Livraria das Histórias

Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Sinopse:
Uma donzela perdida, um castelo misterioso, um duque com um temperamento e um passado um pouco... complicados. O cenário perfeito para um amor improvável.
Como filha de um afamado escritor, Isolde Ophelia Goodnight, também conhecida por Izzy, cresceu em redor de românticos contos de cavaleiros corajosos e belas donzelas. As histórias daqueles livros prometiam inúmeras possibilidades. E por isso mesmo nunca duvidou de que o romance teria lugar também na sua vida.
À medida que foi crescendo, porém, foi riscando essas possibilidades da lista. Uma a uma:
O patinho feio que se tornou cisne.
Ser raptada por um atraente salteador de estrada.
Ser salva da miséria por um príncipe encantado.
Alto lá…
Agora que os seus desejos de amor romântico se haviam gorado, Izzy já estava resignada a uma vida de mera subsistência. Mas havia um conto de fadas predestinado a esta mulher de vinte e seis anos, não tão atraente quanto isso, pobre e que nunca fora beijada.
Esse conto de fadas era...
Este.

Não compreendo o segredo mas comigo ele funciona, sinto que serei para sempre uma apaixonada por histórias de encantar.
Doces leves e divertidos, estes enredos mais que recordar a infância, até porque estão longe de serem pueris, têm o condão de me fazer sonhar acordada, sorrir aparvalhadamente e idealizar príncipes em cavalos brancos, mesmo que os protagonistas sejam tudo menos as caricaturas cliché de eternos romances.

Tessa Dare tem uma escrita simplesmente deliciosa. Os seus diálogos, as suas descrições e as situações mirabolantes que recria são a fórmula perfeita para quem procura literatura light e descontraída, uma vez que trabalha a componente de entretenimento com especial cuidado, oferecendo o escape ideal para a época do ano em que nos encontramos.

Como tão bem elucida a sinopse, Romance com o Duque conta-nos a história de uma jovem que sempre se imaginou a fazer parte de um conto-de-fadas mas que, com o passar do tempo e as controversas do destino, deu por si perdida e a desejar unicamente sobreviver – como bem sabemos, a vida não era fácil para jovens solteiras no antigamente. No entanto, uma luz ao fundo do túnel, sob a forma de castelo herdado, dão-lhe uma nova esperança de encontrar um futuro para si, sem príncipe e beleza eterna, é bem verdade, mas de barriga cheia e com um tecto para dormir. 
Felizmente para o leitor e infelizmente para Isolde, chegada ao único bem que possui a surpresa contida neste presente de embrulho decadente está decidida a renegar-lhe aquilo que acredita ser seu por direito. É o início uma história de gato e rato, sem heróis nem fadas-madrinhas mas com uma missão impossível que só pode ser concluída com um *felizes para sempre*.

Que protagonistas! Tolinhas quanto baste, com personalidades vincadas e capazes de cometer as maiores loucuras, estas personagens estão muito longe da perfeição, mas acreditem que vos tocarão o coração logo a partir das primeiras páginas, pelos seus passados atribulados e as cegueiras presentes, que vos farão suspirar a cada encontro e surpreenderão com as suas atitudes impulsivas.
Isolde, conhecida em todo país como a Menina Goodnight, junta a fragilidade de uma infância perdida com a coragem de uma mulher que sabe que depende exclusivamente de si própria para subsistir, equilibrando a gentileza e a sensibilidade de qualquer senhora com acções escandalosas e impensáveis no seu tempo. Sinceramente, do desmaio ao fincar do pé, adorei a sua desenvoltura, a sua imagem meio alucinada, a sua força interior e o seu “jogo de cintura”, cruciais para lidar com a situação em que se encontra – tornou-se uma das minhas protagonistas favoritas neste tipo de enredo. Já o Duque, e que duque, não poderia estar mais distante da habitual figura de Vossa Graça. Ele é um homem acabado. Quando Isolde o conhece, além de a querer expulsar do castelo, o seu único desejo é desaparecer mas, como em qualquer bom romance, esta mulher vai transformá-lo e trazer para a sua vida algo que ele julgava ter desaparecido para sempre do seu olhar, um pouco de cor. Este cavalheiro renasce, literalmente, durante o texto, mas confesso que até o seu mau-feitio e brutalidade iniciais me conquistaram.

No que respeita a intervenientes secundários eles são imensos e, no seu todo, apesar das intervenções menores, tornam esta obra ainda mais divertida. Da filha do pastor bonita e tontinha ao mordomo reservado, mas sempre pronto para uma alfinetada; gostei até dos animais de estimação. Os figurantes, literalmente, conseguiram com que eu largasse umas boas gargalhadas e os vilões, quase sempre ausentes mas pertinentes no final, pontuaram igualmente a narrativa, tornando-a mais emocionante.


As problemáticas e temáticas são relativamente comuns, mas existem pormenores que farão as delícias de qualquer bookaholic, não fosse a Menina Goodnight filha de um escritor famoso e a sua vida inteira não girasse em torno das histórias de encantar. 
Problemas parentais e noivados logrados estão no centro dos dilemas afectivos, os ideais de beleza de época e a rigorosa etiqueta oferecem primeiros beijos de sonho e segredos temidos e conspirações maliciosas vão dar lugar a cenas épicas que ficarão na memória de qualquer leitor, com momentos que seriam dignos de qualquer comédia musical ou paródia dramática. É muito bom.

Para além de tudo o que citei, resta-me dizer-vos que Romance com o Duque é muito mais do que o típico fairy tale para adultos, pela sua originalidade soberba, o seu tom humorístico mesclado com seriedade e as muitas singularidades que pontuam cada capítulo. Já disse que é muito bom?

Uma aposta Topseller, ao nível das melhores autoras dentro deste género, romance sensual de época, que eu sugiro fervorosamente e sem restrições. Leiam, de certeza que se vão divertir e apaixonar!


Título: Romance com o Duque
Autora: Tessa Dare
Género: Romance de Época; Sensual
Editora: Topseller




Já sabem que sou muito fã de book trailers e a Topseller faz as minhas delícias neste gosto.
Aqui fica mais um, da minhas mais recente leitura desta editora.

Curiosos com esta história?




Ele é sedutor e um apaixonado pela vida.
Ela é sensual e determinada.
Nenhum dos dois quer assumir um compromisso.
Mas estarão os seus destinos enlaçados?

Título: Enlaçados
Autor: Emma Chase
N.º Páginas: 224
PVP: 15.98 €
ISBN: 978-989-880-064-0

Sinopse:
Matthew Fisher é um banqueiro bem-sucedido, posição que lhe permite desfrutar dos prazeres materiais e morar num apartamento com vista para o Central Park. Matt sempre foi um sedutor e um mulherengo incorrigível. Ele admite que, enquanto não encontrar a «mulher certa», se vai divertindo com todas as «mulheres erradas». Apesar disso, ele quer assentar.
Delores Warren é uma mulher diferente. O seu trabalho como engenheira espacial não a impede de ser sensual, extravagante e espontânea. Dee (como é conhecida) é decidida, principalmente no que respeita aos homens. Por ter vivido uma sucessão de relações que correram mal, resolve desistir dos compromissos sérios e aproveitar apenas os encontros casuais pelas noites de Nova Iorque.
Quando se conhecem, Matt acredita que encontrou finalmente a pessoa certa. Conseguirá ele fazê-la mudar de ideias e levá-la a aceitar um relacionamento sério?

Leia um excertoAQUI

Da mesma série, no blogue:





EnvolvidosOpinião
Enrolados Opinião


Sobre a autora:
Emma Chase é uma escritora norte-americana, autora dos livros Envolvidos (Tangled) e Twisted, bestsellers do New York Times e do USA Today.
Vive com o marido e com os seus filhos em New Jersey.
Mais sobre a autora em: www.emmachase.net

Saiba mais em: Topseller




Uma perda devastadora. Um segredo escondido durante mais de 20 anos. Mas estará a verdade prestes a emergir?

Título: O Segredo da Minha Irmã
Autor: Diane Chamberlain
N.º Páginas: 384
PVP: 18.79 €
ISBN: 978-989-849-174-9

Sinopse:
Depois da morte do pai, Riley MacPherson regressa a casa para organizar as cerimónias fúnebres e tratar da divisão dos bens. No entanto, em vez de conseguir fechar um ciclo doloroso e encontrar a tranquilidade de que tanto precisa, Riley depara-se com a possibilidade de, afinal, ter sido adotada.
Teria, realmente, vivido 25 anos a acreditar numa mentira? Que outras revelações estarão ali, prontas para serem descobertas?
Confusa e sedenta de respostas, inicia uma investigação arriscada para encontrar toda a verdade sobre a sua origem. Uma busca emocionante que acaba por desenterrar informações e factos misteriosos acerca da sua irmã Lisa, uma violinista-prodígio que, dizem, teria cometido suicídio há mais de 20 anos.
À medida que as peças do puzzle se encaixam, Riley percebe que nada é o que parece. Resta saber se estará preparada para a verdade e se será capaz de a aceitar de braços abertos.

Leia um excertoAQUI

Uma história arrebatadora, com personagens apaixonantes e reviravoltas inesperadas. Um enredo misterioso que nos prende a cada virar de página.

«Uma história poderosa e emocionante!» - Booklist
«O Segredo da Minha Irmã mantém o leitor fascinado até ao fim. Para todos os que adoram um bom mistério e para os que gostam de ler sobre emocionantes disputas familiares.» - Library Journal

Sobre a autora:
Diane Chamberlain é uma autora bestseller norte-americana, com 23 títulos publicados em mais de 20 línguas.
Apaixonada pela leitura e pela escrita desde criança, viu o seu primeiro romance publicado em 1989, título esse que lhe valeu um prémio RITA, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance.
É licenciada em Serviço Social pela Universidade de San Diego, ainda que já não exerça a sua profissão para poder dedicar-se inteiramente à escrita e aos livros. Para a autora, a verdadeira magia da escrita está na possibilidade de tocar os leitores com as suas palavras.
Saiba mais sobre a autora em: www.dianechamberlain.com

Saiba mais em: Topseller


quarta-feira, 29 de julho de 2015

Porque esta vossa leitora é uma privilegiada, a Sofia do BranMorrighan e a Planeta Manuscrito juntaram-se à festa do 5.º aniversário do blog para vos trazer um novo passatempo


Para sorteio, estão disponíveis dois exemplares, um para cada vencedor, do título O Lago dos Sonhos de Juliet Marillier.
«Voltando ao registo dos seus primeiros livros, a autora constrói uma trama intrincada, sempre acompanhada dos mistérios celtas, que não deixará os leitores indiferentes.»


Para se habilitarem a um destes livros, terão unicamente de responder à fácil questão abaixo colocadas, ter atenção as regras de participação e ser seguidor dos blogues BranMorrigan (aqui) e As Histórias de Elphaba e/ou fazer GOSTO nas páginas do Facebook dos blogues (aqui e aqui).

Descubram a resposta no Blogue ou em Planeta Manuscrito.

Boas leituras*


Regras de participação:
1. Passatempo válido até 23h59 do dia 15 de Agosto de 2015 (domingo).
2. Só é possível uma participação por pessoa e e-mail.
4. Ser seguidor do blogue e/ou fazer GOSTO na página do Facebook do blogue.
3. Só serão aceites participações de residentes em Portugal Continental e Ilhas.
5. O vencedor será sorteado aleatoriamente, será posteriormente contacto por e-mail e o resultado será anunciado aqui, no blogue.
6. Todas as participações com questões erradas e/ou que não obedeçam às regras serão automaticamente anuladas.
7. A administração do blogue não se responsabiliza pelo possível extravio no correio de exemplares enviados pela própria e/ou pela editora.

8. Boa Sorte!


terça-feira, 28 de julho de 2015

Sinopse:
A Terra foi invadida por extraterrestres - os Outros -, que têm como único objetivo o extermínio de toda a população do planeta. Sem aviso, lançaram quatro vagas de destruição que devastaram parte da humanidade. Cassie Sullivan e os seus companheiros contam-se entre os poucos que sobreviveram.
Agora, com a espécie humana quase extinta e com uma quinta vaga em marcha, os jovens têm de tomar uma decisão crucial: enfrentar o duro inverno e ficar à espera que Evan Walter regresse, ou partir à procura de mais sobreviventes antes que o inimigo se aproxime demasiado - porque o próximo ataque é mais do que possível, é inevitável. Ninguém é capaz de prever até onde os Outros podem descer, nem estes sabem o quanto a humanidade se pode erguer.


Embora eu não seja muito influenciada quanto a feedbacks positivos ou negativos, pois interessa-me muito mais ler uma opinião que me dê uma imagem sobre aquilo que posso encontrar numa história, confesso que fui para esta narrativa de pé ligeiramente atrás. Uma menina em quem confio, muito, esperava mais da mesma e eu confesso-vos que só o seu tamanho reduzido, em comparação com o livro anterior, me apertou o coração. Mas adivinhem? Adorei e a conclusão é a que mantenho desde sempre. Apesar de ser excelente trocar opiniões sobre livros, o acto de ler é íntimo e solitário (a não ser que seja feito como no seu início, em voz alta), e isso é visível na sua avaliação e interpretação. É no facto de sermos tão singulares entre pares que reside parte da magia, do poder, de uma história e eu duvido, sinceramente, que duas pessoas pensem exactamente o mesmo sobre o todo de uma história.

Agora que sabem como me sentia antes de começar a ler, passemos ao que realmente importa.
Mais que tudo, este livro foi uma grande surpresa e tal deveu-se ao facto de eu não estar completamente recordada de alguns pormenores da A 5.ª Vaga e de como e onde havia terminado, com todos os pormenores e toda a bagagem das suas personagens, sempre intensas, que isso implica. Ainda assim, graças à escrita lindíssima de Rick Yancey, a sua prosa é maravilhosa mesmo, senti-me motivada a continuar e, decidida a ir juntando as pontas soltas deste universo pós-apocalíptico durante a leitura, o resultado foi muito além do expectável.

Ao iniciarmos O Mar Infinito todos os seus intervenientes estão completamente destruídos, física e psicologicamente. Eles já estavam quando os conhecemos pela primeira vez, é verdade, mas as coisas foram piorando com a adensar da trama e agora, num foge e esconde arrepiante e com toda a informação que foram conseguindo sobre o que está a acontecer, estão piores que nunca. Já não é apenas Cassie que está no limiar da lucidez, Zombie, Teacup ou Sam são também eles resultados disfuncionais desta realidade futurista que, segundo após segundo, corrompe o que resta da humanidade e ameaça destruir a Terra tal como a conhecemos.
Resumindo muito sucintamente o enredo sem spoilers, vão acima de tudo assistir a um colapso emocional de muitas personagens e a uma consequente metamorfose das mesmas, quando confrontadas com mais situações limite. Igualmente, vão receber muito mais informação sobre estes intervenientes, sobre os seus passados, bem como a respeito desta invasão dos Outros o que, por sua vez, principia uma reviravolta que nos prepara para o próximo título, o último desta trilogia. 

Sinceramente, continuo a gostar imenso da Sullivan e mesmo que tantas vezes pareça que lhe está a dar a Dorothy eu tenho-a em grande estima. Aquela jovem acreditou, piamente, ser o único ser vivo do planeta, perseguida e vigiada constantemente por existências invisíveis e, depois disso, ressuscitou literalmente de uma depressão profunda para voltar a tentar ser uma identidade social num núcleo que lhe é estranho. Ela tem todos os motivos para agir anormalmente, sem falar daquilo porque todos passaram, assistindo à morte e ao enlouquecimento dos seus entes queridos, vendo-se transformados em carne para canhão e o tudo resumido a nada.
No entanto, apesar de adorar a Cassiopeia, estou perfeitamente consciente que agora há outros protagonistas que se destacam e merecem também eles elevada atenção. Evan, de quem não falei na opinião anterior para não dizer o que não devia, melhora consideravelmente porque finalmente descobrimos o que representa – já nem tudo é incerteza e desconhecido, há revelações e mais revelações – e ele é sem dúvida uma das imagens do herói, juntamente com o Zombie. E a grande estrela é, efectivamente, Ringer, outrora já interventiva mas que neste momento acompanhamos como narradora, oferecendo-nos a oportunidade de a conhecermos profundamente. O seu passado e o seu presente revelam-se perturbadores e a forma como acabam por influenciá-la na actualidade, como o autor joga com isso e aquilo traçou para si é brutal. Ela é imensa, acreditem.
Enfim, grande parte da história e a forma como ela chega ao leitor está extremamente influenciada pelo psicológico dos intervenientes, pela sua capacidade de sobrevivência e, acima de tudo, pela maneira como são manipulados. Até à data, só Dumbo permanece coerente neste jogo de atrocidades que estão mais apuradas que sempre.


No que respeita a temáticas, não creio poder aprofundar muito a questão, para não contar demasiado, mas em linhas gerais continua tudo a girar em torno do fim do mundo como o conhecemos, o que leva a retrospectivas e valorizações respeitantes ao que a Terra nos oferece hoje e a forma exaustiva como exploramos os seus recursos sem a preocupação com o dia de amanhã.

Um ponto muito positivo vai para a forte abordagem ao género da obra, ficção científica, aqui trabalhado com esmero e apoiado numa base credível. A manipulação cerebral é foco de maior atenção, assim como nanotecnologia.
Aproveito para salientar ainda que, no seguimento do que aconteceu anteriormente, a violência continua a ser levada ao limite, principalmente a nível visual – os miúdos e graúdos sofrem para caramba.

Antes de terminar, uma ovação imensa para a estrutura do texto – e não estou a falar dos capítulos intercalados entre personagens, embora estejam bons, oferecendo vários prismas dos mesmos acontecimentos – mas sim da forma como as promessas se transformam em carmas e os eventos em ciclos repetitivos, viciantes, em que uma e outra vez assistimos a algo acontecer e ficamos pasmados com o paralelismo entre cenas anteriores. É um trabalho magnífico, na minha opinião.
Portanto, muitos fios se tecem e muitas vidas se perdem neste enredo, tão centrado nas figuras principais, marionetas, como na maquinação que está por detrás de tudo aquilo que me cativou inicialmente. Estou, obviamente, a roer as unhas pela continuação.

Esta é uma aposta muito feliz por parte da Editorial Presença para todos os fã de ficção científica, em particular YA, bem como para os adeptos de distopia que, em boa hora, começam a expandir os seus horizontes para novas literaturas.

Da mesma trilogia, no blogue:
A 5.ª VagaOpinião

Título: O Mar Infinito
Autor: Rick Yancey
Género: FC; YA
Editora: Editorial Presença

Para comprar o livro O Mar Infinito, clique aqui.




Eu sou uma grande fã desta trilogia e foi o seu primeiro book trailer o primeiro ponto a atrair a minha atenção. Este também não está nada mal *.*


segunda-feira, 27 de julho de 2015

Terminou mais um fantástico passatempo com o maravilhoso e constante apoio Editorial Presença.


Para sorteio encontrava-se um exemplar do título O Mar Infinito de Rick Yancey.

Gostaria, como sempre, de agradecer a todos pelas vossas participações. E, se não foi o vencedor/a, não desanime, haverá mais oportunidades em breve.


Sem mais demoras, quem receberá este exemplar é:

94* Joana Pa, Vila Real

Os meus sinceros parabéns, espero que usufrua de uma excelente leitura.
E o meu muito obrigado à Editorial Presença por me oferecer a possibilidade de realizar este passatempo.
Boas leituras*

Para comprar o livro O Mar Infinito, clique aqui.

domingo, 26 de julho de 2015

Sinopse:
Após ter suportado o que há de pior em Vaughn, Rhine encontra um improvável aliado no seu irmão, um inventor excêntrico chamado Reed. Obtém refúgio na sua casa em ruínas, apesar de as pessoas que deixou para trás se recusarem a permanecer no passado.
Enquanto Gabriel assombra as memórias de Rhine, Cecily está determinada a continuar ao lado de Rhine, embora os sentimentos de Linden estejam ainda divididos entre ambas.
Entretanto, o crescente envolvimento de Rowan na resistência clandestina obriga Rhine a procurá-lo antes que faça algo de irremediável. Mas o que descobre pelo caminho tem implicações alarmantes no seu futuro e no passado que os pais nunca tiveram oportunidade de lhe explicar.

Com muita pena minha, tenho a sensação de que nunca foi dado o devido valor à distópica trilogia O Jardim Químico ou, quem sabe, esta é apenas mais uma daquelas histórias com que a vossa leitora teve um encontro feliz, de empatia e conforto/desconforto imediato, que certamente me deixará emoções e sensações permanentes na memória, mas creio que é mais do que isso.

Está, por estes dias, a fazer três anos que publiquei a opinião de Raptada, o impactante primeiro título desta aventura de Lauren DeStefano, e embora muito tenha mudado no enredo desde então, o meu fascínio pelas palavras desta autora permanece igual. Com uma prosa quase encantatória, é muito difícil não nos deixarmos absorver pela sua realidade ficcional repleta de paralelismos com a actualidade, não nos arrepiarmos, chocarmos e emocionarmos com o destino dos seus intervenientes neste título maravilhoso e contraditório, Separação. Ela escreve maravilhosa e profundamente, acreditem.

Como muitas vezes acontece com as séries, é complicado abordar os volumes seguintes a sem cometer spoilers e este livro em particular, ao colocar um ponto final na história, não é excepção. Assim, peço desde já desculpa por algum excesso de informação sobre o enredo, que começarei por resumir, em meias palavras, até este livro.

Primeiro ela foi Raptada e só por milagre sobreviveu. Foi transformada numa boneca, uma marioneta num palácio de sonho com as suas irmãs-esposas, todas elas enfeitadas e manipuladas, todas elas recordando a volatilidade da existência humana, recordando que a crueldade está logo abaixo de uma camada superficial.
Depois, apaixonada e sufocada, ela fugiu. Ela quis acreditar no mundo e encontrar o seu espelho, mas desiludiu-se. A redoma partiu e deu por sim numa feira ambulante, num circo de horrores e, do tráfico e à prostituição, deu por si mais drogada que acordada e de volta para o lugar de onde tinha partido, em Delírio, com todos os seus medos escondendo-lhe a solução.
Agora, madura e refugiada, Rhine vive num mundo sem ilusões e de esperanças tão pequenas quando a durabilidade da infância no seu universo. Destituída de quase tudo o que nunca a fez perder a coragem, esta mulher quase no final da sua vida, vai ter apenas uma oportunidade para reencontrar o único par que lhe resta, nem que para isso tenha de haver a Separação daqueles que aprendeu a amar. Ela vai dar tudo por tudo por esse olhar, por esse abraço que é o único conforto que lhe resta e aquilo que este lhe oferecerá será, nada mais nada menos, que o imaginável. Sem duvida, um desfecho que vai muito além do que tudo o que o leitor poderia imaginar.  

Exceptuando o irmão de Rhine, Rowan, e o tio de Linden, Reed, todas as personagens pertinentes para esta história já são conhecidas e é na forma como se desenvolvem, questionam e evoluem que despertam o interesse no leitor. Assim, para lá de um Reed meio louco e meio frustrado com a sua existência. que acabará por ser o maior impulsionador de um desenlace perturbador, e de Rowan já demasiado distante da Rhine que conhecemos actualmente, são os de sempre que nos prendem a respiração e nos fazem ansiar pelo próximos capítulo. Sinceramente, depois de tudo o que já disse sobre estas personagens, mais do que vincar qualidades e desfeitos ou dissecar traços de personalidade, acredito que em Separação é chegado o momento de os ver destruir-se para se reconstruirem novamente, face às imensas revelações que vão surgindo.
Medos mesclam-se com desejos, conquistas com esperanças e novas perdas renascidas de verdades absolutas vão fazer com que os intervenientes se tornem maiores e mais frágeis, mas sempre melhores. Compadeci-me, voltei a chocar-me e a arrepiar-me com a perversidade que encontrei em nome de causas, em nome de vontades únicas que destruíram tudo à sua passagem. Enfim, de forma concreta, acho que vos posso dizer que Cecily termina no mesmo patamar de Rhine, ambas presas a um ciclo que dependerá, em grande parte, de si próprias para encontrar a felicidade nas incertezas do futuro.


Felizmente, como acontece em quase toda a literatura de ficção, esta história pode ser lida pela sua vertente de entretenimento, onde o romance e acção são constantes, com momentos de suspense fortes e uma intriga entusiástica que prevalece desde do primeiro livro. No entanto, em cada título, O Jardim Químico soube oferecer algo mais para quem gosta de ver espelhadas as várias faces da sociedade actual e, novamente, as temáticas voltaram a captar a minha atenção.
Com o irmão da protagonista, Rowan, como cabecilha de uma resistência contra os laboratórios do governo, é impossível não estabelecer uma ligação com os grupos de ideais radicais que diariamente são notícia. E, à semelhança de livros anteriores, houve uma vez mais a exploração de dilemas universais relacionados com a imortalidade, agora que já está claro que o abuso de imagem, sempre tão sobrevalorizado, não é mais do que uma ilusão criada por uma sociedade consumista que gira em torno de um estereótipo de belo – é mais clara a vertente de ficção científica. Igualmente, é possível encontrar constantes reflexões morais singulares que nos levam a repensar sobre preços e valores na inconstância da vida e, embora isto não seja uma problemática, eu não consigo ficar indiferente perante figuras ficcionais que mostram tanta manipulação e ambição, que corrompem pares e julgam de forma desmedida por aquilo que acreditam, sem olhar em seu redor.

Enfim, espero não ter cometido muitos spoilers, mas em prejuízo sei bem que vos contei muito pouco sobre este enredo em particular. Não vos minto, acho que este é dos que merece uma oportunidade, dos que deve mesmo ser lido não só pela originalidade e pertinência, mas também porque está, repito-me, extremamente bem escrito, com uma voz peculiar e sincera que sabe chegar a quem lê. Se gostam de distopias, esta é uma que mais tarde se vão arrepender de não ter lido e embora não seja tão violenta como tantas outras é, como disse anteriormente, de uma profundidade muito peculiar.

Esta é uma das minhas apostas de eleição da Planeta Manuscrito que eu vos sugiro sem restrições.

Da mesma série, no blogue:
Raptada Opinião
Delírio Opinião


Título: Separação
Autora: Lauren DeStefano
Género: Distopia; Romance




Chega agora o primeiro livro de uma nova série da autora best-seller do romance fantástico.
Um livro intenso que tem como pano a Irlanda medieval.

Voltando ao registo dos seus primeiros livros, a autora constrói uma trama intricada, sempre acompanhada dos mistérios celtas, que não deixará os leitores indiferentes.

Título: O Lago dos Sonhos
Autor: Juliet Marillier
N.º Páginas: 448
PVP: 20.95 €
ISBN: 978-989-657-628-8

Sinopse:
Em troca de ajuda para escapar a um longo e injusto encarceramento, a amarga curandeira mágica Blackthorn jurou pôr de lado o seu desejo de vingança contra o homem que destruiu tudo o que lhe era querido. Seguida por um companheiro de clausura, um homem grande e silencioso chamado Grim, ela viaja para o norte, rumo a Dalriada. Aqui, viverá na orla de uma misteriosa floresta e terá de cumprir, durante sete anos, a promessa que fez ao seu libertador: aceder a todos os pedidos de socorro que lhe forem dirigidos.
Oran, príncipe herdeiro do trono de Dalriada, esperou com ansiedade a chegada da sua noiva, Lady Flidais. Conhece-a apenas por via de um retrato e da poética correspondência que trocaram entre si e que um dia o convenceu de que Flidais era o seu verdadeiro amor. Oran descobre, porém, que as cartas também mentem, pois, embora igual em aparência à imagem no retrato, a sua noiva vem a revelar-se uma mulher muito diferente da criatura sensível e sonhadora que escreveu aquelas cartas.
Nas vésperas do seu casamento, o príncipe não vê saída para a o seu dilema. Mas corre o rumor de que Blackthorn possui um dom extraordinário para a resolução de problemas espinhosos, e ele pede a sua ajuda. Para salvar Oran das suas insidiosas núpcias, Blackthorn e Grim vão precisar de todos os seus recursos: coragem, engenho, astúcia e talvez até um pouco  de magia.

Com a mestria e talento a que já nos habituou e uma narrativa empolgante, Juliet Marillier volta ao registo adulto e constrói um mundo fantástico excepcional nesta nova série: «Blackthorn & Grim».

«Um mundo cheio de encantamento, devoção, mágoa e mistério.» - Publishers Weekly

Da mesma autora, no blogue:
Shadowfell – livro 1 | Shadowfell Opinião
Shadowfell – livro 2 | O Voo do CorvoOpinião
Shadowfell – livro 3 | A VozOpinião

Sobre a autora:
Juliet Marillier nasceu na Nova Zelândia, em Dunedin, uma cidade com fortes raízes na tradição escocesa. Licenciou-se com distinção em Linguística e Música, na Universidade de Otago, e tem tido uma carreira variada que inclui o ensino, a interpretação musical e o trabalho em agências governamentais.
Actualmente, Juliet vive numa casa de campo centenária, perto do rio, em Perth, na Austrália, onde escreve a tempo inteiro.
É membro da ordem druídica OBOD. Partilha a sua casa com dois cães e um gato.
Juliet Marillier é uma autora internacionalmente reconhecida e os seus romances já conquistaram vários prémios.
Visite o sítio da autora em: www.julietmarillier.com

Saiba mais em: Planeta Manuscrito



O aguardado segundo livro da série Lágrima, da mesma autora da inesquecível tetralogia romântica e sobrenatural Anjo Caído.

Uma saga épica com segredos devastadores e magia negra.
Um mundo onde tudo o que amamos pode ser levado pela corrente.

Título: A Cascata do Amor
Autor: Lauren Kate
N.º Páginas: 296
PVP: 19.90 €
ISBN: 9789896576127

Sinopse:
Uma rapariga triste.
Um rapaz apaixonado.
Um mundo em perigo.
Com apenas uma lágrima, Eureka inundou o mundo e iniciou a ascensão de Atlântida. Se verter mais duas, nada parará o maléfico rei Atlas.
Herdeira da Linhagem da Lágrima é a única pessoa capaz de o deter, mas para o conseguir terá de atravessar o oceano para descobrir Solon, um Semeador em fuga, que sabe como enfrentar o rei.
Mas a revelação do amor entre Ander e Eureka faz com que Solon envelheça rapidamente e se senta incapaz de vencer Atlas.
Se continuarem juntos, Solon morrerá em breve. Eureka precisa de se reconciliar consigo mesma e com o que o seu sofrimento causou ao mundo.
Um segredo sobre a Linhagem da Lágrima mudará tudo, passado, presente e futuro. Eureka tem uma visão de uma lagoa encantada que revela um segredo esmagador. Com esse conhecimento, será capaz de conseguir a chave para derrotar Atlas. Mas o seu coração partido poderá deitar tudo a perder.

Uma nova série cheia de aventuras, batalhas, romance e mitologia, cuja heroína descobre que uma antepassada com o coração partido de amor verte uma lágrima que inunda a Atlântida.
O livro encerra uma história assombrosa sobre uma rapariga que ficou destroçada e chorou tanto que formou um continente no mar... e há algo na história que é misteriosamente familiar.
Uma história em que a renúncia ao amor para salvar a humanidade acaba por ser uma lição de vida não só para a protagonista como também para quem lê.

Da mesma série, no blogue:
LágrimaOpinião


Sobre a autora:
Nascida e criada em Dallas, Lauren Kate estudou em Atlanta, mas foi em Nova Iorque que se iniciou na escrita.
Depois da publicação de The Betrayal of Natalie Hargrove, descobriu o êxito com Anjo Caído.
Lauren Kate é professora e tem um mestrado em Escrita Criativa pela Universidade da Califórnia – Davis. Reside com o marido em Los Angeles.
Visite o sítio da autora em: http://laurenkatebooks.net/

Saiba mais em: Planeta Manuscrito


Redes Sociais

*Passatempo*

*Passatempo*
Até 26 de Março!

Editorial Presença*

Editorial Presença*
Passatempo - Até dia 2 de Abril!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide