Pesquisar Histórias:

Subscrever...

Sobre mim:

A Elphaba...

Adoradora de literatura em geral.
Viciada em literatura fantástica e romântica.
Fascinada por outros mundos e uma eterna sonhadora, assim eu sou.

Aviso:
Este Blogue e todos os textos escritos podem conter Spoilers!

Contacto:

Blog Archive

Com tecnologia do Blogger.

O Que Escrevo...

Seguidores

Próximas Opiniões...

Acasos Felizes
Um Mar de Rosas
Euro Pesadelo: Quem Comeu a Classe Média?
Pivot Point
Kafka Para Sobrecarregados
Amores contados
Maligna
A Revolta
A Marca das Runas
Un mundo feliz
Filha da Magia
Frankenstein
As Cinquenta Sombras Livre

Blogues Com Histórias...

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Na verdade não mudei, ainda, faltam 9 dias e eu estou a contar cada um deles no meu calendário, vida e coração. 

No ano que findou vocês viram-me muitas vezes dizer que a minha vida estava atribulada e esteve… e ainda sinto que vai estando, embora de maneira diferente, para melhor e com aquele tempero de borboletas no coração, com os suspiros que se perdem no infinito e aquela vontade de ser feliz. 

Como todas as mudanças, esta requer tempo e dedicação e eu, com o trabalho e sem direito a férias – o trabalho também é novo –, ando sem tempo nenhum e dedico-me menos do que gostaria. Quando não estou a trabalhar, a dar um salto à “casinha” como lhe chamamos ou a pensar em tudo o que vai mudar, estou, para minha vergonha, a sonhar acordada ou a pensar noutro projeto pessoal que poderá surgir. Ou seja, não estou a ler, não estou a escrever, a ver séries ou no computador, estou afastada dos hobbies naturais e a cuscar promoções no Continente, Leroy ou Ikea

Com tudo isto venho partilhar convosco o motivo da minha ausência que prevejo durar pelo menos mais duas/três semanas. Venho pedir-vos desculpa porque, apesar de os assuntos pessoais nunca terem estado presentes por aqui, a realidade continua a ter supremacia sobre o mundo das histórias e vocês, muitos vós presentes há muitos anos, merecem esta consideração. 

Não, o blogue não termina por aqui, ainda não sou capaz de me desfazer deste pedaço de mim mas, em definitivo, ele tem menos espaço nas minhas horas até eu poder voltar a estender as pernas numa cadeira, abrir a janela e respirar fundo sem contar os minutos, para vos falar do quão especial, interessante ou simplesmente divertido pode ser um livro. 

(Sim, será uma outra cadeira, uma outra janela mas a paixão, essa, será a de sempre!) 


Até breve e… boas leituras*

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018
Sinopse:
Em 2008, J.K. Rowling proferiu um discurso profundamente marcante na Universidade de Harvard perante uma audiência de jovens recém-formados. Uma Vida Muito Boa, agora publicado pela primeira vez em língua portuguesa, contém palavras sábias de J.K. Rowling, proporcionando orientações a todos os leitores que se encontrem num momento de viragem decisivo das suas vidas, colocando questões profundas e estimulantes: como aceitar o fracasso? Como podemos usar a nossa imaginação em benefício não só de nós próprios mas também dos outros?

É, pelo menos para mim, assumindo desde já o meu erro, muito complicado desassociar a imagem da J. K. Rowling da mulher que me fez sonhar com uma carta para Hogwarts durante tantos anos. Aliás, ainda hoje, quase duas décadas depois, basta soar a faixa sonora de Harry Potter para que eu pare e sonhe, para que eu pare e me transforme de novo em criança – parece magia, simples assim… No entanto, Uma Vida Muito Boa - Os Benefícios do Fracasso e a Importância da Imaginação é um discurso extraordinário de uma mulher igualmente excecional – não fosse ela um marco para gerações –, mulher que naquele dia tocou centenas e hoje, com a sua edição escrita, pode chegar a muitos milhões e mostrar-lhes algo que vai além da luta do bem contra o mal. 

Perante a plateia de Harvard, com tudo o que isso acarreta, o discurso da nossa autora começa com o humor ousado de quem necessita de exorcizar-se a si e a quem a escuta, para falar de grande verdades e frisar a importância das pequenas coisas.

«Objectivos alcançáveis: o primeiro passo para o desenvolvimento pessoal.» - Página 8

Após uma introdução em que os ouvintes gargalham por diversas vezes com analogias ao seu universo de feiticeiros, J. K. Rowling apresenta-nos então o tema do deu discurso: Os Benefícios do Fracasso e a Importância da Imaginação; que se apressa a explicar com a sua experiência e conhecimento adquirido na melhor de todas as escolas, a da vida. 
Ambição versus expectativa, a pobreza e a capacidade de nos colocarmos no lugar dos outros, são a base das suas palavras que, sem grandes lirismos, revelam a importância de nos desapegarmos de tudo o que não é essencial para nos tornarmos mais fortes perante a adversidade e oferecermos mais de nós a quem nos rodeia. E a forma como ela nos fala sobre isto tem tanto de singular que prova, sem questionamentos, que a capacidade de marcar o próximo está ao alcance de qualquer um de nós. 

Pessoalmente, eu fui inspirada e emocionada, revejo-me em algumas das suas dificuldades e escolhas e vejo-me ainda naquele túnel em que a luz, lá ao fundo, é a esperança que me recuso a largar, porque nada é perfeito mas a valorização do que nos é oferecido faz valer cada dificuldade. Adorei. 

Além das palavras mágicas que encontrarão nesta preciosa obra, a edição da Editorial Presença é linda, muito linda. As ilustrações e a cor tornam a leitura ainda mais inebriante, tornando o virar de páginas verdadeiramente prazeroso. Eu li duas vezes de seguida e acho que a vou deixar ao lado da cama, para ler de vez em quando e me lembrar de todas as lições que retirei deste discurso que recomendo a todos vós. 

Uma publicação deliciosa Editorial Presença que veio, definitivamente, enriquecer a minha biblioteca. 

Título: Uma Vida Muito Boa 
Autora: J. K. Rowling
Género: Não Ficção 

Para comprar o livro Uma Vida Muito Boa, clique aqui.


domingo, 28 de janeiro de 2018

Com aquele pequeno atraso que me caracteriza – e as devidas desculpas – trago-vos hoje o resultado do passatempo de Natal gentilmente proporcionado pela Editorial Presença.


Para sorteio estava disponível a oferta de dois exemplares para um único vencedor; Uma Vida Muito Boa de J. K. Rowling e O Fabricante de Bonecas de Cracóvia de R. M. Romero. Dois livros que não deixarão o seu leitor indiferente.

Gostaria, como sempre, de agradecer a todos pelas vossas participações. E, se não foi o vencedor/a, não desanime, haverá mais oportunidades em breve. 

Sem mais demoras, quem receberá este exemplar é:
277* Ana Machado

Os meus sinceros parabéns, espero que usufrua de uma excelente leitura.
E o meu muito obrigado à Editorial Presença por me oferecer a possibilidade de realizar este passatempo. 
Boas leituras*

Para comprar os livros Uma Vida Muito Boa e O Fabricante de Bonecas de Cracóvia, clique nos títulos.

sábado, 27 de janeiro de 2018

A SEQUELA DO INESQUECÍVEL BESTSELLER INTERNACIONAL O PROJETO ROSIE

Adicionar legenda
Título: O Efeito Rosie - O amor é um projeto perigoso
Autor: Graeme Simsion
Coleção: Grandes Narrativas nº 670
Tema: Ficção e Literatura
Título Original: The Rosie Effect
Tradução: Pedro Miguel Elói Duarte
N.º Páginas: 344
PVP: 17.90 €
ISBN: 978-972-23-6066-1

Sinopse:
Dez meses e dez dias após o seu casamento, encontramo-nos de novo com Don e Rosie, agora a viverem felizes em Nova Iorque. Mas Rosie está grávida e Don tem de se preparar para ser pai - o maior desafio da sua vida, anteriormente tão organizada. Para Don, cujo equilíbrio mental se baseia na planificação, a chegada de um filho é assustadora. Por outro lado, na sua atividade profissional, as surpresas multiplicam-se... 
Será Don, com o seu espírito científico, capaz de preservar a felicidade? Ou regressará ao seu anterior estilo de vida, arriscando-se a perder Rosie para sempre? O Efeito Rosie é a sequela do inesquecível bestseller internacional O Projeto Rosie.

Leia um excerto Aqui

«Inteligente, divertido e enternecedor.» | The Washington Post
«Hilariante.» | US Weekly
«Tão inteligente quanto divertido.» | The Times
«O Efeito Rosie enaltece as melhores qualidades que encontramos num amigo, num marido ou num pai, independentemente das circunstâncias.» | Booklist

Do mesmo autor de: 

Sobre a autora:
Graeme Simsion, natural de Auckland, Nova Zelândia, vive atualmente em Melbourne, Austrália, com a mulher e os dois filhos. Depois de ter sido consultor de gestão e tecnologias da informação, decidiu tornar-se romancista e dramaturgo a tempo inteiro. O Projeto Rosie, obra publicada pela Editorial Presença, foi nomeada para diversos prémios literários internacionais, dos quais venceu alguns. Conta com direitos de tradução adquiridos por 42 países e vendeu mais de 3 milhões de exemplares. Os direitos da sequela O Efeito Rosie foram, para já, assegurados por 25 países, tendo alcançado igualmente um enorme sucesso de vendas.

Para mais informações sobre o livro O Efeito Rosie, clique aqui.

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

AMOR E REDENÇÃO EM ROMANCE DE ESTREIA

Título: O Guardião dos Objetos Perdidos
Autor: Ruth Hogan
Coleção: Grandes Narrativas nº 669
Tema: Ficção e Literatura
Título Original: The Keeper of Lost Things
Tradução: Isabel Nunes
N.º Páginas: 264
PVP: 16.50 €
ISBN: 978-972-23-6022-7

Sinopse:
Anthony Peardew passou metade da sua existência a guardar com todo o zelo objetos que encontrava perdidos, numa tentativa de se redimir de uma promessa quebrada muitos anos antes. Já perto do ocaso da sua vida, decide deixar a casa onde vive, e os «tesouros» que nela foi reunindo, a Laura, sua assistente e única pessoa a quem ele pode confiar a missão de restituir aqueles objetos aos seus legítimos donos. Mas os últimos desejos de Anthony têm repercussões verdadeiramente inesperadas...

O Guardião dos Objetos Perdidos é uma brilhante história de amor e redenção que explora a importância da memória, a magia dos objetos e o que eles representam na nossa existência, e os elos inesperados que se criam entre todos nós.

Leia um excerto Aqui

«Mágico e comovente.» | Heat
«Uma história encantadora, de escrita inteligente e sensível, com personagens inesquecíveis.» | My Weekly
«O romance de estreia de Ruth Hogan revela como até os proscritos podem ter importância e prova que objetos, pessoas e lugares aparentemente díspares estão afinal relacionados.» | Booklist

Sobre a autora:
Ruth Hogan nasceu em Bedford, Reino Unido, na casa onde os seus pais ainda vivem. Em criança, era uma leitora compulsiva. As suas leituras preferidas iam desde As Crónicas de Nárnia a pacotes de cereais e pedras tumulares. Estudou Inglês e Drama no Goldsmiths College, após o que conseguiu um emprego «adequado». Algum tempo depois, desempenhou funções num serviço governamental, mas sofreu um acidente de automóvel que a impediu de trabalhar em regime de horário completo. Isto levou-a a iniciar-se na escrita. Em 2012 foi-lhe diagnosticado um cancro. Ao longo do período em que foi submetida a quimioterapia, Ruth decidiu aproveitar as horas noturnas de insónia para escrever, tendo daí resultado o belíssimo romance O Guardião dos Objetos Perdidos, cujos direitos de tradução estão vendidos para cerca de 20 línguas. A autora vive numa caótica casa vitoriana com os cães que resgatou e o seu paciente marido.

Para mais informações sobre o livro O Guardião dos Objetos Perdidos, clique aqui.


terça-feira, 23 de janeiro de 2018

1. O Homem de Giz | C. J. Tudor (Opinião)

2. Uma Vida Muito Boa | J. K. Rowling (Opinião)

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018
Sinopse:
A história começa quando aos doze anos Eddie e os amigos tiveram contacto com o misterioso Homem de Giz. Uma personagem central na trama e Eddie será assombrado por ela.
As estranhas figuras de giz conduzem Eddie e os amigos a um cadáver de uma rapariga pouco mais velha que eles e esta descoberta irá marcá-los para sempre.
Tudo aconteceu há trinta anos, e Eddie convenceu-se de que o passado tinha ficado para trás. Até ao dia em que recebeu uma carta que continha apenas duas coisas: um pedaço de giz e o desenho de uma figura em traços rígidos.
À medida que a história se vai repetindo, Eddie vai percebendo que o jogo nunca terminou.


É a isto que eu chamo entrar o ano da melhor maneira possível, no que a leituras diz respeito. 
Boa escrita, boas personagens, boas temáticas e um enredo que nos prende do início ao fim, fazem de O Homem de Giz um livro que não engana o leitor que o compra como “o livro de 2018”, pois neste momento acredito piamente que dificilmente encontrarei um policial que se lhe sobreponha em qualidade. 

É numa pequena cidade inglesa, no ano de 1986, que entre as brincadeiras da meninice descobrimos o corpo, os segredos e odor ácido da urina, do medo. Eddie e o seu grupo de amigos vão despindo a sua pele de inocência aos 12 anos e transformando-a em ousadia, na coragem e impulso que se pedem a todos os rapazes que, apesar de ansiarem por abraços fraternais, querem ser os primeiros a ser vistos como homens e heróis. 
2016, 30 anos depois, conhecemos os adultos a que a vida tratou de desfazer as ilusões. São pessoas comuns, quase demasiado vulgares, cujas memórias infantis estão abafadas pela realidade monótona das suas rotinas mas, há sempre um mas, este é o tipo de cidade que não larga os seus segredos e os jogos cândidos do passado prometem trazer de volta pesadelos esquecidos, um mistério antigo que traz consigo, sempre trará, o mesmo cheiro do medo. 

Com o seu género, thriller psicológico, evidente desde a primeira página, C. J. Tudor prende o leitor de forma subtil através de uma escrita cuidada, muito visual, que confere consistência a um cenário que tem a capacidade de se entranhar no leitor. 
É fácil imaginar esta cidade de moradias que revelam estratos sociais discrepantes, os playgrounds cujos risos ficam mais sombrios com o cair do Sol e o bosque, um bosque normal que pode esconder perigos em trilhos menos iluminados. Nada particularmente assustador mas que, através das suas palavras, vem repleto de maus augúrios. Além disto, contém ainda uma originalidade louvável e pormenores que efetivamente marcam pela diferença. 

Desenvolvendo-se em dois espaços temporais diferentes, são igualmente distintas as personagens que conhecemos, pois além das idiossincrasias da vida, também o tempo tem esse poder de metamorfose.
Eu confesso que gostei mais do passado, das crianças, porque para mim há algo na sua maldade sem filtros, por descoberta e impulso, que ultrapassa a ponderação e a consciência, que me arrepia verdadeiramente. Com eles é tudo mais vivido, mais fascinante e que ultrapassa e permanece na realidade da maturidade. Dito isto, A Rapariga do Carrossel, O Homem Branco e todas as alcunhas do grupo de amigos, que tão bem ficamos a conhecer, ficam na memória em vez dos seus nomes. 
No entanto, acreditem que não estou a desvalorizar Ed, o protagonista, ele é disfuncional o suficiente para vos prender à sua mente curiosa e aos seus dilemas, aqui a questão é que muitos conquistam relevância com o decorrer do enredo, são muitas pequenas histórias que quando interligadas dão ao livro o seu valor. 

Além de tudo o que citei, a autora conquistou-me verdadeiramente pelas temáticas, não fosse eu aquela que vive e se deixa sensibilizar pelo que lê. Há de tudo aqui, para lá das picardias ou das borboletas no estômago. Alzheimer, bulying e aborto são, a par com fanatismo religioso, as problemáticas mais marcantes e às quais tenho a certeza que vocês não ficarão indiferentes. 


E é isto! Sei que não vos disse muito mas espero ter dito o suficiente para vos deixar curiosos, porque acreditem, vão querer ler este livro! 
Para finalizar, tive o privilégio de conhecer a autora por estes dias e, creiam, ela é um doce; acreditam que tem medo de filmes de terror como eu? Vou contar-vos tudo numa publicação em breve. 
Só mais uma coisa, um obrigada imenso à Planeta pelo carinho que teve para com os bloggers no marketing deste título, em nada influenciou a minha opinião, prometo-vos, mas foi algo que me sensibilizou – uma ardósia, um saco, uma pen com o material para divulgar e, claro, uma cópia de avanço com um mês de antecedência – é bom sentirmos que o nosso trabalho ainda é querido. 

Uma leitura obrigatória para os fãs de thrillers e policiais, tenho a certeza absoluta que vão adorar! 

Título: O Homem de Giz
Autora: C. J. Tudor
Género: Thriller Psicológico
Editora: Planeta 


Redes Sociais

*Planeta*

*Planeta*
Passatempo - Resultado!