Livraria das Histórias

Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

sábado, 18 de outubro de 2014

Sinopse:
Eles chegaram à Terra há 12 mil anos. Vieram dos céus e criaram a humanidade. Quando se foram embora deixaram um aviso: um dia iriam voltar... E quando voltassem, teria início o grande jogo, o Endgame. Ao longo de dez mil anos, as doze linhagens originais existiram em segredo, mantendo sempre, cada uma delas, um jogador preparado para entrar em ação a qualquer momento. Agora que eles voltaram, os doze jovens jogadores estão a postos para entrarem no grande jogo que decidirá o futuro do planeta e da humanidade. Mas só um pode vencer: quem encontrar primeiro as três chaves escondidas algures na Terra. E é sobre a busca da primeira chave que se centra este primeiro livro da série.

Na ausência de melhor descrição, porque certamente me vão faltar as palavras para expor tudo o que este livro é, estamos perante uma obra de ficção científica leve extremamente bem conseguida, minuciosamente explorada e que levará, creio, o envolvimento de muitos leitores ao enredo a um extremo poucas vezes conseguido.

Doze vidas. Doze descendentes de linhagens milenares que compõem a humanidade. Só um sobreviverá e só os da sua linhagem sobreviverão. Se nenhum sobreviver o mundo acaba, a humanidade extingue-se. É, literalmente, Endgame para todos nós.
Definitivamente, James Frey e Nils Johnson-Shelton quiseram criar uma história violenta, sem finais felizes e que expõe, ao limite, a capacidade da subsistência humana – algo bastante comum nesta moda das distopias –, uma história que se destaca pela sua contemporaneidade, contrariando cenários futuristas pós-apocalípticos, e pela originalidade com que trabalha conceitos comuns.

De forma sucinta, doze jovens, entre os 13 e os 20 anos, conhecem Endgame desde que nasceram. Foram educados, trabalhados e moldados ao limite para responder à Chamada para Endgame. O momento chegou, a Chamada foi feita de forma bárbara e agora são obrigados a participar neste jogo, quer queiram quer não. A primeira regra é sobreviverem e a segunda é completar as três missões, conseguir três chaves – este primeiro livro, do que eu deduzo ser uma trilogia, desenvolve-se em torno da busca pela primeira chave. 

Sei que não contei muito sobre o enredo mas, em abono da verdade, não existe muito mais a dizer que não sejam spoilers gritantes. No entanto, esta narrativa está feita para oferecer muito que pensar aos seus leitores, em particular pela sua capacidade de os envolver neste grande jogo pela vida, ou pela morte (vocês escolherão).
O que é o bem? O que é o mal? O que define estes conceitos primordiais, básicos, quando é vida por vida que está em jogo? Para mim é discutível. Para mim deixam de existir samaritanos, heróis e mesmo os vilões só são perceptíveis pelas suas índoles. Mas e se a índole tiver de ser esquecida pela oportunidade de continuamos a respirar? De salvarmos aqueles que, se o jogador perder, perdem também?
Enfim, estas e outras questões circulares são levantadas e, para abordar esta história e estas personagens em pleno, o leitor terá de desligar o seu botão de sensibilidade, igualmente o da susceptibilidade, porque a carga emocional é forte e apesar de muitos jogarem pela vida este livro, jogo, é recheado de morte.

No que respeita a personagens, são muitas e todas elas têm uma relevância crucial para texto em algum momento, com capítulos onde são narradores. Assim, fica difícil destacá-las e defini-las uma vez que, apesar de haver algo idêntico a uma protagonista, eu não apostava que esta se mantivesse em destaque até ao final desta série.
No que respeita a jogadores, eu gostei particularmente de Chiyoko, Sarah, Jago, An e Kala. Todos eles são muito diferentes entre si, talvez por causa das suas raízes, mas deixei-me fascinar em particular pelo seu carácter, pelas suas formas de jogar muito activas e distintivas e pelos momentos que oferecem durante a acção. Existem outros jogadores que me agradaram pela sua forma arrepiante de pensar ou encarar o jogo, como Maccabee e Baitsakhan, mas há ainda muitos outros que me deixam curiosa, muito curiosa. O livro tem, obviamente, várias personagens secundárias, não jogadores, interessantes, mas é impossível citá-los a todos. 
Em comum, pelo menos no que respeita aos jogadores, preparem-se para encontrar mentes brilhantes, espíritos com uma coragem insana e assassinos, eles são todos assassinos que não olham a meios para atingir fins e a mestria, subtileza, com que o fazem é quase chocante.


Devem estar a perguntar-se sobre a interactividade que o livro anuncia e, de facto, esta é possível. Ou seja, o leitor pode escolher ler esta história como lê todas as outras ou, se assim o desejar, tentar ir descobrindo o puzzle que está nas entrelinhas do enredo, com dezenas de pistas facultadas pelo texto e links que lhe permitirão acesso a determinadas informações. Eu experimentei alguns links e estes direccionaram-me para locais tão diferentes como a bolsa de valores ou vídeos históricos – se tivesse tempo teria tentado jogar, confesso. De qualquer forma, tenho de admitir, na minha opinião esta interacção torna Endgame muito mais real, aproxima-o muito mais de que lê e também por isso considero este livro original.

Apesar de haver muito ainda por dizer prometo não me alongar muito mais, no entanto acho importante alertar para o nível de violência da história. Eu sei que isto é YA e que depois de títulos como Os Jogos da Fome já não é tão chocante lidar com a morte entre adolescentes, mas esta narrativa abusa efectivamente do conceito e há muitas cenas atrozes, visualmente chocantes e que apresentam a vida humana como algo puramente descartável. Desde a manipulação à tortura, há de tudo um pouco por isso preparem-se para se surpreenderem.

Para finalizar, estou ansiosa para ver o filme que já está a ser gravado baseado neste enredo. Gostei muito da abordagem de James Frey e Nils Johnson-Shelton, da forma como apresentaram as suas personagens e os maravilhosos cenários que representam grandes ícones mundiais - mesclado realidade e ficção. Gostei daquilo que tentaram oferecer trabalhando o extraordinário e, ainda, da proximidade que conseguiram criar com todos os intervenientes. 
Não sabia, ao certo, o que ia encontrar neste livro mas o que encontrei agradou-me muito, estou desejosa pela sua continuação.

Esta é mais uma grande aposta Editorial Presença, na vanguarda do que se produz além-fronteiras, para oferecer páginas diversificadas aos seus leitores. Uma leitura imperdível para os fãs de ficção científica e distopias com personagens jovens adultas.  


Título: Endgame
Autor: James Frey
Género: Ficção Científica, YA,
Editora: Editorial Presença

Para comprar o livro Endgame: A Chamada, clique aqui.


2 comentários :

Rosana Maia disse...

Olá :)
Fiquei curiosa! Já registei a sugestão :).
Boas viagens,
Rosana
http://bloguinhasparadise.blogspot.pt/

Elphaba J. disse...

É um livro muito interessante e original. Espero que gostes Rosana :)

Boas leituras*

Redes Sociais

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Até 13/08!

*Suma de Letras*

*Suma de Letras*
Passatempo 1 - Resultado!

*Marcador*

*Marcador*
Passatempo 2 - Resultado!

*Clube do Autor*

*Clube do Autor*
Passatempo 3 - Resultado!

*Penguin Random House*

*Penguin Random House*
Passatempo 4 - Resultado!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo 5 - Resultado!

*Planeta Manuscrito*

*Planeta Manuscrito*
Passatempo 6 - Resultado!

*Penguin Random House*

*Penguin Random House*
Passatempo 7 - Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide