Livraria das Histórias

Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

domingo, 24 de junho de 2012

Sinopse:
Desde o massacre das bruxas, os Fae, que deviam proteger as suas primas há muito esquecidas, ignoraram as necessidades do resto do mundo. Agora as sombras voltam a alastrar-se sobre as aldeias do oriente. Sombras negras e poderosas que ameaçam todas as feiticeiras, todas as mulheres e os próprios Fae. Apenas três pessoas podem fazer frente à loucura coletiva que se está a disseminar e impedir que mais sangue seja derramado: o Bardo, a Musa, e a Ceifeira. Aiden, o Bardo, sabe que o mundo está dependente da proteção dos Fae, mas estes recusam-se a escutar os seus avisos sobre o mal que se esconde nas florestas. Vê-se obrigado a partir com o amor da sua vida, Lyrra, a Musa, numa aventura arriscada em busca do único Fae capaz de fazer o seu povo despertar da indiferença. Se os Fae não agirem depressa, ninguém sobreviverá…

Luz e Sombras começa logo após o término da história anterior, quando podridão alastrava dizimando as Filhas da Deusa e os Fea, a pouco e pouco, tomavam consciência da perda do que lhes era mais sagrado, do que sempre consideraram como certo, o seu paraíso edílico. Era apenas o início do flagelo…
Embora uma pequena batalha tenha sido vencida, a guerra contra aquelas que vivem em sintonia com a Mãe parece não ter fim. O mal reúne-se. Os homens cegam. As mulheres morrem.
A magia brota como uma maldição e actos cada vez mais insanos, obscuros, são levados a cabo por aquele que, embora mutilado, insurge soldados pérfidos a prosseguir a sua demanda enraizando os seus tentáculos em corações outrora bondosos. Nunca os Fea, nunca as Bruxas, tiveram de chegar tão longe pela sua salvação, pela propagação de tudo aquilo em que acreditam e que a natureza acolhe transformando o bem e os sonhos em realidade. No entanto, ao longe, para lá da Serra da Mãe, enquanto persistirem as jóias da verdade, reside a esperança.

Luz e sombras são conceitos permanentes que vão sendo repetidos ao longo do livro, em diferentes contextos, vinculando a certeza que a perfeição não subiste sem trevas, de que a beleza também tem um lado negro, sendo essa a chave para os afectos mais puros. Assim sucede com a Ceifeira, uma personagem imensa que mais uma vez se encontra em destaque sendo o elo de ligação entre novos intervenientes e antigos, o elo de ligação das almas ao seu repouso final. Tal como a Morte, A Senhora da Floresta surpreende a cada passagem e ao longo de toda a história é soberba a sua evolução e contraste entre outros Fea. Ela personifica a grandiosidade das personagens que só Bishop consegue criar, repletas de honra, poder e temerosas por tudo aquilo em que acreditam. Uma das grandes revelações deste livro. 
Com uma vertente mais romântica Musa e Bardo estão cada vez mais próximos dos humanos, desempenhando um papel crucial neste segundo volume, eles são ricos em emoções, em acções repletas de poder que, de pequenos gestos, constroem o futuro para salvação do mundo em que ainda acreditam. Juntos aproximam-nos dos restantes seres da sua raça, aproximam-nos da transformação que todos eles deveriam sofrer e não deixam que fiquem esquecidos aqueles que no livro anterior desiludiram mas que, de certeza, têm ainda um papel fundamental a desempenhar.

No geral, se de princípio nos foi dado a conhecer o problema, agora agrupam-se as armas por tudo aquilo que é precioso para as muitas vidas descritas. O leitor volta a ficar próximo das Bruxas, Breenna em particular, reconhece e aprende mais profundamente sobre diversos Senhores Fea e compreende a dimensão de tudo aquilo que está em jogo nesta batalha entre a Luz e as Sombras. E, se de início, o leitor pode considerar a narrativa um pouco mais leve que a sua antecedente, não se iluda, é imenso o que está para vir e o medo, assim como a mulher, continuam a reiterar página após página.  

Anne Bishop tem uma criatividade magnífica e, embora eu possa ser suspeita por ser uma grande fã sua, penso que é inegável o valor das suas concepções de maravilhoso, bem como das suas personagens.
A autora tem uma escrita bela, fluida e envolvente que facilmente absorve o leitor para o universo fantasioso onde tudo é uma possibilidade, onde é impossível, de uma forma ou de outra, ficar indiferente.
As ligações criadas são enraizadas com o decorrer da leituras que nos permeia com descrições de tirar o folgo e caracterizações extremas que levam a que facilmente se crie laços com a ficção, sendo a vivência, de todo o enredo, muito bem conseguida.
Mestra na sua arte, esta é sem sombra para duvidas uma autora a ter sempre por perto, a seguir com proximidade, capaz de nos levar viajar por histórias que estão tão perto dos nossos sonhos como dos nossos pesadelos, na minha singela opinião, é fascinante.

Pessoalmente, eu sou o tipo de leitora que ficaria horas numa fila, ao calor e ao frio, para dizer a Anne Bishop que adoro o seu trabalho, um dia vai acontecer (eu sei!) mas, até lá, cada livro seu continua a fascinar-me e este não foi excepção.
Neste segundo livro da trilogia Pilares do Mundo foi excelente reencontrar personagens do livro anterior, não só porque isso me permitiu saber o que lhes reservou o futuro, como também confirmar a sua evolução que continuou a surpreender-me. O Povo Menor, embora pouco interventivo, começa agora a cativar-me e, apesar das contrariedades das suas atitudes, acabam por ser na minha perspectiva o lado mais selvagem, menos real, desta história muito ligada à natureza, o que me atrai.
Quanto ao resto gostei de tudo, das perversidades dos inquisidores, da simplicidade das bruxas, das novas povoações, dos novos Fea e dos momentos de humor que a autora conseguiu proporcionar. Gostei do equilíbrio entre bem e o mal, sempre presente, do lado mais triste de toda a narrativa, assim como do lado mais feliz que encoraja os seres ficcionais a seguir em frente. Uma obra magnífica.

Livro Anterior
Esta obra é mais uma aposta do Grupo Saída de Emergência pertencente à colecção Bang, que continua a trazer para terras lusas grandes nomes fantástico e ficção, prova disso é esta trilogia com dois volumes já publicados que conquistarão, sem qualquer dúvida, os adeptos deste género literário. Adorei.


Os Pilares do Mundo - Opinião

Título: Luz e Sombras
Autora: Anne Bishop
Género: Fantasia
Editora: Saída de Emergência

2 comentários :

Anónimo disse...

Se gostou dos dois primeiros, então gostará do terceiro.
Não lhe vou falar sobre a história em si, para não lhe tirar o prazer, mas como sempre a escrita de Anne é maravilhosa. A mim, faz-me sair da realidade e leva-me diretamente para dentro da fantasia.

Elphaba J. disse...

Tenho a certeza que vou gostar. Anne Bishop é, como diz, maravilhosa. Uma das minhas autoras preferidas dentro do género. :)

Boas leituras.

Redes Sociais

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Até 23 de Junho!

Editorial Presença*

Editorial Presença*
Passatempo - Resultado em breve!

*Passatempo*

*Passatempo*
Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide