Livraria das Histórias

Pesquisar Histórias:

Subscrever...

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Sinopse:
R é um jovem em plena crise existencial. É um zombie. Numa América devastada pela guerra, pelo colapso da civilização e pela fome incontrolável de hordas de mortos-vivos, R anseia por algo mais do que devorar sangue quente. Só consegue pronunciar alguns monossílabos guturais, mas a sua vida interior é rica e complexa, cheia de espanto pelo mundo que o rodeia e desejo de o compreender – bem como a si próprio. R não tem memórias, não tem identidade e não tem pulsação… mas tem sonhos. Depois de um ataque, R devora o cérebro – e, com ele, as memórias – de um rapaz adolescente, e toma uma decisão inesperada: não devorar a jovem Julie, a namorada da sua vítima, e até protegê-la dos outros zombies. Começa então uma relação tensa mas estranhamente terna entre ambos. Julie traz cor e vivacidade à paisagem triste e cinzenta da semi-vida de R. E a sua decisão de proteger Julie pode até trazer de volta à vida um mundo marcado pela morte…

Um cérebro incessante arrasta-se ao longo de minutos incontáveis. Um corpo perde-se, lentamente, na cadência provocada pela fome irracional. Um homem, que já não é homem, encontra-se irremediavelmente preso a uma mente brilhante.

Sangue Quente é um inovador romance sobre os eternamente perturbadores zombies. Com um protagonista incomparável e um enredo que revela uma imaginação soberba, esta leitura transporta-nos numa viagem ao inimaginável, situando-nos num espaço de tempo onde o amor e o terror são duas faces da mesma moeda.
Isaac Marion revela através da sua escrita uma mestria rara para a ficção, enriquecendo-a com uma prosa encantatória de ritmo lento que, após estabilizar o leitor no seu universo, culmina de forma absolutamente inesperada.

É muito difícil comentar este livro sem vos ceder partes da narrativa mas farei o meu melhor, começando por vos revelar um pouco do que senti com R e Julie que, sendo opostos, se diferenciam por representarem a civilização e a singularidade de uma maldição, respectivamente.

R é tudo aquilo que eu nunca ousei ver protagonizado. Ele rompe os porquês e levanta os quês sobre a sua existência, tenta ir mais além da finitude que o persegue e perde-se na insanidade das suas vontades, irreflectidas, que nem o próprio compreende.
Tudo, a começar por ele, muda quando prova mais uma massa cefálica, aquela iguaria diminuta escondida por detrás dos olhos dos que ainda respiram, dos que lhe trazem lembranças de um tempo que ficou para sempre perdido na sua última pulsação.
A memória é um ponto fulcral da trama, tanto para os zombies como para os humanos, algo que se perde facilmente e R vai guardar, com esse alimento, os vestígios de emoções de um ser que se unirá a si e que lhe abrirá uma janela para um futuro que se encontrava selado para a humanidade.
Julie é mais vulgar, mas nem por isso menos importante. Ela é para nós o caminho de tijolos amarelos para tudo aquilo que fomos e ainda nos resta, como um dia foi Oz para uma Dorothy perdida num mundo de fantasia. Sonhadora, o seu nome deveria ser A Esperança, aquela que ilumina na escuridão, retractando uma luz repleta de sombras. Ela maltratou-se durante a sua vida difícil mas nunca deixou de acreditar que algo poderia mudar e, no seu primeiro encontro com R, sucumbirá para em seguida deixar acender a centelha que sempre aguardou.

As personagens deste livro, tanto as principais como as secundária, são a alma da própria obra e R, como narrador que exploramos de forma constante, é o destaque que vos tocará e vos fará reflectir sobre as possibilidades.
É fulcral a forma como R vai reconhecendo, descobrindo e escutando as vozes de que se alimentou, ele é vagaroso e ansioso na sua busca e transformando-se no próprio leitor. Eu fui R na sua luta titanicamente impensável pelas emoções e sensações, onde curiosamente deveria ter sido Julie. Confuso? Possivelmente mas eu avisei-vos que este não era uma opinião fácil e terão mesmo de ler para alcançar esta narrativa.

Longe da concepção comercial adaptada às publicações dos dias de hoje, esta foi uma leitura arrastada e estranha de início que, quando finalmente se entranhou em mim, rompeu e quebrou todas as amarras e preconceitos estereotipados que tinha a respeito de zombies.
As revelações e desenvolvimentos foram um bálsamo que digeri, reli, pausadamente e muitas vezes estagnei sob o espelho baço de um ser humano sufocado e decadente. A pessoa está exposta no seu limite, reflectida nas acções extremas impostas pela sobrevivência e isso já nos diz muito sobre os indivíduos que podem ser encontrados neste livro e, no respeita ao zombies, eles são tudo aquilo que esperei ao mesmo tempo revelando-me facetas totalmente inesperadas, fizeram-me rir e arrepiar.

Pessoalmente atribui o Nobel deste livro ao cérebro. Órgão inexplorado, complexo e mágico que todos queremos conhecer e que, investigação após investigação, não pára de nos surpreender. Isaac fez dele o El Dorado, a pedra preciosa mais brilhante que nos instiga a avançar linha a linha, palavra a palavra. Belo e arrepiante, não chega nem perto de nos dar respostas às muitas questões porque ansiamos mas oferece-nos um final que poderá ser continuado e nada lhe poderá retirar a designação de essência que alimenta esta obra.

Quando ao autor, Isaac Marion, é uma revelação. Não o conhecia, não sabia o que esperar da sua escrita mas dou-vos uma certeza, tal como eu, não estarão preparados para o que irão encontrar. Arrastado como o passo de um morto, anestesiante como a certeza do fim, penso que cada um encontrará o seu próprio ritmo de leitura e terá a sua singular voz quanto a caracteriza-la. Não é, simplesmente, um livro ao qual estejam habituados e como será alvo do grande ecrã é algo que desconheço, mas tal como a leitura, é coisa porque anseio.

Uma aposta que só poderia ser Contraponto, que marca sem qualquer dúvida pela diferença e que chega com ao público preparada para ser amada e odiada. Eu senti a duas coisas, mas foi a emoção mais benigna que perdurou no final… Claro que, perseverantemente (atentem a esta palavra), vos aconselho.

Título: Sangue Quente.
Autor: Isaac Marion.
Género: Romance, Terror.
Editora: Contraponto.

5 comentários :

Nia21 disse...

Antes de mais, os meus sinceros parabéns por esta crítica tão bem conseguida.
Tendo-me despertado a curiosidade para esta obra, aquando da sua publicação, já ouvi opiniões favoráveis e desfavoráveis. Opiniões menos agradadas, essencialmente, devido ao teor "romântico" que poderá constar da escrita de Isaac Marion, sendo os zombies criaturas que, para a maioria, não deverá sair da categoria de monstros vorazes em constante degradação.
No entanto, com a tua crítica, a minha curiosidade para esta obra intensifica-se, pelo que não poderei deixar de a ler.

Elphaba J. disse...

Muito obrigado Nia :)
Para quem procura apenas um romance, irá com toda a certeza desiludir-se, mas quem procura um pouco mais em cada obra que lê, esta poderá ser um bom começo.

Misa disse...

Após ler a sinopse e a tua crítica, este livro tornou-se muito interessante.
Outro ponto a favor é o facto do tema fugir daquilo que, hoje em dia, se tornou comum.
Vai para a wishlist.
Obrigada pela excelente crítica =D

Elphaba J. disse...

Obrigado Misa, é muito bom ler o teu feedback. Este é de facto um livro que rompe com as concepções actuais e que proporciona uma óptima experiência. Espero que gostes :)

slayra disse...

Também gostei bastante deste livro, surpreendeu-me pela positiva! :D

Redes Sociais

*Editorial Presença*

*Editorial Presença*
Passatempo - Até 23 de Junho!

Editorial Presença*

Editorial Presença*
Passatempo - Resultado em breve!

*Passatempo*

*Passatempo*
Resultado!

2017 Reading Challenge

Elphaba J has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide