Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Sinopse:
Alerta! Um grupo de seis jovens com poderes extraordinários está em fuga. O seu líder é Maximum Ride, ou Max, uma rapariga de 14 anos que consegue voar. Deve ser considerada perigosa.
Max e o seu bando estão destinados a grandes voos. Vivem em condições difíceis e não podem dar muito nas vistas. Afinal, seis miúdos com asas a atravessar os céus não passam despercebidos?
Nesta aventura o grupo vai ter de escapar ao terrível plano genocida criado por cientistas maléficos, os batas-brancas. E como se não bastasse, há um traidor entre eles. A união entre todos os elementos vai ser posta à prova enquanto enfrentam os inimigos mais poderosos de todos os tempos.
Será que um romance insuspeito, um blogue seguido por milhões de fãs e algumas revelações vão contribuir para que a missão de salvar o mundo seja realmente possível? Os leitores de James Patterson não vão descansar enquanto não tiverem a resposta certa. Mas cuidado: estas páginas são completamente viciantes.

Naquele que é o meu livro favorito da série Maximum Ride até ao momento, o enredo ganha novo ênfase,  as personagens amadurecem e tudo o que já era mau torna-se ainda pior. Novos pesadelos desenvolvem-se, medos antigos reavivam-se e o inimigo finalmente adquire a sua assustadora forma – tudo pode acontecer!
Maximum Ride 3: Salvar o Mundo é um livro crucial para o destino dos heróis a que os leitores já se habituaram, levando-os ao passado para lidarem com o presente e abrindo-lhe uma janela para um futuro que se adivinha ainda mais complexo e inimaginável que o previsto.

Tiquetaque... o tempo escoa, as armadilhas multiplicam-se e a fuga continua a ser a única salvação para a singular família de Max, um grupo de seis crianças voadoras e um cão que fala, um grupo que se sustém com sentimentos fortes e que sobrevive graças à forte ligação que torna o bando uma só entidade. Mas como sobreviverão de forem afastados?
A separação do grupo é, desta feita, um dos muitos destaques deste terceiro livro, pleno em reviravoltas, que espelha bem a criatividade de James Patterson que resolveu destruir algo fundamental para esta equipa levando-a a passar por novas adversidades nunca antes equacionadas pelos seus jovens. Um livro em que as dificuldades superam tudo aquilo com que se confrontaram até ao momento e, igualmente, um livro em que os laços, os de agora e os de antigamente, voltam a surgir para preencher cada interveniente de emoção enquanto tentam, acima de tudo, manter-se sãos, manter-se vivos.  

Na busca pela impossível normalidade, muitos são os riscos que cada um destes jovens indivíduos está disposto a correr e alguns, infelizmente, podem adivinhar-se fatais. Todavia há algo com que o inimigo não conta, a maturidade, a coragem e a nobreza que cada um dos pequenos adquiriu longe da prisão que lhes foi imposta à nascença, algo que os levará, ainda que por vezes por caminhos apostos, a um rumo comum, a salvar o mundo por tudo aquilo em que acreditam e para evitar um planeta povoado pelos horrores que fizeram parte dos seus dias. Por tudo isto, e no que respeita a personagens, é fantástico observar tanto as fragilidades como a evolução de alguns membros do bando, Max, Fang e Nudge em particular, que se evidenciam em momentos chave, em momentos em que tudo parece perdido.

As questões familiares voltam novamente a ser um tema relevante, pois todas as crianças – Max, Fang, Iggy, Nudge, Gazzy e Angel – desejam saber mais sobre o seu passado. Neste sentido, o inimigo acaba por jogar muito bem com esta fraqueza das personagens principais, torturando-as psicologicamente e levando-as a duvidar de tudo o que as rodeia, confundindo-as e ao próprio leitor com a linha ténue que separa a verdade e a mentira na ficção.
Em relação à face do mal que eu tanto ambicionava descobrir, é agora destapada a ponta do véu e é dada a conhecer uma parte da sua extensão que, para lá do Quartel-General da Itex, da Escola e do Instituto, ganha vários nomes, caras e contornos de inocência cruel, ao mesmo tempo que tende a ilibar personagens que os heróis julgavam monstros. Como citei anteriormente, a história ganha realmente novo ênfase a uma escala que ultrapassa os pequenos que já não temem mostrar-se ao mundo pois, como é descrito na sinopse, está em marcha um plano de genocídio à escala mundial.

No que a novos seres diz respeito, devido a todas as alterações e aberrações científicas que os batas-brancas efectuam, esta narrativa torna-se quase chocante. Novas mutações genéticas são dadas a conhecer transformando híbridos como os humano-lupinos Erasers, lobisomens, em verdadeiros anjinhos e os maravilhosos miúdos pássaros, com todos os seus poderes fantásticos, em criações fracas aos olhos de quem se julga Deus. São formas de vida combinadas aterradoras a quem apagaram as almas que, felizmente, é coisa que não falta aos protagonistas.

Num campo afectivo, tenho obrigatoriamente que destacar a controversa e ao mesmo tempo enternecedora ligação entre Max e Fang, uma relação inexplicável como eles próprios e que me deixa com uma única certeza, eles nasceram para estar juntos, como irmãos, como companheiros e, se for o meu lado romântico falar, com tudo aquilo que o autor lhes puder oferecer.
Distante desta questão, mas igualmente pertinente, é a postura de Angel neste livro. Esta menina de seis anos é responsável por muitas transformações e viragens na história tornando-a ainda mais emocionante e gosto, cada vez mais, das características particulares que lhe foram atribuídas e que a transformam em algo assustadoramente especial entre o grupo – é uma verdadeira caixinha de surpresas.

No que respeita ao ambiente exposto, para lá da esterilidade dos laboratórios ou dos momentos selvagens em que se aplicam máximas de sobrevivência, existe uma abordagem interessante à sociedade actual e ao nosso universo contemporâneo, ainda mais evidente do que nos títulos anteriores. Em parte, isto acontece através do blogue do Fang, das várias interacções e temas que este alcança no diálogo com os seus leitores – onde promove a abertura de uma consciência crítica e alerta para questões cruciais dos nossos dias –, mas também devido ao longo percurso que as personagens percorrem pelo globo.

Em suma, este terceiro livro não só mantém a acção e tensão habitual como a intensifica, primando por novas surpresas em cada novo capítulo e destacando-se pelas muitas informações que proporciona para o enredo central, em relação ao mistério que envolve estas crianças e as experiências a que foram sujeitas, bem como pelas muitas novidades de carácter emocional que tocarão o leitor.

Quanto à escrita de James Patterson é perfeita para um público juvenil, com a utilização de uma linguagem simples, muitos diálogos e recorrendo à ironia fácil com que os mais novos se identificaram.
A própria formatação do texto, com capítulos muito breves que nos impulsionam a virar sempre mais uma página, é uma mais-valia, e o mesmo se passa com o tipo de discurso utilizado em que o protagonista a fala directamente para o leitor, que desta forma se sente entrosado com a narrativa, se sente a fazer parte da história independentemente da voz que chega até si,  seja ela Max, Fang e, em determinado momento, até de Nudge.

Pessoalmente, sei que não vos contei muito sobre o que realmente aconteceu neste texto, mas a verdade é que sinto que qualquer informação que disponibilize pode ser um spoiler para quem ainda não conhece Maximum Ride.
Enfim, certo é que este foi para mim o melhor livro até à data, conseguindo prender-me totalmente à história e começando a fazer-me sentir uma verdadeira ligação com várias personagens, pelo que espero que o próximo livro, The Final Warning no original, seja publicado em breve.

Esta é uma aposta em grande da Topseller para o público juvenil mas que consegue, igualmente, captar adeptos mais graúdos interessados em ficção científica e que apreciem uma boa história de acção.

Maximum Ride 1: O Resgate de Angel (Opinião)
Maximum Ride 2: Adeus à Escola (Opinião)

Título: Maximum Ride 3: Salvar o Mundo
Autor: James Patterson
Género: Ficção Científica; Juvenil
Editora: Topseller




0 comentários :

Redes Sociais

*Planeta*

*Planeta*
Passatempo - Resultado em breve!

*Planeta*

*Planeta*
Passatempo - Resultado em breve!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Resultado!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide