante e profunda.» – Kirkus Reviews

Sobre a autora:
Marianne Kavanagh foi diretora da edição britânica da revista Marie Claire e colaborou com diversos jornais, revistas e sites, incluindo o Daily Telegraph e The Guardian. Vive atualmente em Londres e escreve uma coluna semanal sobre parentalidade para o site Parentdish
Saiba mais sobre a autora em MarianneKavanagh.com

Saiba mais em: Topseller


quarta-feira, 25 de maio de 2016
Como é habitual, a Planeta Manuscrito também organizou algumas sessões de autógrafos para os leitores que anseiam pela FLL para ver os seus exemplares assinados. Deixo-vos, abaixo, as datas, horas e autores que poderão encontrar nos Pavilhões B82 - B84 - B86 da Planeta Manuscrito.

28 Maio – 16h
Cristina Carvalho
Livros editados: Casa das Auroras; Marginal; Quatro Cantos do Mundo; O Olhar e a Alma
Alice Brito
Livro editado: As Mulheres da Fonte Nova; O dia em que Estaline encontrou Picasso
na biblioteca

30 Maio – 16h
Maria Inês Almeida
Livros editados: Quando Eu For Grande; A Última Árvore; Agenda Literária; A Admirável
Aventura de Malala; A Admirável Aventura de Mandela
António Mateus
Livros editados: Mandela – O Rebelde Exemplar; Angola – O Regresso do Fim do Mundo

4 Junho – 16h
Claudia Clemente
Livro editado: A Casa Azul
Fausta Cardoso Pereira
Livros editados: Bom Caminho; O Homem do Puzzle
Sérgio Luís de Carvalho
Livros editados: Nas Bocas do Mundo; O Destino do Capitão Blanc; O Caminho dos Reis de
Portugal; O Caminho dos Presidentes da República; A Minha Primeira História de Portugal;
O Rei Embevedado de Amor; Os Descobridores do Mundo; Dicionário de Insultos; Equívocos,
Enganos e Falsificações da História de Portugal

5 Junho – 16h
Marta Mertens
Livro editado: 100 Mandamentos para a Felicidade

10 Junho – 16h
Cesário Borga
Livros editados: O Agente da Catalunha; O Movimento dos Capitães e o 25 de Abril;
Ethel- Amanhã em Lisboa
Frederico Duarte Carvalho
Livros editados: Camarate – Sá Carneiro e as Armas para o Irão; O Terceiro Bispo

13 Junho – 16h
Maria Inês Almeida
Livros editados: Quando Eu For Grande; A Última Árvore; Agenda Literária; A Admirável
Aventura de Malala; A Admirável Aventura de Mandela
António Mateus
Livros editados: Mandela – O Rebelde Exemplar; Angola – O Regresso do Fim do Mundo


Com um crescimento notável de ano para ano, a 20|20 Editora promete não passar despercebida nesta da FFL deste de 2016 com muito para oferecer a miúdos e graúdos. Da minha parte, posso apenas dizer-vos que sou uma grande fã do seu catálogo e vou certamente passar por lá - aguenta coração, ou devo dizer carteira? *.*









Desta vez não não tenho a programação editorial mas sim a mágica lista de Livros do Dia disponibilizada pelo Grupo Editorial Presença no seu site. Com livros para todos os gostos, queridos leitores, é só pegar no papel e na caneta e escolher aquele dia em que não podem mesmo deixar de passar pela FLL para agarrar o título que tanto desejam! 

Lista de Livros do Dia Editorial Presença - clicar no link



Aqui fica a lista, programação, da Penguin Random House Grupo Editorial no que diz respeito a sessões de autógrafos nesta edição da FLL. Como podem ver, o agendamento está por autor por isso, se têm livros para assinar, é só escolherem o melhor dia para passar por lá. Ou seja, todos! 

Afonso Cruz Flores e A Cruzada das Crianças 
Dia 4 de Junho, Sábado, 16h/18h
Dia 11 de Junho, Sábado, 15h/17h

Ana Soares e Bárbara Wong – Coleção Olimpvs.Net
Dia 1 de junho, quarta-feira, 14h30/15h30

Carolina Patrocínio – Stay Active 
Dia 5 de junho, Domingo, 16/17h

David Machado Eu Acredito e Uma noite Caiu uma Estrela 
Dia 28 de Maio, Sábado, 17h
Dia 4 de Junho, Sábado, 15h
Dia 5 de Junho, Domingo, 17h

Helena Sacadura Cabral – Caminhos para Deus e Gosto de Gostar 
Dia 27 de Maio, sexta-feira, 19h/20h
Dia 29 de Maio, Sábado, 15h/16h
Dia 4 de Junho, Sábado, 18h/19h
Dia 12 de Junho, Domingo, 17h/18h

Joël Dicker A Verdade sobre o Caso Harry Quebert e o Livro dos Baltimore 
Dia 29 de maio, Domingo, 17h/19h

João TordoO Luto de Elias Gro e O Paraíso Segundo Lars D 
Dia 28 de Maio, Sábado, 17h/19h
Dia 11 de Junho, Sábado, 16h/18h
Dia 12 de Junho, Domingo, 18h30/20h

Luis CoelhoFaz-te Homem 
Dia 12 de Junho, Domingo, 16h/17h

Maria BravoCenas de uma Adolescente 
Dia 5 de Junho, Domingo, 16h/17h

Nuno Markl O Homem que Mordeu o Cão 
Dia 5 de Junho, Domingo, 17h/19h

Otelo Saraiva de Carvalho O Dia Inicial 
Dia 10 junho, sexta-feira, 15h


terça-feira, 24 de maio de 2016

Uma das grandes apostas do Grupo Saída de Emergência nesta 86.ª FLL é dar aos seus leitores a oportunidade de conhecer Simon Scarrow, um autor internacional reconhecido e com um vasto catálogo em terras lusas. 



Queridos leitores, 

Nos próximos dias vou aproveitar para partilhar por aqui algumas das informações que as editoras me têm enviado sobre os seus programas para a próxima Feira do Livro de Lisboa (FLL) que começa já no próximo dia 26 de Maio. Eu não vou perder a festa (ou parte dela) nos dias em que conseguir passar por lá. Quem vai? 

Programação Porto Editora - aceda a todos os conteúdos no link




segunda-feira, 23 de maio de 2016

EM 3, 2, 1… O JOGO VAI COMEÇAR!

Título: Ready Player One - Jogador 1
Autor: Ernest Cline
Título Original: Ready Player One
Tradução: Miguel Romeira
Coleção: Via Láctea Nº 134
N.º Páginas: 416
PVP: 18.90 €
ISBN: 9789722358231

Sinopse:
Em 2044 o mundo tornou-se um lugar triste, devastado por conflitos, escassez de recursos, fome, pobreza e doenças. Wade Watts só se sente feliz na realidade virtual conhecida como OASIS, onde pode viver, jogar e apaixonar-se sem constrangimentos. Quando o criador do OASIS morre, deixa a sua imensa fortuna e o controlo da realidade virtual a quem conseguir resolver os enigmas que aí escondeu. Os utilizadores têm apenas como pistas a cultura pop dos anos 1980. Começa assim uma frenética e perigosa caça ao tesouro. Nos primeiros anos, milhares de jogadores tentam solucionar o enigma inicial sem sucesso. Até que Wade por acaso desvenda a primeira chave. De um momento para o outro, vê-se numa corrida desesperada para vencer o prémio, uma corrida que rapidamente continua no mundo real e que põe em risco a sua vida.

Leia um excerto Aqui

Ready Player One vai ser adaptado ao cinema por Steven Spielberg.

Bestseller do New York Times
Traduzido em 22 países

«Imperdível para os nostálgicos das últimas décadas do século XX, e uma leitura excelente para todos aqueles que gostam de um bom livro.» - Wired.com
«O Harry Potter dos mais crescidos. O mistério e a fantasia entrelaçam-se de forma soberba, e os pormenores que dão vida ao mundo de Ernest Cline são fascinantes.» - Huffington Post
«Uma leitura cativante. Uma estreia de grande sucesso.» - Daily Mail

Sobre o autor:
Ernest Cline é argumentista, conhecido pelo filme de culto Loucos e Fãs, escritor e geek a tempo inteiro. Vive no Texas com a mulher, a filha e uma vasta coleção de clássicos dos videojogos. Ready Player One, Jogador 1, é o seu primeiro livro. Os direitos foram adquiridos por mais de 20 países e será adaptado ao cinema pela Warner Brothers com Steven Spielberg como realizador.

Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui.


quinta-feira, 19 de maio de 2016

Sinopse: 
Maddie é bonita e talentosa, pelo que todos esperam que ela se case em breve. Mas Maddie é muito tímida em relação aos homens, além de ter um medo terrível de espaços públicos e multidões.
Para se livrar de ter de ir a festas e ser cortejada, ela inventa um noivo imaginário: um capitão escocês de nome MacKenzie, muito apaixonado e dedicado, a quem escreve cartas onde revela os seus mais íntimos desejos e anseios. Aproveitando as prolongadas ausências do capitão, que vive convenientemente longe por causa da guerra, Maddie vai conseguindo escapar à pressão de se apresentar à sociedade.
Anos depois, porém, o inimaginável acontece: o capitão, produto da sua imaginação, aparece em carne e osso à porta do seu castelo. Este capitão Logan MacKenzie é um soldado atraente, mas rude e selvagem. E o pior de tudo é que tem na sua posse as cartas de Maddie, aquelas que ela escreveu ao seu noivo fictício, e que contêm segredos inconfessáveis.
Agora, o capitão pretende fazê-la cumprir todas as promessas que ela lhe fez e que nunca esperou ter de concretizar?

Como fã incorrigível de romances de época sensuais, histórias em que o humor prevalece entre fantasias de saiotes, tornozelos revelados e olhares capazes de abalar as almas mais inocentes, fiquei completamente rendida a Tessa Dare desde que foi publicado o primeiro volume da sua trilogia Castles Ever After pela Topseller, Romance Como Duque. O feitiço durou e quando soube que iria ser publicado este último livro, A Prometida do Capitão, passou directamente para o topo da minha lista de leituras prioritárias. Conclusão? Adorei!

Nem sempre acontece, mas neste caso basta um breve olhar sobre a sinopse para perceber o quão divertida esta narrativa é, com a sua protagonista irremediavelmente colocada perante o “cavalheiro” que sempre idealizou na esperança de que este nunca transcendesse a sua imaginação. 
Finalmente emancipada e livre das amarras impostas pela sociedade, Maddie vai descobrir que a encruzilha criada inocentemente por si, muitos anos antes, voltará para assombrar o seu estável presente e, entre peripécias e muita sedução, o leitor pode contar com mais uma bonita história de amor e atracção. 

É muito difícil fugir a padrões neste tipo de enredos, sem que se perca o encanto pela ficção, quando se toca uma realidade sensível da qual nos afastámos. Ainda assim, dentro dos protótipos, é a capacidade de tornar especiais os seus intervenientes que destaca esta autora revelando as singularidades dos protagonistas logo nas primeiras páginas e desenvolvendo-as ao longo do livro. 
A timidez e inocência de Maddie equilibradas com o seu espírito arrojado e generosidade oferecem de imediato empatia ao leitor, que acompanhará com um sorriso o seu crescimento emocional, enquanto se surpreende com as peculiaridades dos seus gostos e personalidade. Já Logan, um magnífico que escocês que fará as leitoras suspirar, é tudo o que promete, sendo bastante primitivo nos gestos e afectos aos quais junta um toque de humor e sensibilidade que lhe conferem o charme que deixará a protagonista fascinada. 
No que respeita a intervenientes secundários, uma tia excêntrica com um passado que promete apimentar a história, e um grupo de soldados desorientados e mutilados são um bom complemento ao casal principal, alguns deles com intervenções significativas e que proporcionaram, no geral, largas gargalhadas. 

Já em relação às temáticas, as perturbações afectivas centralizam a acção e cada personagem tem os seus próprios “monstros” para combater. Relativamente a Maddie, esta sofre de uma fobia que influencia toda a sua vida social e é interessante analisar a sua maneira de lidar com a questão. Já o Capitão de serviço, remete uma questão mais comum mas também mais profunda que não irei abordar por se tratar de um claro spoiler
Além das temáticas singulares que citei, através de uma abordagem ligeira é igualmente interessante ver como alguns escoceses, em particular os soltados, lidaram com o pós-guerra napoleónico e alterações sociais causadas no seu país de origem pelos anos passados em combate. 

Em suma, esta é típica história, romance, que eu sugiro a quem procura entretenimento de qualidade, algo leve que distraia depois de um dia de trabalho ou, talvez, numas pausas entre férias para espairecer. É importante ainda referir que, embora pertencente a uma trilogia, este título pode ser lido independentemente de se ter ou não percorrido as páginas antecedentes e numa ordem aleatória, pois a única ligação entre os três é o facto de o enredo se desenvolver sempre em torno de um castelo, remetendo para os doces contos-de-fadas.

A meu ver, uma aposta assertiva Topseller que, a mim, preencheu as medidas do que procurava. Diverti-me imenso. 

Da mesma trilogia: 
Romance Com o DuqueOpinião
A Noiva do Marquês Opinião

Título: A Prometida do Capitão
Autora: Tessa Dare
Género: Romance de Época; Comédia
Editora: Topseller


terça-feira, 17 de maio de 2016

Título: A Loucura de Lorde Ian Mackenzie
Autor: Jennifer Ashley
N.º Páginas: 352
PVP: 18.79 €
ISBN: 9789898839022

Sinopse:
A maioria das mulheres prestaria atenção aos avisos. Beth decidiu ignorá-los...
Por toda a sociedade londrina correm rumores de que Lorde Ian Mackenzie é louco, que terá passado a sua juventude num asilo, e que não é de confiança, especialmente com senhoras.
Beth é uma jovem viúva, herdeira de uma fortuna, que está outra vez noiva e que deseja voltar a ser tão feliz quanto foi com o primeiro marido. Quando é apresentada a Lorde Ian Mackenzie, este apaixona-se imediatamente e não tem dúvidas de que a quer para si. Procura, então, convencê-la a deixar o noivo e a casar-se consigo. 
Beth acaba por se deixar seduzir e decide fazer tudo para ajudar Lorde Ian a superar o sofrimento que carrega, devido a um passado tormentoso.
A partir de então, só uma coisa faz sentido na vida de Beth... a loucura de Lorde Ian Mackenzie.

«Uma história de amor e redenção romântica, deliciosamente misteriosa e agradavelmente sexy, que irá cativar os leitores com as suas personagens complexas e o seu enredo cheio de suspense.» - Booklist

Sobre a autora:
Jennifer Ashley é uma autora norte-americana, bestseller do New York Times e do USA Today, que já conta com mais de 80 obras publicadas. 
Os seus livros têm-lhe garantido vários elogios e prémios, incluindo o Prémio RITA para Melhor Romance, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance, o Prémio Romantic Times Reviewer’s Choice, entre muitos outros.
Os seus livros já venderam mais de cinco milhões de exemplares, tendo sido traduzidos para mais de dez línguas.
Saiba mais sobre a autora em www.jenniferashley.com

Saiba mais em: Topseller



segunda-feira, 16 de maio de 2016


Jonathan Evison foi vocalista da banda punk March of Crimes, oriunda de Seattle, grupo por onde passaram futuros membros de grupos de êxito mundial como os Pearl Jam e os Soundgarden.
Dos palcos para os livros, Jonathan Evison é hoje comparado pela crítica internacional a escritores como J. D. Salinger, Charles Dickens e John Irving, pela sua escrita emocional e humor invulgar. Em Amizades Improváveis, o Evison traz-nos uma história cheia de emoção, sobre heróis improváveis e amizades inesperadas. Chega às salas de cinema em 2016.

Título: Amizades Improváveis
Autor: Jonathan Evison
N.º Páginas: 360
PVP: 18.79 €
ISBN: 9789898831309

Sinopse:
Trevor é um jovem de 19 anos com distrofia muscular, limitado a uma cadeira de rodas. Ben, um homem que perdeu tudo, é o seu auxiliar de apoio domiciliário, e aos 39 anos já sabe bem onde começa e acaba a vontade de viver. Juntos irão descobrir as suas verdadeiras essências, numa viagem de autodescoberta capaz de mudar para sempre a forma como hão de viver o passado e o presente, e perspetivar o futuro.
Com uma escrita muito própria, dotada de energia, graça inteligente e momentos de absoluta beleza, Jonathan Evison conta-nos uma história inspiradora sobre encontros e desencontros, mágoa e superação, e sobre as surpresas da vida e suas incomensuráveis recompensas.

Um livro cativante, comovente e com sentido de humor agridoce, que vai ser adaptado ao cinema pela CBS Films em 2016.

Leia um excerto AQUI

«Uma história agridoce, comovente e engraçada sobre alguém que cuida de uma pessoa com deficiência, contada sem sentimentalismo ou amargura.» - The Washington Post
«Jonathan Evison envolve esta história melancólica num humor especial, numa narrativa vívida, com um núcleo mordaz e personagens solitárias e peculiares.» - Kirkus Reviews

Sobre o autor:
Autor bestseller de três romances premiados, Jonathan Evison é comparado pela crítica internacional a escritores como J. D. Salinger, Charles Dickens e John Irving pela sua escrita emocional e humor inusitado. Escreveu para o New York Times, Wall Street Journal, Washington Post, entre outros meios. Este é o seu terceiro livro, obra que recebeu nomeações importantes como: Amazon Best Books of the Year e Washington Post Notable Fiction Book of the Year
Saiba mais sobre o autor: jonathanevison.net

Saiba mais em: Topseller


sábado, 14 de maio de 2016

Maio vai quase a meio e, para não variar, esta Salganhada já devia ter sido publicada há uns dias mas, também como é habitual, não consegui controlar a minha disponibilidade e só hoje vos consigo trazer o resumo do mês de Abril, bem como as minhas singelas aquisições. 

Para quem nunca viu esta rubrica, espreitem aqui

Sonhos & Sobras


Nesta imagem podem ver o que sonhei em leituras para Abril e, exceptuando O Homem do Castelo Alto, confesso que o mês me correu muito bem. Consegui pegar em 4 dos 5 livros da imagem (e mais um que me chegou durante o mês) e percorrer a maioria das suas páginas, as opiniões (como sempre) é que ficaram quase todas por fazer. Não sei o que se passa, a sério, mas já há muito tempo que não consigo sentar-me como antigamente ao computador e falar naturalmente sobre uma história. Sei que o cansaço físico e os dilemas pessoais são os verdadeiros culpados, mas gostava mesmo que a escrita fosse um escape, assim como são as horas que ainda vou conseguindo amealhar para ler. Tenho de me disciplinar. 

Tudo ao Molho 
(Nem tanto assim que por cá tratamos bem os livros.) 


Esta parte da rubrica é a prova de que, de alguma forma, lá vou tentando portar-me bem. Afinal, sabendo eu que não consigo escrever opiniões, não comprei nenhum livro no mês que findou – daí que só tenha uma imagem para vos mostrar. 
Igualmente, só três dos livros da imagem (e um deles é do mês anterior que tinha-me esquecido de o fotografar), é que foi solicitado por mim às editoras, o que me deixa um pouco orgulhosa… confesso :)

Editorial Presença: finalmente foi publicado em português mais dos livros que eu desejava muito ler, A Rainha de Tearling e após terminada esta viagem literária posso assegurar-vos que cumpre as expectativas. Quanto a Uma Chama Entre as Cinzas, tinha-me esquecido de o colocar no mês anterior e acho que é mais do que merecedor de aparecer na imagem – mais um livro excelente. 
Topseller: o outro livro que solicitei, no mês que passou, foi o quarto publicado em terras lusas do Arlidge. Um autor que adoro e que não perco por nada. Vou lê-lo nos próximos dias. 
Suma de Letras: definitivamente duas surpresas muito agradáveis, O Pacto e A Livraria dos Finais Felizes são títulos que me tinham despertado a atenção e vão ser, certamente, leituras a realizar em breve também. 
Planeta Manuscrito: li todos os livros da Megan Maxwell publicados por cá e, assim, não fazia sentido que o último não tivesse o mesmo destino. Está na pilha para ler este mês; vamos lá ver se a espanhola mantém o ritmo caliente e o seu humor de sempre. 
Marcador: não estava nada à espera de receber livros da Marcador mas parece que também a minha Elphaba teve direito aos dois grandes lançamentos de Março desta editora. Luanne Rice já conhecia e confesso que estou intrigada com Dançando Sobre o Vidro, provavelmente vou ler o segundo primeiro. 

*Como sempre, obrigado a todas as editoras por estes mimos, vocês fazem os meus dias muito mais felizes.* 

O Mais Desejado


Definitivamente, A Rainha de Tearling. Estava na minha wishlist desde que foi publicado no original e reúne uns quantos predicados que me agradam, como fantasia, romance e um cenário épico, aliados a um enredo cuidado e uma protagonista forte.

Coisas Boas 
(Não, eu não colecciono só livros, mas também tudo o que está associado aos meus adorados.)


Este mês foi muito bom no que diz respeito a objectos literários. Recebi como oferta um marcador feito à mão e outros tantos muito lindos para a colecção, o saco do Asterix que andava a tentar arranjar desde o natal (comprei um exemplar para o meu pai e na altura não havia), um porta-chaves do GoT, um novo bloco de To Do List (essencial para a minha existência) e, ainda, as publicações Estante e Gerador que já estavam quase a saírem das revistarias mas que ainda não me tinha lembrado de comprar. Um mês fantástico. 

Opiniões 

A Casa de Bonecas | M. J. Arlidge (Opinião)
Uma Chama Entre as Cinzas | Sabaa Tahir (Opinião)
Mais Maldito Karma | David Safier (Opinião)
Nós os Dois | Andy Jones (Opinião)

Parece que quatro opiniões são as suficientes para tornar este no melhor mês do ano até agora.
Não vos vou mentir, não fico propriamente feliz com este número mas qualquer recuperação é meritória por isso só me resta esperar que Maio seja anda melhor (por ora não me parece, mas vamos esperar para ver). 
Não há o melhor ou o pior do mês, pois estas são quatro são leituras muito distintas e todas me agradaram bastante no seu género. Mas se me obrigassem a escolher, possivelmente Uma Chama Entre as Cinzas era o favorito, porque eu sou particularmente fã deste tipo de leitura. 

Mais Coisas

Foram realizados alguns passatempos, bem como publicados vários resultados mas, na data de hoje, creio que vale a pena recordar os seguintes: 
Resultado, A Rainha de TearlingAQUI
Passatempo, A Grande MagiaAQUI

Antes do mês findar, quero trazer-vos pelo menos mais um passatempo e os resultados por apurar, por isso mantenham-se atentos. 

Sonhadora
(Sim sou, muito, e literariamente falando pior ainda!)


Portanto, o único livro que não li o mês passado foi transportado para o sonho deste mês e confesso que já comecei a lê-lo mas parei porque estava a apetecer-me ler algo mais leve. Não é um sonho muito grande, é um sonho à medida daquilo que eu penso que conseguirei ler apesar de, neste momento do mês de Maio, poder dizer-vos que as coisas não estão a correr bem. No entanto, mesmo com o começo da Feira do Livro de Lisboa e de eu ter mil planos para as minhas folgas, o facto de ter uns dias de descanso no final do mês deixa-me esperançosa de vir a conseguir avançar um pouco nas leituras e actualizar um pouco mais o blogue. *wish me luck*

Em Suma

Abril até foi um mês bom, não me posso queixar. Se todos os meses, até ao final do ano, fossem assim, tenho a certeza que ia conseguir ler muito do que quero e não me atrasar tanto nas leituras – ultimamente deixo de ler para não acumular mais livros por opinar. 
Espero, no entanto, que Maio seja ainda mais produtivo pois há duas ou três publicações que queria partilhar no blogue e que deste mês não podem passar. Veremos… 

… Continuação de um excelente mês e Boas Leituras*

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Prémio de Melhor Argumento do Festival de BD da Amadora em 2010.

Título: AS INCRÍVEIS AVENTURAS DE DOG MENDONÇA E PIZZABOY
Autor: Filipe Melo | Juan Cavia
PVP: 17.07 €
ISBN: 9789896710279

Sobre o livro:
«O livro é a história maravilhosamente ilustrada e bem contada de um distribuidor de pizzas chamado Eurico e das suas aventuras numa Lisboa infestada de monstros. A sua moto é roubada (e o seu trabalho a distribuir pizzas depende dela!), o que o obriga a recorrer aos serviços de Dog "Investigador do Oculto" Mendonça. A eles junta-se Pazuul, uma menina que não é o que parece, e a cabeça de uma Gárgula que fala pelos cotovelos. Entretanto, as crianças de Lisboa estão a ser raptadas durante a noite! Sob as ruas da cidade, o pior de todos os monstros está a trabalhar arduamente para levar a cabo o seu plano maléfico. Quem será ele? Bem, suponho que vão ter mesmo de ler para descobrir...», John Landis

quarta-feira, 11 de maio de 2016


Um livro há muito esgotado em Portugal e que regressou às livrarias sob a chancela Booksmile. Considerada um clássico da literatura juvenil, e inspirada na vida da própria autora, esta envolvente obra fala-nos da Segunda Guerra Mundial numa nova perspetiva e, de forma inusitada, com algum humor..

Título: Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa
Autor: Judith Kerr
N.º Páginas: 256
PVP: 14.39 €
ISBN: 9789898800381

Sinopse:
Vive-se o ano de 1933. Anna tem apenas nove anos e anda demasiado ocupada com a escola e com os amigos para reparar nos cartazes políticos espalhados pela cidade de Berlim com a suástica nazi e a fotografia de Adolf Hitler, o homem que muito em breve mudaria a face da Europa. Ser judeu, pensa ela, é apenas algo que somos porque os nossos pais e avós são judeus.
Mas um dia o pai dela desaparece inexplicavelmente. E, pouco tempo depois, ela e o irmão, Max, são levados pela mãe com todo o sigilo para fora da Alemanha, deixando para trás a sua casa, os amigos e os amados brinquedos. Reunida na Suíça, a família de Anna embarca numa aventura que vai durar anos.

«Uma introdução apaixonante ao tema da Segunda Guerra Mundial.» - Books for Your Children
«Um livro encantador e comovente, e nalguns momentos muito engraçado.» - Daily Mail

Sobre a autora:
Judith Kerr nasceu em Berlim, em 1923. O seu pai, um famoso escritor alemão e feroz crítico do regime nazi, temia sofrer represálias caso Hitler subisse ao poder. Por isso, fugiram da Alemanha quando Judith tinha apenas nove anos. Judith, os pais e o irmão atravessaram a Suíça e a França e, em 1936, chegaram a Inglaterra. Foi aí que a autora escreveu esta história semi-autobiográfica, Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa, publicada pela primeira vez em 1971, e considerada um clássico da literatura infantojuvenil.
Em 1945, Judith ganhou uma bolsa para a Central SchoolofArts, e, desde então, tem trabalhado como artista, guionista de televisão e, ao longo dos últimos trinta anos, como autora e ilustradora de livros infantojuvenis.

Saiba mais em: Booksmile



terça-feira, 10 de maio de 2016

Terminou mais um maravilhoso passatempo no blogue, com o fantástico apoio Editorial Presença. 


Para sorteio estava disponível um exemplar do livro A Rainha de Tearling de Erika Johansen, uma fantasia diferente e original que promete surpreender os fãs deste género literário. 

Gostaria, como sempre, de agradecer a todos pelas vossas participações. E, se não foi o vencedor/a, não desanime, haverá mais oportunidades em breve. 

Sem mais demoras, quem receberá este exemplar é:

136* Carina Grabulho, Palmela

Os meus sinceros parabéns, espero que usufrua de uma excelente leitura.
E o meu muito obrigado à Editorial Presença por me oferecer a possibilidade de realizar este passatempo. 
Boas leituras*

Para comprar o livro A Rainha de Tearling, clique aqui.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Sinopse:
Durante dezoito anos, o destino de Tearling ficou nas mãos do Regente, manipulado pela Rainha Vermelha, uma feiticeira implacável que governa o reino vizinho de Mortmesme. Porém, Kelsea Glynn, sobrinha do Regente, é a legítima herdeira do trono. Quando completa dezanove anos, está pronta para reclamar o que é seu – e assim regressa do exílio com o objetivo de tornar Tearling um reino livre de pobreza, opressão e escravatura. Mas Kelsea é jovem, ingénua e cresceu longe da corrupção e dos perigos que assolam o reino. Cedo lutará pelo trono e pela própria sobrevivência, num caminho de crescimento em que aprende a lidar com uma herança muito pesada.

Queridos leitores, se vocês vissem a minha wishlist de importação não se surpreendiam por, uma vez mais, vos confessar que esta é mais uma história que eu tinha debaixo de olho desde que foi publicada no original. Neste caso em particular, efusivos comentários de leitores americanos que acompanho, assim como uma capa maravilhosa e uma sinopse atractiva foram motivos mais que suficientes para me fazer “dar pulos de alegria” quando soube de mais este lançamento Editorial Presença

Desenvolvendo-se num futuro distante apesar do seu cenário épico que nos recorda a cultura medieval, Erika Johansen apresenta-nos a história de um povo há muito sob jugo tirano, cujo destino está prestes a mudar através da ascensão de uma herdeira ao trono aparentemente esquecida por quase todos. 
Com a sua vida em risco e a sua astúcia levada ao limite desde o início, vamos, assim, acompanhar a tomada de poder desta jovem mulher e os primeiros e decisivos passos que terá de tomar se quiser transformar o seu reino no que sempre que idealizou através da sua formação, enquanto assistimos a uma jornada sublime de crescimento individual, não apenas empática para com a sua protagonista como também por todos aqueles que depressa passam a ser parte integrante no destino de Tearling

Para o primeiro título de uma trilogia, são muitas e relevantes as personagens que se destacam em A Rainha de Tearling, sendo Kelsea, no entanto, o centro das atenções entre todos os outros intervenientes e os olhos do leitor para este mundo. 
Com um começo quase irritantemente ingénuo, devido à sua educação protegida e equilibrada entre disciplina e afectos, é interessante vê-la tomar, aos poucos, conhecimento sobre quase tudo o que a rodeia e o muito que ficou por lhe explicar em relação ao seu reino e ao seu povo. Neste sentido, é muito bom vê-la ser arrojada nas acções sem medo de enfrentar consequências e o desconhecido baseada apenas na sua índole e convicções que lhe conferem um sentido de justiça e lealdade imutáveis e que a farão destacar-se ao longo do livro. No entanto, os secundários não são menos relevantes e muitos são aqueles que se tornam decisivos nas pequenas grandes conquistas da nossa jovem, como é o caso do rude Moca ou do misterioso Rapina, que rapidamente atraem quem lê para os seus passados incógnitos, ou mesmo da simples aia Andalie e o guarda Pen, também eles com segredos e tempos idos que despertam muita curiosidade em Kelsea
Por fim, ainda em relação a intervenientes, só o tio Regente foi demasiado previsível na conduta e desenvolvimentos mas, de certa forma, é compensado por uma Rainha Vermelha de um reino vizinho que influencia tudo e todos e que só irá revelar-se efectivamente no próximo título desta história. 

Narrado como se a própria História de Tearling estivesse a ser rescrita em cada novo acontecimento – algo possível de intuir pelos excertos no início de cada capítulo –, fiquei particularmente agradada pela maneira como enredo se desenvolve e compreendi o porquê de tanto ter ficado por explicar sobre a Travessia e o início do período pós-Travessia. Vejamos, como frisei anteriormente, este texto é construído num cenário futuro e que tem, inclusive, alguma tecnologia e alguns dos maiores pecados contemporâneos, apesar de não deixar de dar a sensação de ser muito rudimentar. Afinal, os livros são um objecto raro, perdido, e a ignorância é uma das armas que vigora entre o poder até à chegada de Kelsea – recordando-vos da sinopse, o povo é submisso, escravizado e o tráfico humano é uma prática comum, quase banal. 
Além de tudo isto, a intriga de corte, entre cortes e mesmo entre um povo corrupto a partir das camadas mais baixas, são factores que para mim, enquanto leitora, são fascinantes e que aliados à magia, por um lado aterradora, por outro libertadora, fizeram definitivamente a diferença entre mais um livro de fantasia (distópico socialmente) e muitos outros que fui tendo o prazer de ler. 

Em suma, esperando não ter sido demasiado vaga ou confusa neste comentário, este é um livro onde o fantástico se encontra quase latente (também ele sempre a espicaçar a curiosidade do leitor) onde as personagens e a acção se destacam para lá do surreal, quer pela estrutura social em que estão inseridas, quer pela maneira como o romance se articula e as apresenta. Os segredos e a veracidade da vertente humana são pontos criados também para enaltecer a história que tão depressa nos foca numa batalha em larga escala como numa luta individual – independentemente do protagonismo do interveniente – com a mesma capacidade de nos cativarem. Há sentimentos fortes e lições importantes, sim, mas não se iludam, também há terror e perdas que agradarão tanto aos mais jovens como aos graúdos que já conseguem outra percepção do universo retratado. 

A meu ver, mais uma excelente aposta Editorial Presença que vai merecer destaque em 2016 e que eu vou querer continuar a acompanhar com grande expectativa. 

Título: A Rainha de Tearling 
Autora: Erika Johansen
Género: Fantasia
Editora: Editorial Presença

Para comprar o livro A Rainha de Tearling, clique aqui.


Redes Sociais

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Até 23 de Junho!

Editorial Presença*

Editorial Presença*
Passatempo - Resultado em breve!

*Passatempo*

*Passatempo*
Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide