Livraria das Histórias

Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O primeiro livro em Portugal a desvendar todos os meandros do mundo da noite, testemunhados em primeira mão pelo autor, um ex-segurança de espaços nocturnos da capital.

Título: Máfias da Noite
Autor: Marlon Queiroz
N.º Páginas: 160
PVP: 13,90 €
ISBN: 978-989-657-329-4

Sinopse:
Marcelo Dias é segurança de discotecas. É um profissional frio, calmo, educado, simpático, mas implacável – faz exactamente o que tem a fazer e defende-se com todas as armas ao seu dispor. Afinal, é a própria pele que ele defende.
Baseado em factos reais, com relatos arrepiantes num estilo ritmado, coloquial e cru, Máfias da Noite é o primeiro livro em Portugal a falar de eventos que o pacato cidadão que vive de dia e vai ao fim-de-semana à discoteca não pode sequer imaginar terem lugar todas as noites; a desvendar que, por detrás da segurança às portas das discotecas há uma teia de interesses que abarca tráfico de droga e de pessoas, prostituição, chantagem e extorsão, assassinatos, agressões a mando, cobranças difíceis, vinganças entre grupos, mortais negócios de segurança.
Este é um romance-verdade, onde vários factos e diálogos são ficcionados, nomes e locais são alterados, para nos dar um fundo de verdade assustadora. A verdade que se destaca de cada página desta narrativa nasce daquilo que acontece na noite em Portugal e salta com frequência para as manchetes dos jornais em forma de mortes, tiroteios, gangues, atentados. Mas fala-nos também do que não faz notícia: a vida íntima e familiar, quotidiana e real, dos seguranças, o modo como chegam à profissão, a formação que lhes é exigida, as relações com a polícia.
A voz segura, solitária, desencantada e nocturna de Marcelo Dias vai acompanhá-lo, e fazê-lo arrepiar por muito tempo quando entrar com ele nos bastidores da noite.


Sobre o autor:
Marlon Queiroz nasceu no Rio de Janeiro em 1979. Em 2000, aos 20 anos, casado e já com um filho, decide seguir na mesma direcção que muitos outros brasileiros tomaram na época e vem para Portugal, em busca de uma oportunidade . Em terras lusas começou, como muitos compatriotas, por ser empregado de mesa. A necessidade de complementar o orçamento familiar leva-o a aceitar trabalhar como segurança em espaços de diversão nocturna.
Dez anos depois, na sequência de um processo, é proibido por um juiz de voltar a exercer tal actividade. Inicia então uma reflexão sobre a sua vida e decide que é esse o momento para, aos 32 anos, prosseguir com sonhos e projectos que ficaram esquecidos durante o tempo em que trabalhou na noite.
Feita uma reflexão pessoal sobre essa década, que o levou a escrever a presente narrativa, começou a dar aulas de jiu-jitsu e retomou o seu interesse de sempre, que ficara em suspenso.
Neste momento concluiu um curso de argumento para cinema e tenciona prosseguir formação académica na área do Marketing, de que sempre gostou.
É casado e tem dois filhos. Máfias da Noite é o seu primeiro livro.

Saiba mais em: Planeta Manuscrito


Não está fácil!
Não sei que feitiço foi lançado mas tanto este Eu, como o meu Eu Elphaba, andamos definitivamente penduradas de pernas para o ar na vassoura!

Muitos planos e poucas concretizações são as palavras de ordem nos dias caóticos que antecederam a presente horrorosa data que esta reencarnação do mal idolatra e que, certamente, precederam esta fascinante e repugnante marca no calendário.   
Mas não há mal que sempre dure (para grande drama da bruxa) e de hoje a uma semana chegará a relativa paz, que é como quem diz, o fim de exames.


O que não podia passar em claro era o tão venerado Halloween sem um comprimento e justificação seguidos, claro está, de aterradoras opiniões em processo de elaboração e, quiçá,  um passatempo de deixar os cabelos em pé com magias e outras tantas fantasias.  




Desejo-vos, portanto, uma noite mal dormida, repleta de terror e de tudo o que de mais horripilante possam imaginar.

Feliz Halloween e, excepcionalmente, péssimas leituras! 
sábado, 27 de outubro de 2012

Suspense e intriga na Inglaterra de 1960, num romance que combina de forma magistral elementos históricos com um toque policial.

Título: O Rei dos Diamantes
Autor: Simon Tolkien
N.º Páginas: 416
PVP: 19,95 €
ISBN: 978-989-657-256-3

Sinopse:
1960. David Swain já cumpriu dois anos da pena perpétua a que foi condenado, por ter assassinado o amante da sua ex-namorada, Katya Osman. De madrugada, David foge da prisão e, nessa mesma noite, Katya é encontrada morta na casa do tio – Blackwater Hall.
O inspector Bill Trave, da polícia de Oxford, Œca encarregado de perseguir Swain, o homem que ele próprio levara diante da justiça dois anos antes. No entanto, as suas suspeitas conduzem-no ao tio de Katya, Titus Osman, um rico comerciante de diamantes, e ao seu sinistro cunhado, Franz Claes, que tantos esforços faz em esconder um passado obscuro na Alemanha nazi. No entanto, os motivos de Trave são, também eles, suspeitos – Osman é amante da sua mulher, Vanessa –, um calcanhar de Aquiles que Macrae, o inspector recém-chegado à polícia de Oxford, está ansioso por explorar. Quando David é capturado e enfrenta a pena de morte, Trave dispõe-se a perder tudo aquilo que lhe é querido para provar a sua obsessiva convicção de que Osman é culpado.

Um estilo de escrita sofisticada, uma mistura entre Christie e Grisham, com a assinatura de um grande mestre do crime.

«O neto de J. R. R. Tolkien continua a dar cartas com a sua escrita sólida e grande suspense neste novo romance.» - Publisher Weekly

Sobre o autor:
Simon Tolkien foi um advogado de êxito em Londres, especializado em Justiça Criminal, antes de ir viver para a Califórnia com a mulher e os dois Œfilhos. O seu primeiro romance, Final Witness, foi publicado em 2002 e amplamente elogiado, e o segundo romance, e Inheritance, também recebeu críticas entusiastas quando foi publicado, em 2009.
Simon Tolkien é o neto de J. R. R. Tolkien..

Saiba mais em: Planeta Manuscrito


Um romance histórico exuberante passado na Itália quinhentista.

Título: A Sua Última Duquesa
Autora: Gabrielle Kimm
N.º Páginas: 336
PVP: 19,95 €
ISBN: 978-989-657-328-7

Sinopse:
Quando Lucrécia de Médici, de dezasseis anos, casa com o quinto duque de Ferrara, Afonso d’Este, imagina que a vida com o seu vistoso marido será idílica. Mas mal ela sabe que é um homem muito complicado. O casamento é fértil em dificuldades desde o início e, à medida que o tempo passa, Lucrécia torna-se cada vez mais distante. Para Afonso, a pressão aumenta quando o Vaticano ameaça reclamar o seu título se o casal não conseguir gerar um herdeiro.
Só a amante, Francesca, parece capaz de domar a sua fúria crescente. Mas o ressentimento de Afonso para com a sua duquesa depressa se torna insuportável, e começa a urdir um plano inacreditável para fugir aos seus problemas.
Um plano com consequências nefastas que culmina com o desaparecimento até hoje questionado pelos historiadores de Lucrécia de Médici.

Um retrato apaixonado de Lucrécia Médici, bela, livre-pensadora e apaixonada pelas artes.
O percurso da noiva adolescente herdeira de uma das famílias mais ricas e poderosas de Itália até à sua morte, em circunstâncias misteriosas após três anos de casamento.

Sobre a autora:
Gabrielle Kimm nasceu na Escócia e cresceu em Sussex. Tem licenciatura em Inglês e Literatura e um mestrado em Escrita Criativa.
Desde criança que gosta de escrever e o sonho de um romance sempre a perseguiu.
Divide o seu tempo com a escrita e o ensino.

Saiba mais em: Planeta Manuscrito

sexta-feira, 26 de outubro de 2012
Sinopse:
Redenção não é uma palavra que Jim Heron conheça muito bem. A sua especialidade é a vingança e, para ele, o pecado é relativo. Mas tudo muda quando se torna um anjo caído e é incumbido da tarefa de salvar sete pessoas dos sete pecados mortais... e o fracasso não é permitido.
Enquanto filho de um assassino em série, o detetive de Homicídios Thomas Delvecchio, Jr., cresceu à sombra do mal. Agora, dividido entre o dever cívico e a vingança cega, vai expia os pecados do pai - lutando com os seus demónios interiores. Sophia Reilly, a agente dos Assuntos Internos encarregue de supervisionar Delvecchio, tem por ele um interesse tanto profissional como pessoal. E Delvecchio e Sophia têm outra coisa a uni-los: Jim Heron, um misterioso desconhecido com demasiadas respostas... a perguntas que são fatais. Quando Delvecchio e Sophia entram na batalha final entre o bem e o mal, o seu anjo caído salvador é a única coisa que se interpõe entre eles e a danação eterna.

Existem ingredientes literários que, quando bem trabalhados, são a garantia de sucesso e o magnifico cocktail de romance, mistério, fantasia e sensualidade de J. R. Ward, na sua série Anjos Caídos, não é excepção.
Com uma história bem construída e repleta de acção, a autora expõe o céu e o inferno de forma ousada, separando-os por uma linha tão ténue quanto a tentação a que todos estamos sujeitos perante os sete pecados mortais.

Iniciado com Cobiça e desenvolvido com Desejo, é chegada a vez de Inveja por à prova o pecador Jim Heron. Na sua primeira vida o nosso protagonista matou, chantageou e subjugou tantos quantos o rodeavam aguardando, agora, por mais uma alma obscura, uma alma sedenta dos anseios do Salvador, uma alma que deseja aquilo que lhe está vedado como anjo caído, destinado a libertar sete almas, destinando-as à redenção.
Escolhido por aquele que comanda os anjos, Nigel e por aquela que atiça os demónios de qualquer existência, Devina, o diabo com máscara de mulher fatal, Jim começa agora a compreender a perversidade do seu jogo, um jogo onde tudo pode acontecer à peculiar vida, vidas, que terá de encaminhar para a luz.

Como detective e filho de um assassino em série condenado à morte, Veck é um homem atormentado, afinal, a sua mente tende a pregar-lhe partidas e a tentação de acabar com alguns dos criminosos que lhe são apresentados é demasiado intensa, demasiado próxima de espelhar os actos da criatura que mais o repudia ao cimo da terra.
Sophia é chamada para supervisionar Delvecchio, o estranho detective que lhe revolve as entranhas e que não pára de se meter em sarilhos deste que chegou à esquadra. É um homem difícil de compreender este Veck e os antecedentes criminais do seu pai, aliados à sua certeza de culpa, parecem facilitar o seu trabalho, mas Sophia sabe que não é o caminho mais rápido que lhe trará as respostas e, enquanto investiga, cabe-lhe exclusivamente a si manter-se fisicamente afastada deste polícia atraente que corre atrás de mais uma jovem desaparecida e, possivelmente, assassinada.
Quanto a Jim nesta equação, bem Jim começa a dar os primeiros passos nesta dança que tem obrigatoriamente de tender para o seu lado, o lado do bem, no entanto ele sabe, tal como conhece a mágoa que vive dentro de si, que não será simples guiar esta terceira alma vingadora escolhida com anseios de expiação.

Com diversos pontos de interesse, esta narrativa é extremamente intensa a diversos níveis como já tinha sido comprovado pelas suas antecedentes sendo curiosa, em particular, pela ligação que todo o enredo tem ao título. Inveja, uma emoção que desperta sentimento controversos, está presente ao longo do texto nos actos e pensamentos de muitos intervenientes e, proeminentemente, em Devina que espelha uma imagem de corrupção repulsiva invejando, por diversas vezes, o que a rodeia e considera abaixo de si. É sem dúvida uma vilã pútrida que beleza alguma consegue apaziguar o que é, efectivamente, interessante e apelativo. O mesmo sentimento alcança os seres angélicos presentes no texto e os o humanos em vogue que vão reproduzindo uma batalha constante, fascinante, para que a sua pureza não se deixe arruinar.

No que respeita aos protagonistas Veck e Sophia, os seus passados são extremamente atraentes e permitem abordagens muito variadas a temáticas como a adopção, um lado obscuro da fama ou mesmo a mente retorcida de um psicopata. Em relação às suas personalidades são magnéticas, discrepantes e contraditórias. Gostei particularmente do interveniente masculino que se caracteriza pelos seus modos pouco cuidados e uma mentalidade confusa mas empática, devido à admirável sensibilidade crua com que expressa o que sente.

No geral, esta é para mim uma leitura de eleição e certamente uma escolha assertiva para quem gosta dos géneros acima mencionados que se encontram trabalhados com especial cuidado proporcionando boas horas de entretenimento. Neste terceiro livro, merece destaque o facto de estar evidenciado, uma vez mais, que não só bondade existe no paraíso, assim como não só existe maldade debaixo do chão, podendo o leitor encontrar em ambos os lados acção consecutiva, recheada de informação e com uma pontada de luxuria que vai sempre esmiuçando e cativando quem lê.

J. R. Ward é uma referência com mérito pela sua escrita inegavelmente descontraída e bem produzida, bem como pela sua imaginação fértil e capaz de seduzir um público muito diversificado.
As descrições estão ao mesmo nível dos livros antecedentes, sendo dada particular atenção a questões de carácter emocional e as devidas ambiguidades com que produz as suas personagens.
É importante reafirmar o seu cuidado ao pormenorizar a vertente criminal da narrativa e acrescentar surpresas e peculiaridades consecutivas que vão permitindo movimentações aliciantes, no núcleo estável, ao longo da série.

Eu gosto mesmo destes livros e da forma como tudo se encontra concebido versando não só a área do entretenimento, mas também pontualidades reflexivas que estimulam o leitor. E, o facto de cada título promover diferentes questões sociais e apresentas novos protagonistas interessantes, que me envolvem intensamente, sem que eu esqueça a batalha principal é uma mais-valia que merece ser denotada.

A série Anjos Caídos é uma aposta Quinta Essência, uma editora do Grupo Leya que aposta forte no romance, com vertentes diversificadas, para satisfação dos leitores mais exigentes. Este é um livro que eu sugiro, particularmente, aos leitores de fantasia e romance que gostam de apimentar as suas leituras com mistérios ligeiros e retoque de luxúria.

Série Anjos Caídos



Cobiça (Opinião)
Desejo (Opinião)
Título: Inveja
Autora: J. R. Ward
Género: Romance Sensual; Fantasia Urbana


Uma história deliciosa, cheia de humor, segredos… e milagres.

Título: Noite de Reis
Autora: Trisha Ashley
N.º Páginas: 472
PVP: 17,70 €
ISBN: 9789897260308

Sinopse:
O Natal sempre foi uma época triste para a jovem viúva Holly Brown, por isso, quando lhe pedem para cuidar de uma casa remota nas charnecas do Lancashire, a oportunidade de se esconder é irresistível - a desculpa perfeita para esquecer as festividades. Escultor, Jude Martland, decidiu que este ano não haverá Natal depois de o irmão ter fugido com a sua noiva, e faz questão de evitar a casa da família. No entanto, terá de voltar na Noite de Reis, quando a aldeia de Little Mumming celebra as suas festividades e toda a família é obrigada a comparecer. Enquanto isso, Holly começa a descobrir que, se quer evitar a Natal, veio para o local errado. Quando Jude regressa inesperadamente na véspera de Natal não fica nada contente ao constatar que Holly parece estar a organizar a festa de família que ele esperava evitar. De repente, uma tempestade de neve surge do nada e toda a aldeia fica isolada. Sem fuga possível, Holly e Jude encontram muito mais do que esperavam - parece que a quadra natalícia vai ser bastante interessante!

Da Mesma Autora

Leia as primeiras páginas: aqui!

«O romance perfeito com que se aninhar numa noite de inverno.» - Closer
«Uma leitura adorável e terna.» -My Weekly









Sobre a autora:
Trisha Ashley nasceu em St. Helens, Lancashire, e agora vive no Norte do País de Gales. O seu romance A Winter's Tale foi candidato ao Melissa Nathan Award na categoria de Romance-Comédia em 2009. Teve vários empregos a tempo parcial ao longo dos anos, mas a sua ocupação actual como funcionária sazonal do National Trust combina perfeitamente três dos seus maiores interesses: casas históricas, jardins e conhecer pessoas. Embora Trisha adore chocolate, não se considera «chocoólica» - pode desistir quando quiser, a sério!Para mais informações, consulte www.trishaashley.com

Saiba mais em: Quinta Essência

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Irá um segredo do passado destruir a possibilidade de um futuro?

Título: Nas Asas da Memória
Autora: Sarah Sundin
N.º Páginas: 468
PVP: 14,90 €
ISBN: 9789897260285

Sinopse:
O major Jack Novak nunca recusou enfrentar um desafio – até que conhece a enfermeira tenente Ruth Doherty. Quando Jack vai parar ao hospital do exército depois da queda de um avião, decide que a sua missão prioritária é conquistar o coração de Ruth. Não será fácil. Não só Ruth está concentrada no seu trabalho para poder sustentar a família, como carrega um segredo vergonhoso que a impede de entregar o coração a qualquer homem. À medida que o perigo e a tensão da Segunda Guerra Mundial aumentam, Jack e Ruth irão precisar um do outro mais do que nunca. Conseguirá Jack transpor as defesas dela? Ou estarão destinados a seguir caminhos diferentes
Conseguirão eles ultrapassar o passado… e encontrar juntos um futuro melhor?

Leia as primeiras páginas: aqui!

1.º Livro
Trilogia Asas de Glória


«Uma leitura excecional. O romance de Sundin tem personagens que vivem sob grande stresse físico e emocional, enquanto o pano de fundo fornece pormenores preciosos sobre a mentalidade de guerra.» - Booklist







Sobre a autora:
Sarah Sundin é farmacêutica hospitalar e vive no norte da Califórnia com o marido e três filhos. O seu tio-avô voou com a Oitava Força Aérea dos EUA em Inglaterra. Sarah tem um bacharel em Química pela UCLA e um doutoramento em Farmácia pela Universidade de São Francisco.

Saiba mais em: Quinta Essência

quarta-feira, 24 de outubro de 2012


Com o fantástico o apoio Quinta Essência chegou ao fim mais um passatempo, de um livro que eu adoro, aqui no blogue.

Para sorteio encontrava-se um exemplar do livro Cobiça da autora J. R. Ward. O primeiro livro da maravilhosa série Anjos Caídos que, numa única história, junta romance sensual, policial e fantasia.

Gostaria de agradecer a todos pelas vossas participações e o particular sucesso deste passatempo. E, se não foi o vencedor/a, não desanime haverá mais oportunidades em breve.

Sem mais demoras, quem receberá este exemplar é:

*82 Marina (…) Santos – Seroa PFR

Os meus sinceros parabéns ao vencedor/a, espero que desfrute de uma excelente leitura.
Boas leituras a todos. 


«Na próxima 6ª feira será feita a apresentação do livro de crónicas de J. Rentes de Carvalho na Biblioteca Municipal de Matosinhos; no sábado, no Quiosque de Refresco, os jornalistas e críticos literários Isabel Lucas e João Bonifácio falarão sobre o livro enquanto se serve mazagran ao público.»
terça-feira, 23 de outubro de 2012

Sinopse:
Quatro jovens da sociedade elegante de Londres partilham um objetivo comum: usar os seus encantos femininos para arranjarem marido. E assim nasce um ousado esquema de sedução e conquista. Num refinado baile londrino, Lillian Bowman depressa descobre que a sua educação tipicamente americana não está propriamente na moda. E encontra no insuportável Marcus, Lord Westcliff, o seu crítico mais implacável. Pena que seja um excelente partido... Quando Lillian cai acidentalmente nos braços de Marcus, vê-se chocada e consumida por uma súbita paixão por um homem que julgava detestar. O tempo parece parar e o corpo da jovem cede ao erotismo do momento, descobrindo sensações que nem sonhava existirem... Marcus, conhecido pela sua constância, também se vê perdido num turbilhão sensual. Cada toque de Lillian é pura tortura, cada beijo o faz gemer por mais. Mas como pode ele pensar em aceitar uma mulher tão pouco adequada para sua noiva?

Existem autores, raras excepções, que são verdadeiras paixões à primeira leitura e Lisa Kleypas é, definitivamente, um dos achados literários do ano 2012. Quem leu o primeiro livro publicado em Março deste ano, Desejo Subtil, sabe efectivamente do que falo: falo-vos de um amor impossível e um cavalheiro inalcançável; falo-vos de uma nuvem de sensualidade e uma jovem desesperada por casar; falo-vos, fervorosamente, de quatro amigas Encalhadas que se reúnem para conspirar sussurros ousados e desabafos divertidos numa época em que a mulher era o seu dote, a sua imagem e a sua linhagem a não ser que, claro está, tal como estas quatro jovens, ambicione-se um pouco de felicidade.

Após feitas as apresentações, com o enigmático casal Annabelle e Simon, heis que a série À Flor da Pele nos presenteia com seu segundo título Sedução Intensa. Com protagonistas mais irreverentes e de personalidades menos maleáveis que os seus antecedentes, o casal escolhido destaca-se pela intensidade com que rompe convenções e, corajosamente, ultrapassar os clichés de uma época caracteristicamente requintada e tradicional.
Lillian Bowman é o pesadelo de qualquer sogra convencional. Teimosa, de língua viperina e longe de se deixar dominar, esta jovem vinda das américas encontra-se distante de atingir os parâmetros socialmente aceitáveis e, mais distante ainda, de se deixar subjugar pelos jogos da nata social ou, como quem diz, pelos meandros do casamento com um lorde para contentamento de senhora sua mãe. É, definitivamente, uma encalhada.
Marcus Westcliff é, por seu lado, um exemplo de distinção. Altamente conceituado, de educação irrepreensível, respeitadíssimo por todos os que o rodeiam e com estatuto invejável, ele é um dos cavalheiros mais cobiçados da temporada mas, no entanto, sem desejo ou conhecimento algum sobre a complexidade de um contracto nupcial e, se tiver como exemplo umas das escandalosas irmãs Bowman, principalmente e problemática e insensata Lillian, nada haverá que o convença a dar o passo do seu bom amigo Simon.
Incapazes de se imaginarem juntos e encontrando-se em pólos apostos do ton, este casal é o único entre os seus pares que desde o início não vê o poder das faíscas que fervilham entre si, as faíscas e contrariedades que os unem e acenderão a primeira chama de uma paixão ardente que será puro deleite para os amantes deste género literário.

Algo que certamente se destaca nesta obra são as suas personagens, das principais às secundárias, nenhuma é deixada ao acaso. A mãe da protagonista é maravilhosa, uma caricatura excepcional dos novos-ricos que tenta a todo o custo entrosar-se socialmente às custas da sua filha. Como esta, os cavalheiros do círculo de Marcus e a sua família, bem como as restantes personagens do grupo de Encalhadas que, fora a bem conhecida Annabella, são flores repletas de promessas para publicações vindouras e que, no final, certamente vos deixarão a ansiar pelo próximo título da série.

Para lá dos intervenientes, uma boa parte da graça desta história recai na variedade de temas abordados. De forma descontraída, ao longo da leitura vão sendo exploradas algumas questões mais sóbrias da época em questão que rivalizam com as peripécias que dominam a narrativa. Do romance à sensualidade, não está esquecido um ligeiro toque de crime para retratar pequenez humana que caracterizava este meio envolvente sustentado por aparências. As mulheres são, efectivamente, um ponto crucial nestas questões e está presente a sua desvalorização, independentemente da sua condição financeira ou da sua beleza. É caso para dizer que tudo deve ser tomado em conta nesta obra, que para lá do seu cariz de entretenimento, elevadíssimo, consegue ainda aludir às discrepâncias entre a exuberância e sensibilidade, bem como o interesses versus felicidade, que andaram de mãos dadas neste século prodigioso inglês onde poucos eram aqueles que desfrutavam do significado de se estar vivo.

Lisa Kleypas tornou-se umas das minhas autoras de eleição pela graciosidade da sua escrita que, de forma simples, demarca e aprimora um retrato de época incensurável. A sua imaginação para a criação deste enredo é perfeita e a autora sabe exactamente como cativar o leitor.
As suas descrições de ambiente são fiéis e a paisagem, o cenário, embora conhecida do livro anterior consegue encantar com pequenas surpresas. O mesmo se aplica quer à exposição dos valores e costumes, quer às suas personagens que são dotadas de emoções intensas como o próprio título indica. É muito fácil a criação de empatia e, quando assim é, é mais fácil ainda criar afinidade com quem lê.

Por tudo o que citei anteriormente, considerei esta obra deliciosa. Definitivamente, esta é uma autora que vou continuar a seguir atentamente e que recomendo sem qualquer restrição.
Em relação ao casal explorado neste livro, adorei. É muito divertido! As suas picardias, os seus medos e a forma como se confrontam quando se desejam amar é absolutamente enternecedora e no final deixaram-me, definitivamente, com saudades. Estou desejosa de saber mais sobre o seu futuro se, claro está, tiverem sobrevivido.

Este livro é uma aposta da Porto Editora, da sua recente e muito agradável chancela 5 Sentidos. Livros muito femininos que apostam no que de melhor se produz entre o romance sensual e que, certamente, darão muito prazer a muitos leitores para boas horas de descontracção. Arrisco-me a dizer que este é o livro perfeito para figurar nas mesas-de-cabeceira dos corações mais românticos.





Desejo Subtil (Opinião)


Título: Sedução Intensa
Autora: Lisa Kleypas
Género: Romance Sensual
Editora: Porto Editora – 5 Sentidos

As «aventuras excitantes» de Bared to you chegam finalmente a Portugal dia 29 de Outubro com a chancela 5 Sentidos.

Título: Rendida
Autora: Sylvia Day
N.º Páginas: 352
PVP: 16,60 €
ISBN: 978-972-0-04429-7

Sinopse:
Gideon Cross apareceu na minha vida como uma luz na escuridão.
Um homem lindo, fascinante, um pouco louco e muito sedutor. A atração que sentia por ele era diferente de tudo o que tinha experimentado até então. Eu desejava-o como a uma droga que me enfraquecia dia após dia. Gideon encontrou-me fragilizada e carente e entrou facilmente na minha vida. Descobri que também ele tinha os seus próprios demónios. Tornámo-nos o espelho um do outro; éramos o reflexo das nossas mais profundas cicatrizes e... desejos. Este amor transformou-me, mesmo que ainda hoje continue a rezar para que os pesadelos do passado não voltem para nos atormentar.

Leia as primeiras páginas: aqui!

Esta obra integra uma série intitulada Crossfire, cujas narrativas eróticas foram descritas como «aventuras excitantes», pela Publishers Weekly, e «maravilhosamente divertidas», pela Booklist.

«Sendo verdade que Rendida tem muito em comum com As cinquentas sombras de Grey, Rendida é uma história mais completa, mais bem escrita. As personagens são mais sólidas e o enredo é mais sensual. É um romance erótico que não pode perder.» - Romance Novel News

Sobre a autora:
Sylvia Day é autora bestseller de uma dezena de romances, habituée nos tops do New York Times, USA Today e outros igualmente relevantes a nível internacional. O seu percurso profissional diversificado inclui a colaboração num parque de diversões e como especialista em língua russa e interrogadora para os serviços secretos do exército norte-americano.
Com mais de uma dezena de livros publicados, a escritora dedica-se agora a tempo inteiro à escrita, tendo sido galardoada com prémios prestigiantes como RT Book Reviews Reviewers’ Choice Award, o EPPIE Award, o National Readers’ Choice Award, o Readers’ Crown, além de ter sido várias vezes finalista do reconhecido RITA Award of Excellence.

Saiba mais em: Porto Editora

segunda-feira, 22 de outubro de 2012


Título: Cada dia, cada hora
Autora: Nataša Dragnić
N.º Páginas: 256
PVP: 15,50 €
ISBN: 978-972-0-04354-2

Sinopse:
Como nos versos de Pablo Neruda, Dora e Luka sentem, "cada dia, cada hora", estar destinados um ao outro. Em crianças eram inseparáveis, até ao momento em que a família de Dora parte da pequena cidade croata onde viviam. Dezasseis anos mais tarde, o destino volta a uni-los, desta vez em Paris. É evidente que foram feitos um para o outro, mas a vida encarrega-se de separar os seus caminhos. Cada dia, cada hora é a história de um amor atemporal e único, tão poético e comovente como a voz em que é narrado. Desde a costa do Adriático até aos teatros de Paris, o romance de Dora e Luka faz-nos sonhar com os amores perdidos ao longo da vida e devolve-nos a esperança num final feliz.

Leia as primeiras páginas: aqui!

Sobre a autora:
Nataša Dragnić nasceu na cidade croata de Split, em 1965. Depois de estudar Filologia Românica e Alemã em Zagreb, frequentou o curso de estudos Diplomáticos. Vive desde 1994 em Erlangen, na Alemanha, onde é professora de Línguas e Literatura. Cada dia, cada hora, o seu romance de estreia, está publicado em 25 países.
Mais informações disponíveis em http://natasa-dragnic.de/

Saiba mais em: Porto Editora

domingo, 21 de outubro de 2012

Sinopse:
E se o nosso dia de 24 horas se tornasse mais longo, primeiro em minutos, depois em horas, até o dia se tornar noite e a noite se tornar dia? Que efeito teria este abrandamento no mundo? Nas aves do céu, nas baleias do mar, nos astronautas do espaço e numa rapariga de onze anos, a braços com as mudanças emocionais da sua própria vida?
Uma manhã, Julia e os pais acordam na sua casa nos subúrbios da Califórnia e descobrem, juntamente com o resto do mundo, que o movimento de rotação da Terra está a abrandar visivelmente. A enormidade deste facto está quase para além da compreensão. E, no entanto, ainda que o mundo esteja, na realidade, a aproximar-se do fim, como afirmam alguns, a vida do dia a dia tem de continuar. Julia, que enfrenta a solidão e o desespero de uma adolescência difícil, testemunha o impacto deste fenómeno no mundo, na comunidade, em si própria e na sua família.

São vários os motivos que me levam a desejar o livro de um autor desconhecido, obviamente que a sinopse é um factor fundamental mas se esta for associada a uma capa chamativa e um booktrailer bem construído tenho a certeza, independentemente de tudo o resto, que mais tarde ou mais cedo irei ler esta história. Foi exactamente o que aconteceu com O Tempo dos Milagres.

A perspectiva de que, sem aviso prévio, cadenciadamente, como um sussurro que não quer ser escutado, o mundo pode começar a abrandar as suas rotações é tão aterradora quanto fascinante. Pensem nas consequências, nas reacções, nas alterações sociais que o impacto deste fenómeno poderia causar. Pensem nas vidas, nas mortes e em como a própria religião reagiria. Pensem como esta catástrofe, tímida, lenta, morosamente poderia ser o pior de todos os males e juntem-lhe o início, perturbador, para quem aprende o que é ser-se gente quando se olha o mundo, a girar, a mudar aos 12 anos, na idade em que mudamos e giramos também. Esta é história de Julia e um ensaio perturbador sobre uma pseudo-realidade que mudaria a humanidade.

Os dois pontos fortes da narrativa, ambos influenciados pelo factor tempo, são as alterações descritas a nível social e a nível ambiental sob o ponto de vista de uma protagonista que permite uma exploração interessante, na medida em que a própria está a aprender a viver no mesmo momento em que o mundo reaprende a subsistir devido a expansão de extremos, de contrariedades impensáveis, originadas pelo aumento dos minutos, das horas, dos dias…
As repercussões são chocantes e se o leitor tem a ilusão de que tudo poderá permanecer igual, afinal existe pedaços de mundo que vivem meses sob a luz do Sol ou sob a escuridão da noite, desengane-se, tem mesmo de ler esta história porque a complexidade das movimentações do nosso planeta é algo muito mais elaborado do que aquilo que se possa imaginar.

Colocando de parte as questões relacionadas com o abrandamento, é sempre refrescante ver florescer a meninice com um teor tão longe da banal infantilização, algo que Julia reproduz de forma sensível, primorosa, através da sua adolescência particularmente difícil. As primeiras desilusões, a primeira paixão e a intrincada noção que atingimos do mundo quando percepcionarmos que muito existe para lá do nosso eu é avassaladora e se, fora da nossa esfera de interacção, estivermos perante um realidade sem futuro, em que todos os que deviam apoiar-nos estão à beira do colapso, creio é fácil concordar que a experiência deste texto terá algo único para oferecer.

Embora, num todo, não exista algo de extraordinário neste livro (se colocarmos de parte o facto de o mundo ir acabar), penso que para quem se prende em pormenores são variadas as passagens e os pensamentos, as visões, desta criança que fascinam e enriquecem esta leitura, pelo menos comigo foi assim.

Karen Thompson Walker tem uma escrita fluida e agradável onde permite antever, nas entrelinhas, a sua imensa criatividade aliada a um grande processo de pesquisa para a elaboração desta obra.
Descritivamente positiva nas relações sociais, denota-se o seu cuidado em retratar fielmente o ser humano, ensaiando os seus limites primários desde a sua maior qualidade à sua mais repugnante característica, sob um olhar que vai perdendo a inocência mas nunca o encantamento.
O jogo de palavras entre extremos, entre contrariedades, como por exemplo, um Sol que cega ou uma noite que permite ver às claras, é certamente outra das suas qualidades que me agradou bastante.

De toda a história, pondo de parte algumas pontas soltas de fim previsível, creio que o final foi o que eventualmente me desiludiu mas vejamos, existem cenários que não podem ser alterados, mesmo que a autora o deseje. Fica a satisfação de um caminho que permite uma reflexão após terminada a última página.

Este livro é uma aposta da Civilização que eu sugiro, particularmente, aos leitores de ficção científica leve e ensaios sobre cenários catastróficos onde o homem se revela e o romanticismo enfatiza a vida.

«Parece-me, agora, que o abrandamento desencadeou outras mudanças, menos visíveis de início, mas mais profundas. Desfez certas trajectórias mais subtis: os caminhos das amizades, por exemplo, os caminhos para perto e para longe do amor. Mas quem sou eu para dizer que o curso da minha infância já não estava estabelecido, muito antes do abrandamento? Talvez a minha adolescência fosse apenas uma adolescência normal, algo contundente, vulgarmente contundente.» - Pagina 37

Título: O Tempo dos Milagres
Autora: Karen Thompson Walker
Género: Ficção
Editora: Civilização

Redes Sociais

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Até 13/08!

*Suma de Letras*

*Suma de Letras*
Passatempo 1 - Resultado!

*Marcador*

*Marcador*
Passatempo 2 - Resultado!

*Clube do Autor*

*Clube do Autor*
Passatempo 3 - Resultado!

*Penguin Random House*

*Penguin Random House*
Passatempo 4 - Resultado!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo 5 - Resultado!

*Planeta Manuscrito*

*Planeta Manuscrito*
Passatempo 6 - Resultado!

*Penguin Random House*

*Penguin Random House*
Passatempo 7 - Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide