Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Sinopse:
Na sua missão de construir o lar perfeito, com passarinhos a chilrear e uma cerca de madeira pintada de branco, Juliet depara-se com um obstáculo sério – a realidade.
Na primeira noite que passa com o namorado no apartamento novo de ambos, descobre que Simon dormiu com a sua melhor amiga.
Criada numa família disfuncional com segredos que a perseguem, Juliet não esta disposta a construir o seu ninho sobre um ramo partido.
Destrocada e em busca de um escape para as suas angústias, Juliet retira-se para o mundo reconfortante dos manuais de artes domésticas dos anos de 1950 deixados pela avó, que ensinam truques como «ponha uma fita no cabelo para alegrar o dia do seu marid» e, embora saiba que isso não a vai levar a lado nenhum, descobre que a costura está outra vez na moda.
Assumindo o controlo da sua vida, Juliet esta decidida a ter um lar com coração. Mas quem ficará com o dela?

Começo por vos confessar que fiquei muito feliz por saber que a Planeta Manuscrito ia publicar um romance contemporâneo, género que adoro, e ainda por cima logo com um mimo que eu adorei, uma linda edição em capa dura a um preço acessível.

Com a intenção de chegar a todos os leitores com uma linguagem trivial e personagens credíveis, Amy Bratley preparou uma história de vida com muitos dos predicados que a complementam e lhe dão sentido  sorrisos, lágrimas e um turbilhão de emoções. Amor, Açúcar e Canela é, assim, uma narrativa plena em afectos confusos e outros tantos à espera de serem conquistados, uma narrativa que nos faz desejar um moderado e acolhedor happy ending para a ficção. Resultado que foi conseguido de forma bastante positiva.

O enredo, como vem descrito na sinopse, não poderia ser mais comum… Juliet acredita ter encontrado o homem da sua vida e, após convence-lo a ir viver consigo, crê que finalmente cumprirá o seu maior desejo, ter um lar e uma família perfeita – errado!
Logo na primeira página Simon trata-a por Hanna, a antiga colega de casa de ambos, e, com esta menção no calor do momento, o dito príncipe transforma-se num sapo e troca as voltas à montanha russa que caracteriza a mente e o coração da nossa jovem sonhadora, Juliet.

Começando pelas personagens, que possivelmente despertarão emoções previsíveis no leitor, o mais provável é que sinta uma vontade permanente e efectiva de esbofetear Simon e Hanna e, em contrapartida, sorria a partir do primeiro momento em que Dylan e Juliet partilhem a acção, eles são tão amorosos quanto instáveis. Apesar destas caricaturas, as figuras centrais não deixam de ter a sua complexidade que as torna interessantes, permitindo uma reflexão pelas suas qualidades e defeitos, e aliadas aos intervenientes secundários – mãe, tia, amigas e patrão – toda a leitura ganha um novo brilho e contornos mirabolantes que tornam o virar de páginas quase viciante.  

De um modo geral, o texto procura trabalhar um número muito diversificado de relações e as suas nuances, com a família a ter um papel central a par com o romance. Embora o exemplo do passado de Juliet, que a persegue o seu presente, seja bastante disfuncional, a verdade é que os desenvolvimentos não poderiam decorrer num contexto mais actual, evidenciando a importância da amizade quando comparada com os laços de sangue, abordando envolvimentos com diferentes opções sexuais e com um toque de loucura, ou deverei dizer stress/depressão, para enfatizar que muitas vezes o fracasso precede a felicidade.


Uma das coisas que mais me agradou na narrativa foi os seus muitos pormenores, com as receitas de doces e cocktails a tentarem-me por diversas vezes, assim como as entradas de cada capítulo retiradas de revistas – conselhos outrora fundamentais para a gestão de um lar – provenientes dos anos 50.
Gostei, igualmente, do humor sempre presente na construção do destino da protagonista, paralelo à sua evolução pessoal, que trabalhou a culpa e valores como o perdão enquanto esta mulher se apaixonava por um trabalho de sonho.

Em suma, este é um livro de entretenimento, e isso é indiscutível, mas é também uma obra primorosa no que se refere ao retrato da vida e das vidas que a preenchem, vidas difíceis, banais, fúteis e privilegiadas, vidas desiguais que procuram o mesmo, ter alguém que as cuide e que as ame para que possam usufruir do sentimento de pertença, essencial à felicidades.

Esta é obra é uma aposta Planeta Manuscrito para as leitoras de romance e ficção, leitoras que procuram encontrar uma ligação com as histórias que lêem e virar a última página com um sorriso nos lábios.


Título: Amor, Açúcar e Canela
Autora: Amy Bratley
Género: Romance Contemporâneo




0 comentários :

Redes Sociais

*Passatempo Halloween*

*Passatempo Halloween*
Passatempo - Até 12 de Novembro!

*Planeta*

*Planeta*
Passatempo - Resultado!

*Planeta*

*Planeta*
Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide