Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

domingo, 27 de março de 2016
Queridos leitores, 

Hoje passo por aqui apenas para vos desejar Boa Páscoa. 
No entanto, após uma fase de maior trabalho, avizinham-se dias mais calmos e, com eles, novidades para o blogue. Opiniões, divulgações, resultados e novos passatempos, assim como uma duas curiosidades estão a ser preparadas. Fiquem atentos na nova semana. 


Boas leituras e muitos docinhos *.*

segunda-feira, 21 de março de 2016


Já sabem que gosto muito de Arlidge, certo?
Aqui fica o book trailer de apresentação da Topseller, para adoçar o apetite enquanto termino a minha opinião desta história. *.*

Curiosos?

domingo, 20 de março de 2016


Autor de thrillers de leitura imparável, M. J. Arlidge é considerado uma das maiores revelações dos últimos anos dentro deste género literário. Depois de uma estreia fulgurante com Um, Dó, Li, Tá, seguindo-se À Morte Ninguém Escapa e, mais recentemente, A Casa de Bonecas, A Vingança Serve-se Quente traz-nos uma nova aventura da detetive Helen Grace.

Título: A Vingança Serve-se Quente
Autor: M. J. Arlidge
N.º Páginas: 352
PVP: 18.79 €
ISBN: 9789898839060

Sinopse:
Seis incêndios em vinte e quatro horas, dois mortos e vários feridos...
Na calada da noite, três violentos incêndios iluminam os céus da cidade. Para a detetive Helen Grace, as chamas anunciam algo mais do que uma coincidência trágica - este cenários infernal de morte e destruição revela uma ameaça nunca antes vivenciada.
No decurso da investigação, descobre-se que aquele que procuram não é apenas um incendiário em busca de emoções fortes - os atos criminosos denunciam um assassino meticuloso e calculista. Alguém que pretende reduzir as suas vítimas a cinzas...
Uma nuvem negra de medo e desconfiança estende-se sobre a cidade, à espera de faísca que provocará a próxima tragédia. Conseguirá Helen descobrir a tempo quem será a próxima vítima?

Leia um excertoAQUI

«Um thriller policial alucinante, que irá certamente ser mais um bestseller.» – Huffington Post
«Uma leitura arrepiante.» -My Weekly
«Uma das melhores séries de investigação atuais.» - Lisa Gardner autora bestseller do New York Times
«Cruelmente realista, intrigante e impiedoso.» – Sunday Mirror

Da mesma autora, no blogue:
Um, Dó, Li, TáOpinião
À Morte Ninguém EscapaOpinião


Sobre o autor:
M. J. Arlidge trabalha em televisão há 15 anos, tendo-se especializado em produções dramáticas de alta qualidade.
Nos últimos anos produziu um grande número de séries criminais passadas em horário nobre na ITV, rede de televisão do Reino Unido. Escreveu uma nova série policial para a BBC, além de estar a criar novas séries para canais de televisão britânicos e americanos.
Os três primeiros livros do autor Um, Dó, Li, Tá, À Morte Ninguém Escapa e A Casa de Bonecas foram também publicados pela Topseller. Traduzidos para várias línguas, resultaram em êxitos de vendas e têm recebido críticas excelentes de todos os meios de comunicação social internacionais.

Saiba mais em: Topseller


quarta-feira, 16 de março de 2016

Eu sei, eu sei… esta publicação, nesta altura do campeonato, já não faz muito sentido, mas eu gosto muito mesmo de vos mostrar o que vou adquirindo e de ir partilhando as coisinhas todas por aqui. Assim sendo, sucintamente e sem mais prelúdios, aqui ficam as últimas aquisições de 2015. 

Excepcionalmente, não vou fazer Salganhada dos últimos meses do ano que findou, pois li pouco e estive tão afastada do blogue que não se justifica. Desta feita, esta é apenas uma publicação breve sobre compras e ofertas editoriais, mais para registo pessoal que para qualquer outro efeito. Em breve, mesmo muito em breve, volto à rotina anterior que tanto me apraz. 


Nesta primeira foto podem ver os livros que recebi, das editoras, no mês de Novembro. Obrigada por tudo*
A Planeta Manuscrito foi particularmente generosa comigo e tenho mesmo de terminar a trilogia do Zafón para partilhar convosco a minha opinião, não só porque apenas me falta ler o último livro, mas também porque esta edição em capa dura é maravilhosa e merece a minha atenção. Da mesma editora, Maxwell, Clare e Marillier são senhoras que adoro e que espero ler em breve. 
O grupo Penguin Random House fez-me várias surpresas e fiquei muito curiosa com Vásquez e Zucca, ambos me despertaram a atenção e tenho a certeza que vou lê-los mais tarde ou mais cedo. 
Entretanto, da Presença, já quase terminei de ler o Endgame 2, mas vou ter de fazer uma releitura para publicar a opinião e da Clube do Autor, quando me apetecer um policial, Irene parece-me uma escolha muito assertiva. 

Nesta imagem, linda e maravilhosa, estão as minhas compras também do mês de Novembro e algumas prendinhas. 
As compras foram, essencialmente, grandes oportunidades. Os livros da Darinda Jones foram comprados em segunda mão e a menos de metade do preço, estando eles esgotados no Círculo dos Leitores eu não poderia ter pedido mais. O livro da Harris também foi uma compra em segunda mão, também ele muito baratinho
Já os títulos Weird Things Customers Say in Bookshops foram prendinha, surpresa e perfeita, da Mafi, para esta livreira – um deles já está lido e foi muito divertido, espero ler o outro e publicar opinião de ambos em breve. E o livro do Ness veio do Book Depository com um bom desconto.
Por fim, Saga e a minha agenda de 2016 foram comprados com um vale de 20€ na FNAC, num dia em que estavam com desconto de 20% em livros e papelaria, escusado será dizer que ainda sobrou dinheiro para uma prendinha de natal. Foram compras perfeitas, não concordam? 


Por fim, ainda relativa a aquisições, aqui está a imagem de todos os livros que recebi no passado mês de Dezembro, incluindo prendas de Natal – eu adoro esta imagem. 
Os livros em cima da mala, deitados, são ofertas editoriais e exceptuando Quando as Estrelas Caem, oferecido pela Planeta Manuscrito, vieram todos do Grupo 20|20 Editora. Obrigado a ambas!
Para minha alegria, já li três dos cinco, embora me falte fazer a opinião de A Casa de Bonecas. Quero muito ler Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa e estou à espera de uma oportunidade para adquiri o 1.º livro da Sarah MacLean para poder agarrar em Um Conde Apaixonante
Quando aos livros ao alto, apenas comprei o Rebel Belle, pelo qual andava a babar há muito tempo mesmo, todos os outros foram prendas e são mais do que adorados – faço sempre uma lista, para receber apenas livros da wish *.*

Quando a objectos literários, em Novembro, a coqueluche da imagem é a t-shirt – adoro-a! 

Já em Dezembro, a capa, o marcador “Para alguém… muito especial” e a caneta em forma de gato preto tocaram-me o coração. Sou uma apaixonada por estes bichos de companhia e os meus, um tigrado e uma preta, são os melhores do mundo! 

E pronto, assim ficam a saber tudo o que havia recebido e nos próximos dias prometo-vos trazer uma Salganhada (quase) à moda antiga dos meses Janeiro e Fevereiro. 

Boas leituras*


sábado, 12 de março de 2016

Com o fantástico apoio Planeta Manuscrito, hoje trago-vos um novo passatempo de um autor que adoro!  


Para sorteio, está disponível um exemplar do livro Mais Maldito Karma de David Safier. «Mais Maldito Karma é uma fábula divertida e engenhosa, que nos ensina a lição mais importante da vida: não vale a pena viver se não o fazemos em pleno.»

Para se habilitarem a este exemplar, terão unicamente de responder à fácil questão abaixo colocada, ter atenção as regras de participação e ser seguidor do blogue e/ou fazer GOSTO na página do Facebook do blogue.
A partilha do link nas redes sociais não é obrigatória, mas fico grata se o fizerem.

Descubra a sua resposta aqui no Blogue.

Boas leituras*
Regras de participação:
1. Passatempo válido até 23h59 do dia 27 de Março de 2016 (domingo).
2. Só é possível uma participação por pessoa e e-mail.
4. Ser seguidor do blogue e/ou fazer GOSTO na página do Facebook do blogue.
3. Só serão aceites participações de residentes em Portugal Continental e Ilhas.
5. O vencedor será sorteado aleatoriamente, será posteriormente contacto por e-mail e o resultado será anunciado aqui, no blogue.
6. Todas as participações com questões erradas e/ou que não obedeçam às regras serão automaticamente anuladas.
7. A administração do blogue não se responsabiliza pelo possível extravio no correio de exemplares enviados pela própria e/ou pela editora.
8. Boa Sorte!


sexta-feira, 11 de março de 2016

Depois do êxito e de fazer rir milhões de leitores, com Maldito Karma, David Safier supera-se com esta sequela Mais Maldito Karma, com novas personagens, novas encarnações e que promete mais emoção e sorrisos.

Mais Maldito Karma é uma fábula divertida e engenhosa, que nos ensina a lição mais importante da vida: não vale a pena viver se não o fazemos em pleno.

Título: Mais Maldito Karma
Autor: David Safier
N.º Páginas: 288
PVP: 17.76 €
ISBN: 9789896577391

Sinopse:
Daisy Becker é uma actriz de segunda, a sua carreira está acabada e a vida pessoal é um caos. A ponto de ficar na rua porque não consegue pagar a renda.
Daisy conhece a estrela de Hollywood do momento, o arrogante Marc Barton, que está em Berlim a rodar o novo filme de James Bond. A sua relação começa da pior maneira.
E piora quando, depois de morrerem num acidente de carro, recebem o castigo por acumularem mau durante a vida: voltam a nascer como formigas.
Nenhum deles tem muita vontade de partir para a guerra como insectos. Além disso inteiram-se que o melhor amigo de Daisy e a mulher de Marc estão a sair juntos.
Que fazer? Ir em busca de bom e subir os degraus da escada da reencarnação até voltarem a ser humanos. Mas não é assim tão fácil, principalmente com as armadilhas amorosas.

Baseado em algumas premissas bastante bizarras e absurdas, David Safier constrói um romance com duas camadas: uma exterior, divertida e superficial; outra interior, que nos faz pensar quais são as nossas prioridades na vida e se valem a pena.
Esta sequela de Maldito Karma, traz novas personagens hilariantes, como Daisy Becker, uma actriz falhada e maluca, que bebe, fuma e rouba os companheiros de casa; e o actor Steve Barton, supersexy, mas bastante estúpido.

Maldito Karma vendeu mais de 1,5 milhão de exemplares na Alemanha.
Em Portugal, em poucos meses, chegou às 5 edições.

Maldito Karma - Opinião

Sobre o autor:
Nasceu em Bremen, em 1966. Conhecido guionista de séries de televisão de êxito, como Mein Leben und Ich (A Minha Vida e Eu), Nikola e Berlim, Berlim, foi galardoado com o Prémio Grimme e com o Prémio TV da Alemanha, bem como com um Emmy, nos Estados Unidos. Vive e trabalha em Bremen.
Maldito Karma (Planeta, 2011), o seu primeiro romance, foi um êxito internacional, que vendeu mais de um milhão e quinhentos mil exemplares na Alemanha e que conta com várias edições em diversos países. Em Portugal, em poucos meses chegou às cinco edições.
Depois de Jesus Ama-me, Uma Família Feliz e 28 Dias, Mais Maldito Karma é a nova aposta do autor na Planeta, um livro com uma história que não nos deixará indiferentes.

Saiba mais em: Planeta Manuscrito


quinta-feira, 10 de março de 2016

Sinopse:
Nascido Vermelho, Darrow trabalhava nas minas de Marte, suportando a dureza do trabalho enquanto sonhava com um mundo mais justo, uma sociedade livre da intriga e dos jogos de poder.
Os Dourados, que escravizam e oprimem os restantes, só podem ser derrotados por uma rebelião das castas. Mas para que tal aconteça foi necessário que Darrow se tornasse num Dourado e, uma vez infiltrado, promovesse a revolta.
Neste tão esperado segundo volume da trilogia Alvorada Vermelha, Darrow, agora um Dourado, vê-se confrontado com novos desafios.
O seu sucesso atrai inimigos terríveis que usam a intriga e a política como arma. Porém, Darrow está determinado a defender o amor e a justiça, ideais seguidos por Eo, apesar de se saber rodeado por adversários sem escrúpulos que pretendem eliminá-lo.

Depois de tudo o que vi, assisti, no primeiro título da série Red Rising, eu deveria estar minimamente preparada para ler este livro. Deveria conseguir controlar a ansiedade e o medo, deveria conseguir desapaixonar-me destas criações ficcionais e deveria impedir o meu envolvimento emocional com a história. Deveria… mas tal é impossível. Pierce Brown é genial em todos os sentidos e superou toda e qualquer expectativa desta, já anteriormente, sua grande fã. 
*Leitores, eu estou histérica com esta história e não me comprometo com irá sair desta opinião.*

Em primeiro lugar, deixem-me avisar-vos que creio ser impossível dizer muita coisa sobre O Filho Dourado sem fazer spoiler ao seu antecedente, Alvorada Vermelha. Assim, convido-vos a ler a minha opinião anterior (clicar aqui) e a prosseguirem por vossa conta e risco, naquele que definitivamente será um devaneio alucinado sobre uma série que, no seu todos e até à data, promete ser uma das minhas favoritas de sempre. 

Neste livro o enredo começa dois anos após o término do anterior, o que poderia ser confuso. No entanto, nas primeiras páginas é-nos dado um quadro que mostra na perfeição a distribuição social por Castas, informação relevante relativa às personagens de maior destaque e, ainda, um pequeno comentário do protagonista que nos introduz no que o levou ao momento exacto em que se inicia a narração, o que, desde logo, nos reaviva um pouco a memória. Continuamente, com o decorrer do texto, o leitor tem igualmente acesso a flashbacks da enorme bagagem que as personagens carregam, bem como muitos pensamentos e emoções de Darrow o que, acreditem, oferece uma ou outra abençoada golfada de ar nesta leitura em que acção é literalmente continua e parece querer dar cabo do nosso coração. 
Resumindo, depois de tudo o que leram no livro antecedente, preparem-se para ser literalmente mandados para o Espaço sem qualquer mecanismo de emergência, para verem o Homem como carne para canhão naquela que é, indiscutivelmente, uma história que descreve sem filtros uma luta de poderes por poder, chocante, agressiva  e ostensiva em todas as suas acepções. 

Para não fugir muito à ordem habitual das minhas opiniões: personagens. E que personagens, queridos leitores! Elas são perfeitas na sua imperfeição e se já anteriormente me tinham conquistado agora arrebataram-me completamente – vou alongar-me…  
O Darrow continua muito complexo, pelas suas metamorfoses agora exclusivamente emocionais, pelos seus receios, esperanças e ambições. Ele mudou muito, este novo universo mudou-o e acho que dentro dos possíveis se adaptou, no entanto é pelas fragilidades e coragem que nos surpreende, pela sua capacidade de se superar sempre, mesmo quando descobre que o poço é ainda mais fundo do que aparentava. Ele é os nossos olhos e a sua visão da Galáxia não poderia ser mais diversificada. 
E porque todos os outros são muitos e bastante proeminentes, começamos pelas meninas. Adorei a Victra porque nunca perde o carisma e as características que lhe são intrínsecas. O novo papel que lhe cabe no enredo torna-a muito especial e gostava de ter tido mais de si. Quanto à Mustang, é uma personagem que nem sempre me cativa, falta-lhe algo para aquilo que tem de desempenhar e espero muito de si; em relação à Soberana, perdoem-me este spoiler, mas eu adoro uma boa vilã e esta senhora desempenha o seu papel de forma brutal e está muito bem acompanhada por Aja – consigo compreender a frieza, crueldade, de ambas e isso basta-me para bater palmas enquanto assisto aos seus requintes de malvadez. 
Os meninos: Sevro e Ragnar, tenho um fraquinho pelos dois e acho que dão corpo aos muitos que acompanham Darrow, de certa forma dão-lhe sentido e são cruciais para que se mantenha firme, merecendo todo o destaque que têm e fazendo com que não me canse de os ver brilhar – como quem diz, esquartejar e ensandecer, respectivamente. Augustos, Roque e Chacal, são três criaturas que odeio mas que cumprem aquilo para que foram criados, por isso só posso aplaudi-los.
Vale a pena citar ainda a importância de todas as personagens, mesmo as mais secundárias, mesmo as que morreram anteriormente, acho que num livro com um corpo denso como este não é fácil que tantos se conciliem tão bem e de forma tão pertinente, por isso o Brown está novamente de parabéns. 

Em relação aos cenários, algo que já antes era tão prodigioso, a narrativa continua a revelar diversidade, oferecendo o máximo de ambientes em cada uma das quatro partes me que se divide o enredo – Humilhação, Cisão, Conquista e Derrocada. Assim, dos bairros mais pobres, às minas, passando pelo luxo extremo festivo a castelos que lembram contos-de-fadas há muito perdidos do imaginário destes intervenientes, o que provavelmente mais vos tocará será o grosso do texto, passado no Espaço e, consecutivamente, o ambiente em naves espaciais. Aqui, creio que há o cuidado de mostrar o lado mais cru deste género literário que se sobrepõe a todos os outros, a ficção científica
Existem batalhas espaciais fenomenais, repletas de estratégia, com frotas de naves a invadir outras num ambiente surrealmente digital e armado a até aos dentes, o que proporciona valentes e agradáveis banhos de sangue. Além disto, o factor estratégia é encantatório e para lá de físico continua fortemente presente na política que rege estas Boascriaturas, são verdadeiros jogos de xadrez mortíferos que atingem tudo e todos em nome da honra, da imagem e da sede, que jamais será saciada, de poder. 

No meio de tudo isto, existem ainda afectos. E digo-vos ainda porque este jogo é tão duro, tão cru, que será fácil imaginar cada uma das personagens como uma máquina, como um robot utilizado para um fim, só que não. Para lá do amor de Darrow pela falecida Eo e das suas esperanças de futuro com Mustang, o autor juntou e fortificou laços familiares e principalmente de amizade, com a segunda a ter um papel extremo e fundamental no desenlace de variados momentos cruciais e a impulsionar aquele que seguimos para fins que, doutra forma, já o teriam destruído completamente. 

Por fim, no meio de tanta morte e destruição, no meio de tanto caos, cinismo, intriga e brutalidade, acho que não deixa de ser belo apreciar a força do Homem, o seu impacto e capacidade de manipular tudo o resto, a própria sociedade e a sua estrutura aparentemente tão fidedigna que se revela frágil perante a ousadia de tão poucos. 
Sim, leitores, estou apaixonada por esta história. 

Esta é, sem dúvida alguma, uma das minhas apostas favoritas de sempre da Editorial Presença. É mais que bom este livro, muito mais que bom. Agora, só me resta aguardar ansiosamente e com uma boa dose de medo a continuação, Morning Star, pois tenho a certeza que vou amar este desfecho, mas confesso ter todos os receios por aquilo que se irá perder e, quem sabe, ganhar. 

Da mesma trilogia: 
Livro 1: Alvorada Vermelha - Opinião

Título: O Filho Dourado
Autor: Pierce Brown
Género: Ficção Científica
Editora: Editorial Presença

Para comprar o livro O Filho Dourado, clique aqui.


segunda-feira, 7 de março de 2016

Terminou mais um maravilhoso passatempo no blogue, com o fantástico apoio Editorial Presença


Para sorteio estava disponível um exemplar do título O Filho Dourado de Pierce Brown, um dos livros favoritos desta vossa leitora dentro do género a que pertence.

Gostaria, como sempre, de agradecer a todos pelas vossas participações. E, se não foi o vencedor/a, não desanime, haverá mais oportunidades em breve. 

Sem mais demoras, quem receberá este exemplar é:

109* Lúcia Brandão, Esmoriz

Os meus sinceros parabéns, espero que usufrua de uma excelente leitura.
E o meu muito obrigado à Editorial Presença por me oferecer a possibilidade de realizar este passatempo. 

Boas leituras*

Para comprar o livro O Filho Dourado, clique aqui.


domingo, 6 de março de 2016

A Editorial Presença tem feito maravilhas pelos desejos desta vossa leitora, no que diz respeito a literatura fantástica em território nacional, e eu não poderia deixar de partilhar esta alegria com os meus leitores com um novo passatempo! 


Desta feita, trago-vos para sorteio um exemplar do título Uma Chama Entre as Cinzas de Sabaa Tahir. Este livro foi considerado o melhor livro juvenil da Amazon em 2015 e a sua premissa deixa-me ansiosa por lhe pegar!

Para se habilitarem a este exemplar, terão unicamente de responder às fáceis questões abaixo colocadas, ter atenção as regras de participação e ser seguidor do blogue e/ou fazer GOSTO na página do Facebook do blogue.
A partilha do link nas redes sociais não é obrigatória, mas fico grata se o fizerem.

Descubram a sua resposta aqui no Blogue ou em Editorial Presença.

Boas leituras*

Para mais informações sobre o livro Uma Chama Entre as Cinzas, clique aqui.

Regras de participação:
1. Passatempo válido até 23h59 do dia 20 de Março de 2016 (domingo).
2. Só é possível uma participação por pessoa e e-mail.
4. Ser seguidor do blogue e/ou fazer GOSTO na página do Facebook do blogue.
3. Só serão aceites participações de residentes em Portugal Continental e Ilhas.
5. O vencedor será sorteado aleatoriamente, será posteriormente contacto por e-mail e o resultado será anunciado aqui, no blogue.
6. Todas as participações com questões erradas e/ou que não obedeçam às regras serão automaticamente anuladas.
7. A administração do blogue não se responsabiliza pelo possível extravio no correio de exemplares enviados pela própria e/ou pela editora.
8. Boa Sorte!


sábado, 5 de março de 2016

MELHOR LIVRO JUVENIL DA AMAZON (2015)

Título: Uma Chama Entre as Cinzas
Autor: Sabaa Tahir
Título Original: An Ember in the Ashes
Tradução: Isabel Nunes
N.º Páginas: 384
PVP: 18.50 €
ISBN: 9789722357777
Coleção: Via Láctea Nº 132

Sinopse:
Elias pertence aos Ilustres, as famílias da elite do Império. Desde os seis anos que treina na Academia Militar de Blackcliff para se tornar um dos soldados mais implacáveis ao serviço dos Marciais. 
Laia pertence aos Eruditos, um povo oprimido pelo jugo firme dos Marciais. Quando o seu irmão é preso e acusado de traição, Laia procura a ajuda da Resistência. Em troca, tem de se infiltrar como escrava em Blackcliff.
Quando se conhecem, Elias e Laia percebem que as suas vidas estão interligadas — e que as escolhas de ambos podem mudar o destino do Império.

Bestseller do New York Times
Direitos vendidos para 30 países
Direitos de adaptação adquiridos pela Paramount Pictures
Produtor: Mark Johnson (Breaking Bad, As Crónicas de Nárnia, Diário de uma Paixão)

«Um romance inquietante que nos lembra o que significa ser humano, e que demonstra como a esperança sobrevive à opressão e ao medo.» - The Washington Post 
«Um mundo fantástico original e bem construído. Prende até à última página.» - Kirkus Reviews 

Sobre a autora:
Sabaa Tahir cresceu no deserto de Mojave, na Califórnia. Devorava romances fantásticos, os livros de banda desenhada do irmão, e tocava guitarra. Começou a escrever Uma Chama entre as Cinzas enquanto trabalhava à noite na redação de um jornal. Atualmente vive em São Francisco com a família. Uma Chama entre as Cinzas integrou as listas de bestsellers do New York Times e USA Today, encontra-se vendido para 30 países e os direitos cinematográficos foram adquiridos pela Paramount.

Mais informações em: https://sabaatahir.com/

Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui.



sexta-feira, 4 de março de 2016

Sinopse:
Violet Markey vive para o futuro e conta os dias que faltam para acabar a escola e poder fugir da cidade onde mora e da dor que a consome pela morte da irmã. Theodore Finch é o rapaz estranho da escola, obcecado com a própria morte, em sofrimento com uma depressão profunda. Uma lição de vida comovente sobre uma rapariga que aprende a viver graças a um rapaz que quer morrer. Uma história de amor redentora.

Este livro chegou-me inesperadamente e, num primeiro olhar, tinha muito pouco para me surpreender. Parecia apenas mais um romance young adult, parecia apenas mais uma história sobre conquistas, perdas e primeiros amores, mais um livro com pequenos dramas, criaturas fúteis e dilemas familiares. No entanto, este romance, muito mais do que um simples young adult, revelou-se bastante dissonante dos seus pares com a sua voz apaixonante e intensa, com a voz única de quem sente na primeira pessoa as penas ficcionais e extravasa para o papel uma das muitas histórias dolorosas e silenciosas que são, hoje, um flagelo da nossa sociedade. 
Jennifer Niven escreveu um livro muito, muito especial. 

Não creio que seja necessário ler muito para que, logo no primeiro capítulo, se perceba que este enredo tem tudo para nos partir o coração… e parte. 
Violet e Theodore conhecem-se à beira de um telhado, à beira de uma possível tentativa de suicídio do qual ele resolve salvá-la e, quiçá, salvar-se a si mesmo também. A partir daqui a amizade entre ambos cresce, as aventuras multiplicam-se e o fascínio pela narrativa de ambos não pára de aumentar, com descrições belíssimas, cenários originais e curiosidades várias que não deixarão de surpreender até ao último momento. 

Existem amigos, intervenientes secundários? De facto, existem. Existe a amiga irritante que afinal também é problemática, o badboy que é vitima dos grupos de pares e evidencia o bullying, assim como um melhor amigo e uma rapariga excêntrica que merece ser feliz. Existem vários rostos, entre eles pais maiores e mais pequenos mas, no entanto, este é um texto construído a duas vozes num universo em que se reinventam, onde são extremamente felizes, a duas vozes que absorvem tudo o resto, a voz de Violet e a voz de Finch.

Ela é uma menina que perdeu a sua melhor amiga, a sua irmã, demasiado cedo (não é sempre?) e se sente tão culpada como desassustada sem essa parte de si. Quando a conhecemos ainda não é uma sobrevivente, é apenas uma existência que conta cada dia sem que este conte realmente para si. 
É particularmente bonito ver a transformação de Violet, vê-la ganhar amor pela vida e começar a cimentar o seu próprio querer; é particularmente bonito vê-la começar a crescer e a saborear a vida. Não é a nossa grande personagem, mas é muito agradável e conquista-nos devagarinho até nos prender ao seu coração, um coração Ultravioleta Marcante.

Ele… ele é insanamente espontâneo, apesar de ruminar cada emoção ou acção de si para si. Ele é doente sem muitas vezes compreender até que ponto está doente e os seus estigmas são, possivelmente, uma das coisas mais assustadoras e mais banalmente comentadas e tocadas na nossa sociedade. Theodore Finch sofre de depressão profunda, é bipolar e todos os dias analisa, linearmente, uma forma de suicídio. Ninguém presta muita atenção ao Theodore Finch
Em suma, ele é um protagonista extraordinário, fascinou-me por completo com a sua loucura, com a sua entrega, com a sua capacidade de viver muitas vezes como se o mundo fosse acabar amanhã – porque ele acreditava que o seu mundo podia efectivamente acabar amanhã. Foi fantástico vê-lo desenvolver a sua relação Violet, vê-lo fazer de tudo para tornar sonhos realidade e alimentar-se da ilusão quando o seu mundo era tão... desiludido.

Para além de tudo isto, gostei da fenomenal abordagem às doenças mentais, dos valores descritos e dilemas familiares relatados por omissão, assim como das muitas curiosidades sobre variados temas que a autora foi descrevendo em Fala-me de Um Dia Perfeito. Já agora, também adorei a maneira como fiquei a conhecer o Indiana, mais original e apelativa não poderia ser.
E pronto, não vos vou falar mais sobre esta história. Adorei-a e aos seus protagonistas. Ponto. 

À parte:
Eu sou, completa e absolutamente, contra todos os tipos de discriminação. Vão ouvir-me, sempre que se justificar numa opinião, bradar a minha revolta - a temática desta obra, em particular, mexe bastante comigo. 
A discriminação relativamente às doenças mentais – e não estou a falar das visíveis ao olhar mais distraído – é algo que pode e deve ser travado ao primeiro sinal de alarme que, por sua vez, deve partir de quem está bem, de quem está ao lado e diz gostar. A depressão pode matar e mata duas mãos-cheias de vezes por minuto no mundo. Não é preciso ter algo infeccioso para se sofrer; quem sofre perturbações, muitas vezes simples alterações de humor repentinas, é magoado intensamente por dentro e não consegue, simplesmente não consegue, mostrar as feridas mais profundas que tem. Estejam atentos! Sejam amigos! Protejam-se e protejam os outros, por favor, por vocês e por aqueles que amam. Escutem mais ao em vez de falarem, sugiram mais vezes do que as que opinam e abracem, sorriam e dêem a mão mais do que qualquer outra acção quando encontrarem alguém assim. 

Obviamente, não me canso de recomendar este livro. Uma aposta Nuvem de Tinta, do Grupo Penguin Random House, que superou todas as minhas expectativas e vai ficar num lugar muito estimado do meu coração. Esqueçam o género literário ou o entretenimento – bastante presente, por sinal – esta é uma história que todos devemos ler pelo menos uma vez. 

Título: Fala-me de Um Dia Perfeito
Autora: Jennifer Niven
Género: Romance
Editora: Grupo Penguin Random House



quinta-feira, 3 de março de 2016

Apaixonar-se é o mais fácil. 
O pior é o que vem depois…

Título: Nós os Dois
Autor: Andy Jones
N.º Páginas: 368
PVP: 16.50 €
ISBN: 9789896650483

Sinopse:
Fisher e Ivy vivem uma relação idílica durante dezanove dias, durante a qual são inseparáveis. Os dois sentem intimamente que estão destinados a ficar ligados para sempre. E facto de saberem tão pouco sobre o outro é apenas um pormenor. Nos doze meses seguintes, período em que as suas vidas mudam radicalmente, Fisher e Ivy vão perceber que apaixonar-se é uma coisa, mas manter uma relação é outra completamente diferente.

Nós os dois é um romance muito honesto e transparente sobre vida, amor e a importância de não se tomar nada nem ninguém por garantido.

A ideia deste livro surgiu depois do autor ter visto o filme ‘Happily Ever After’, conforme ele explicou numa entrevista ao blogue britânico whsmith: “Comecei a pensar no que acontece depois do tradicional ‘viveram felizes para sempre’. O que acontece ao Hugh Grant e Andie MacDowell no ‘Quatro Casamentos e um Funeral’, ao Harry e à Sally, no ‘Amor Inevitável’? Não no imediato, mas dali a um mês, seis meses, um ano. Gostei da ideia do casal que se compromete e de ver o que acontece na manhã seguinte. Porque o amor real pode ser uma prova de fogo, porque estar apaixonado tem o seu período de lua-de-mel. Neste romance coloquei as personagens nesse pós lua-de-mel, a sujeitar a relação ao teste da vida real.

Sobre o autor:
Andy Jones vive em Londres com a mulher e as duas filhas. Durante do dia, trabalha numa agência de publicidade. É durante o fim-de-semana e de manhã, bem cedo, que escreve os seus romances.


Redes Sociais

*Planeta*

*Planeta*
Passatempo - Resultado em breve!

*Planeta*

*Planeta*
Passatempo - Resultado em breve!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Resultado!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide