Livraria das Histórias

Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

sábado, 12 de julho de 2014

Sinopse:
Depois de uma série de detonações atómicas destinadas a exterminar grande parte da Humanidade, apenas uma pequena elite de puros deveria ter sobrevivido, protegida dentro da Cúpula até que a Terra se regenerasse por completo. Mas não foi isso que aconteceu... Muitos foram os que sobreviveram às explosões, deformados, com mutações terríveis, refugiados entre as ruínas da cidade, num clima de opressão por parte da milícia entretanto formada, que os aterroriza e explora.
Pressia Belze é uma jovem de 16 anos, uma mutante que tenta fugir à milícia; Partridge é um rapaz da elite, um Puro atormentado pela suspeita de que um plano secreto está a ser desenvolvido pela elite científica da Cúpula. Numa terra devastada, os caminhos destes dois jovens acabam por se cruzar, dois sobreviventes em busca de um futuro menos sombrio, que nem desconfiam do laço secreto que os une…

Pensem num cenário futuro, não muito distante, em que o mundo foi dizimado por bombas atómicas. Pensem em possíveis regressões da humanidade num universo em que esta é uma miragem. Pensem em tudo o que conhecem, fixem esses pensamentos e, depois disso, tentem apagar todas as imagens que vos são familiares… acomodem-se neste vazio, tentem ser algo, tentem definir-se e abram, lentamente, os olhos para Puros

Julianna Baggott compôs uma ficção em que a memória é retalhada e o passado é um fragmento surreal de nada. Uma ficção onde o leitor sabe que o antes jamais voltará a existir posteriormente à destruição causada por uma elite que, benevolente, assiste da sua Cúpula, perfeita estéril, à vil sobrevivência dos desgraçado que foram deixados para trás, que nunca viriam a fazer parte de um planeta regenerado.
Neste cenário pós-apocalíptico, dantesco como tão bem elucida a sinopse, somos absorvidos por um ambiente que remete para segundo plano qualquer circo de horrores. Mutações, distorções genéticas como depressa perceberão, dão vida a híbridos humanos e animais, entre estes, entre objectos e entre qualquer tipo de matéria. São existências impensáveis que a autora constrói de forma a fazerem bastante sentido através de uma base científica. São horríveis, horríveis mesmo e no entanto revoltam o leitor tanto como o enternecem, distorcendo-lhe o sentido de ordem natural, quebrando-lhe conceitos inatos e envolvendo-o, com o desenvolvimento do texto, nesta nova realidade arrepiante.

Existe muita informação para assimilar ao longo do enredo, começando pela variedade de figurantes apresentados. Pressia, Partridge e Bradwell são os protagonistas, com a primeira a destacar-se a servir de elo de ligação a todos os outros. Ela é audaz, corajosa e indefinida, como a maior parte dos sobreviventes. Adorei a sua mente, a forma como se metamorfoseia enquanto expande os seus horizontes, enquanto descobre que para lá do seu medo extremo só afecto pode superá-lo, enquanto adquire uma noção de gosto – ela teve um crescimento tão miserável, nulo e incerto que desconhecia a possibilidade de se aprender a gostar de algo – este facto mexeu bastante comigo.
Partridge e Bradwell são diferentes, são mais cientes do que realmente pode ter acontecido e está a ser desenvolvido para que o caos se tenha instalado. O primeiro é um Puro, um habitante da Cúpula que desconfia da verdade que lhe foi afirmada e que desafia o seu mundo mergulhando nas terras violentas fora do casulo protector em que cresceu e o segundo é um sobrevivente que, com mais lembranças que as comuns desgraças genéticas de que está rodeado, ousará olhar o passado, ousará sentir. Acho que qualquer leitor vai arrepiar-se, sentir um prazer retorcido ao descobrir como são Pressia Bradwell fisicamente e não vos vou retirar essa surpresa.

Ainda em relação a intervenientes, Lyda e o pai de Partridge são aqueles que entre os Puros mais marcam o enredo pelos seus papéis determinantes mas, definitivamente, são aqueles que estão marcados que dão um fascínio terrível ao texto. El Capitan é uma personagem inesquecível, para o bem e para o mal, e o mesmo acontece com Ingership e a sua mulher, bem como com a tribo de Mães. Uma coisa certa, todas estas figuras foram criadas para marcar a mente do leitor, tocá-la, e efectivamente conseguem-no de forma chocante, revoltante e brutal… é muita desgraça para um texto tão pequeno, para tão poucas horas de entretenimento. Neste sentido, aproveito para citar algumas das muitas espécies que nasceram da desgraça, Bestas, Agrupados e Poeiras, são todos híbridos transformados pelo momento em que a luz os consumiu e os fez, quase, renascer em algo impossível de assimilar.


Fiquei agradavelmente cativada pela linguagem da autora, muito sóbria, crua e ao mesmo tempo bela para descrever o feio. As denominações para descrições espaciais são mais uma forma de reafirmar o mal, são uma sentença – Terras Mortas, Terras Derretidas, Campos de Destroços, Festival da Morte – são um complemento ao horror geral e aos apêndices que tornam tudo ainda pior, como por exemplo a milícia OSR (Operação da Sagrada Revolução). Por incrível que pareça, há excelência, apontamentos anómalos de beleza neste universo – a borboleta da capa não é por acaso e mais uma vez fui remetida para o Efeito Borboleta.

Julianna Baggott é, desta feita, uma autora extraordinária. Extraordinária pela forma como descreve, extraordinária pelas pesquisas que realizou e principalmente pela sua criatividade para dar vida algo tão absurdo que acaba por fazer sentido.
A intensidade espelhada nas personagens, no fascínio inocente/culpado destas criaturas fundidas e desfiguradas às quais quem lê se vê indiscutivelmente ligado em vez de repudiado são apenas mais um extra do seu mérito e a sua justificação final para ter escrito livro é razão mais do que suficiente para que ele seja lido e eu sei, com absoluta certeza, que será um grande sucesso, assim como sabiam aqueles que compraram os direitos cinematográficos do manuscrito mesmo antes de este ser publicado.

Enfim, este é daqueles livros de que poderia falar-vos durante horas, em que me apetece cometer spoiler atrás de spoiler e nunca vos diria tudo o que vocês mesmos encontrarão entre páginas. É um livro que me assusta, porque revejo o fascínio humano pelo mal com um magnetismo crescente, um livro que me surpreendeu vezes sem conta e que tem ainda uma reviravolta emocionalmente atroz no final – como se eu já não estivesse a ansiar por mais.
Não posso e nem quero contar-vos mais, mas se tiverem oportunidade não deixem de ler.

Esta é mais uma grande aposta da Editorial Presença que fará com toda a certeza sucesso entre o público de Os Jogos da Fome ou do recente título A 5.ª Vaga mas deixo o conselho, Puros é diferente de qualquer um deles, é mais intenso, assustador e arrepiante. Puros foi concebido pela ausência de lembranças e para tocar a alma do seu leitor. Amei.


Título: Puros
Autora: Julianna Baggott
Género: Distopia; Ficção Científica; Romance; Horror

Para comprar o livro Puros, clique aqui.



4 comentários :

v_crazy_girl disse...

Quero imenso ler este livro *.*

Parece ser uma trilogia fantástica!

Elphaba J. disse...

E é mesmo Crazy, superou tudo o que poderia esperar. :)

Nicole Martins disse...

Quero aproveitar para agradecer a sua opinião sobre este livro :) O seu entusiasmo foi tão cativante que já me convenceu! Tenho o livro cá em casa parado, mas hoje é a minha nova leitura! Parabéns pelo blogue :)

Elphaba J. disse...

Obrigado Nicole... foi uma opinião sentida e acredite que adorei mesmo o livro. Peguei ontem na continuação, *Fusão* e já estou a adorar :)
Vou deixar a opinião por aqui em breve.

Boas leituras*

Redes Sociais

*Passatempo*

*Passatempo*
Até 26 de Março!

Editorial Presença*

Editorial Presença*
Passatempo - Até dia 2 de Abril!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide