Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Sinopse:
Helena Hamilton tem dezasseis anos e passou a vida inteira a tentar esconder o facto de ser muito diferente, o que não é tarefa fácil numa ilha tão pequena e resguardada como Nantucket. E está a tornar-se ainda mais difícil. Pesadelos com a travessia desesperada de um deserto fazem com que acorde desidratada e com os lençóis estragados de sujidade e pó. Na escola, é assombrada com alucinações de três mulheres a chorarem lágrimas de sangue… e, quando se cruza pela primeira vez com Lucas Delos, não percebe que estão destinados a desempenhar os papéis principais numa tragédia que as Parcas insistem em repetir ao longo da história.
À medida que Helena vai desvendando os segredos da sua ascendência, compreende que alguns mitos são mais do que simples lendas. Mas mesmo os poderes de semideuses poderão não ser suficientes para desafiar as forças que compelem Lucas e Helena a juntar-se… e que, ao mesmo tempo, tentam separá-los.

Eu gosto de ler de tudo um pouco. Com maior ou menor efusividade, são variados os géneros que vão completando as minhas, vossas, histórias mas, confesso-vos, a fantasia tem um cantinho bem especial neste blogue – seja ela juvenil ou para adultos, épica ou urbana, nas suas mais diversificadas vertentes –, é uma leitura que me apraz consecutivamente e, embora o mercado tenda a repetir-se, agrada-me poder partilhar convosco que ainda existem boas surpresas.
Não sei se houve algum motivo em especial, se foi apenas uma coincidência de factores apelativos ou a leveza e credibilidade com que toda a narrativa se desenrola, mas Predestinados conquistou-me o que, permitam-me, vai sendo cada vez mais raro na fantasia direccionada para os mais jovens.

Numa ilha resguardada do mundo, Helena é mais do que todos os outros e, por isso mesmo, retraía-se e coíbe-se não deixando transparecer o que naturalmente se desenvolve dentro de si. Mas tudo muda com a chegada de uma nova família, os Delos. Belos, com uma aura de misticismo e um magnetismo que não deixa nenhum habitante local indiferente, este clã instala-se com a sua extensa prole, jovem e atraente, partilhando, conquistando, o espaço de Helena e, infelizmente, despertando-lhe o pior de todos os seus receios. Começando pelos sonhos agitados e terminando com as visões sangrentas e violentas, o dia-a-dia desta personagem muda abruptamente e, entre o medo que sente e o mal que pode causar, a sua única certeza  é de que os Delos estarão certamente, eternamente, ligados às respostas que sempre ambicionou, à sua verdadeira identidade que nunca ousou descobrir

Como em grande parte das histórias que temos o prazer de folhear, e esta não é excepção, o romance é um dos temas centrais. Os sentimentos apresentados são jovens mas encontram-se amadurecidos de séculos antecedentes, no entanto, só agora florescem dominando, totalmente, Helena e Lucas através de um ódio de morte tão avassalador, tão esmagador, como a mais intensa das paixões. Tal como a sinopse indica, é um amor talhado por os próprios deuses, são emoções impossíveis de controlar. Ainda assim, para lá do romanticismo desta premissa muito interessante, acredito que, tal como aconteceu comigo, o que agradará aos leitores irá ultrapassar largamente qualquer uma das teorias apaixonadas em que este casal se baseia, alcançando algo mais profundo e fundamentando o enredo atraente com as suas bases em mitologia grega (tema em que sou uma leiga, que fique desde já assente). Mas acredito que, se tal como eu, muitos de vos já ouviram falar de Helena e Páris, de um cavalo de madeira repleto de soldados e uma guerra que durou dez anos, então certamente sentir-se-ão bastante ambientados com este texto, com as suas reviravoltas actuais, alusivas ao maravilhoso, e com um ritmo acelerado que torna a sua leitura extremamente viciante.

Devido aos seus muitos pormenores, revelados do início ao fim, e às muitas personagens que alimentam os destinos cruzados e as maldições eternas desta narrativa, creio que será com facilidade que os amantes de fantasia se vão render aos deuses e semideuses que dominam estas páginas através de magia. Os poderes revelados pelos intervenientes mais influentes conquistam e provocam inveja à frágil condição humana; os vilões, de agora, de antes, sem rosto e misteriosos, são suficientemente livres de consciência e credíveis para nos fazerem temer o pior; a ligação entre o passado e aqueles com quem criamos empatia é electrizante pela sua magnitude; a construção deste puzzle, enigma, é desde cedo alimentada e sustentada até às últimas páginas. É um livro que consegue de facto prender o leitor cativando-o e deixando-o desejoso de continuar a ler.

Josephine Angelini tem uma escrita leve e assertiva ao longo de toda a sua obra que é, por si só, primorosa pelos muito retoques e pequenas singularidades.
Repleta de promessas, a autora brilha nas suas descrições que conseguem dar a ver uma realidade impossível, tornando verosímil todo o enredo. A dicotomia, levemente trabalhada, no que respeita aos sombrios desígnios dos deuses e as suas benesses alusivas ao poder que deixaram de herança, é outro dos cuidados que apreciei nas letras com que Josephine tece o seu romance de encantar.

Numa perspectiva muito pessoal... Conhecem a sensação que nos faz desejar estar no papel dos heróis com os quais fantasiamos? Com esta idade sei que já devia ter juízo, mas quando leio histórias como a de Helena não consigo deixar de olhar as estrelas e suspirar… o seu fado é trágico mas muito bonito. 
Gostei, particularmente, de todas as questões relacionadas com a mitologia que encontram uma ligação quase perfeita com a actualidade, como são disso exemplo as Parcas, muito bem reconstruidas, e a própria protagonista que se integra perfeitamente com a realidade de outros tempos sustentando a credibilidade necessária para um enredo fantástico. Tenho, claro está, muita vontade de ler o próximo título de Starcrossed, Dreamless, já publicado além fronteiras.

Esta é mais uma fantástica aposta da Planeta Manuscrito que me deu imenso prazer ler e que, creio, irá facilmente seduzir os leitores de fantasia. Sugiro sem qualquer tipo de restrição. É muito, muito giro.

Título Predestinados
Autora: Josephine Angelini
Género: Romance, Fantasia

2 comentários :

GirlinChaiseLongue disse...

Dá vontade de agarrar nele e devorá-lo em instantes =p

Ah, Guerra de Tróia *.* eu tenho um crush tipo gigante por isso *suspira a olhar para a Ilíada*

Elphaba J. disse...

É mesmo fascinante e autora soube fazer um bom trabalho com este memorável bocadinho de história.
:)

Redes Sociais

*Planeta*

*Planeta*
Passatempo - Até 24/09!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Até 10/09!

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Resultado!

*Marcador*

*Marcador*
Passatempo 2 - Resultado!

*Planeta Manuscrito*

*Planeta Manuscrito*
Passatempo 6 - Resultado!

*Penguin Random House*

*Penguin Random House*
Passatempo 7 - Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide